Seleccione Edição
Login

A Europa reduz suas emissões de gases de efeito estufa a níveis recordes

A UE cumprirá seus objetivos para 2020, assegura a Agência Europeia do Meio Ambiente

As emissões de gases de efeito estufa na União Europeia caíram em 2012 e já se situam em níveis que permitem à Agência Europeia do Meio Ambiente (EEA, em suas siglas em inglês) assegurar que a UE está no bom caminho para alcançar os objetivos de redução aos quais se comprometeu para 2020. A UE já enviou para as Nações Unidas seus dados de emissões para 2012: elas reduziram 1,3% em relação ao ano anterior e chegaram a um patamar 19,2% menor do que em 1990.

"Este dado coloca a UE no caminho para atingir seu objetivo de redução de 20%, oito anos antes de  2020", ressaltou nesta terça-feira a agência em um comunicado. Os 15 primeiros Estados membros da UE são também signatários do protocolo de Kyoto, como lembra a EEA. O objetivo conjunto de todo eles era reduzir em 8% as emissões no período 2008-2012. "Este grupo de países reduziu emissões em uma média de 11,8% comparado com o ano base", destaca a agência europeia.

As emissões caíram em 2012 em relação ao ano anterior por dois motivos, segundo o relatório feito público pela EEA. Por um lado, as reduções em transporte e indústria derivadas da crise econômica. Por outro, a crescente proporção de energia que se produz a partir de fontes renováveis. Itália foi responsável por 45% da redução líquida em toda a UE graças a seus transportes e suas indústrias, que emitem muito menos do que antes. A segunda maior redução é a da Polônia, devido a seu menor consumo de combustíveis fósseis. O Reino Unido e Alemanha emitiram mais em 2012 por sua maior dependência de combustíveis sujos

"A UE demonstrou que não há nenhum conflito entre uma economia que cresce e a redução de emissões de gases de efeito estufa. Na base deste sucesso estão as decisões políticas. Temos que ir além, mas isto dependerá das decisões que tomem os países membros para conseguir uma sociedade baixa em carbono e com segurança energética", afirmou o diretor da agência, Hans Bruyninckx.

MAIS INFORMAÇÕES