Juan Carlos I desfrutará de uma proteção civil e penal dentro de um mês

O Partido Popular apresenta uma emenda a uma lei em trâmite para acelerar a proteção jurídica do Rei da Espanha Todos os processos já iniciados serão paralisados

O Rei que está saindo, Juan Carlos I, poderá desfrutar, dentro de um mês, de um foro único para causas civis e penais e que inclui todos os atos realizados em sua vida particular. O Partido Popular apresentou ao Congresso, na manhã desta sexta-feira, uma emenda a um projeto de lei que já está em trâmite para acelerar a proteção jurídica do Monarca, que perdeu sua inviolabilidade ao abdicar do trono. A partir de agora, o pai de Felipe VI só poderá ser julgado pelo Tribunal Supremo. O texto prevê o foro do rei Juan Carlos e da rainha Sofía ante as salas civil e penal do alto tribunal, e inclui uma disposição transitória que paralisa todos os processos que já tinham sido iniciados contra o Monarca antes da entrada em vigor da norma. A emenda também acelera a proteção jurídica da princesa de Astúrias, Leonor.

A proteção dos herdeiros e da consorte do Rei fazia parte do anteprojeto da Lei Orgânica do Poder Judicial, elaborado quando ainda não se sabia que o Monarca abdicaria. O texto só entraria em vigor daqui a um ano. Por isso, agora o Governo aproveita para antecipar essa proteção para as próximas semanas.

O porta-voz do Grupo Popular, Alfonso Alonso, afirmou ter dialogado com todas as alianças, mas apenas dois partidos, o UPN e o Fórum Astúrias, que estão no Grupo Misto, aceitaram apoiar as emendas. Alonso disse ainda que o assunto pode estar resolvido antes do início de julho.

A lei emendada não tem relação alguma com dom Juan Carlos nem com seus privilégios perante a Justiça. Trata-se do projeto de lei orgânica complementar à lei de racionalização do setor público, que afeta as condições de trabalho dos juízes, e outras medidas de reforma administrativa pelas quais se modifica a Lei Orgânica do Poder Judicial. O Governo considerou que este é o caminho mais rápido para dar a proteção especial ao Rei diante de qualquer processo que seja apresentado contra ele.

As emendas serão aprovadas na próxima terça-feira na Comissão de Justiça. O conjunto da lei poderá ser aprovada em plenário na próxima quinta-feira para que tramite com a mesma velocidade no Senado.

Há um ano e meio, dois juizados de Madri receberam a entrada de dois processos de paternidade contra dom Juan Carlos, mas decidiram não admiti-los. “A inviolabilidade que a Constituição concede ao Rei implica na impossibilidade de não somente exigir responsabilidade penal como também de dirigir contra o Monarca ações ante a jurisdição civil”, justificaram. O Monarca perdeu essa blindagem ao assinar sua abdicação na última quarta-feira, em um ato solene no Palácio Real. Assim, as mesmas pessoas que haviam recorrido aos tribunais poderiam voltar a acionar as demandas de paternidade.

O Partido Popular busca agora o apoio do PSOE para a tramitação de urgência das leis especiais, que geraram polêmica no Congresso. Alguns grupos parlamentares refutaram a proteção jurídica especial da qual ninguém jamais usufruiu desde o início do período democrático.

Os altos cargos têm proteção penal para que sejam investigados e julgados apenas pelo Supremo Tribunal, mas no âmbito civil e só para assuntos relacionados ao exercício de suas funções.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: