O soldado sul-coreano que matou cinco colegas no sábado é capturado

A prisão aconteceu depois de uma “tentativa de suicídio” do sargento

Soldado sul-coreano que matou cinco colegas foi capturado.

O Exército da Coreia do Sul capturou nesta segunda-feira o soldado que, depois de fugir, matou no sábado passado cinco colegas e feriu outros sete em um quartel perto da fronteira da Coreia do Norte. Minutos antes de sua prisão, o soldado tinha tentado se suicidar com um tiro na lateral. Segundo a Europa Press, ele usou um fuzil K2. O soldado, um sargento de 22 anos identificado pelo sobrenome Lim, “está sendo transferido para o hospital, mas sua vida não corre perigo”, afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa.

As Forças Armadas sul-coreanas, que mantinham o fugitivo cercado desde domingo, conseguiram pegá-lo com vida nesta segunda-feira às 14h55 (hora local, 02h55 de Brasília) depois de atirar no próprio estômago “com a intenção de se suicidar”, confirmou um porta-voz da Defesa em Seul à agência Efe. “Pedimos desculpas por causar tanta preocupação à nação”, declarou o mesmo porta-voz.

O soldado tinha levado um tiro na lateral antes de ser preso

Depois de encerrar sua guarda no sábado passado, Lim detonou uma granada e abriu fogo com seu rifle de trabalho indiscriminadamente em um posto localizado em Goseong, na província de Gangwon (noroeste), perto da Zona Desmilitarizada entre as duas Coreias. Cinco de seus colegas faleceram e outros sete ficaram feridos, sem risco de vida.

Depois do incidente, Lim se refugiou nas montanhas próximas levando consigo uma granada, uma pistola e 60 balas e protagonizou uma troca de tiros com seus perseguidores, na qual um dos líderes do pelotão do sargento ficou ferido.

O sargento Lim se refugiou nas montanhas próximas levando consigo uma granada, uma pistola e 60 balas

Depois de localizá-lo e cercá-lo no domingo, as tropas insistiram para que se rendesse. Os pais de Lim também tentaram persuadi-lo pelo telefone. Segundo a BBC, que cita a agência de notícias Yonhap, o sargento chorava enquanto falava com o pai e o irmão.

Os motivos do ataque efetuado pelo sargento são desconhecidos, mas sabe-se que, ao começar o serviço militar obrigatório, Lim foi inscrito na lista dos soldados que exigiam atenção especial devido a dificuldades de adaptação.

Não é a primeira vez que um fato desse tipo acontece. Em 2005, um soldado de uma unidade próxima à fronteira matou oito de seus companheiros ao lançar uma granada de mão no barracão onde dormiam e metralhá-los em seguida com seu fuzil de assalto. Mais recentemente, em 2011, um cabo do corpo de fuzileiros navais matou a tiros quatro companheiros e feriu outro na ilha de Ganghwa, a oeste de Seul.

Todos os homens aptos são obrigados a prestar o serviço militar por dois anos após a maioridade na Coreia do Sul, país que tecnicamente continua em guerra com a vizinha Coreia do Norte.

Arquivado Em: