Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Dilma cai nas pesquisas, mas adversários não sobem

Cinco em cada dez eleitores não têm preferência por nenhum partido político, segundo os levantamentos

A presidenta Dilma Rousseff, em imagem de arquivo.
A presidenta Dilma Rousseff, em imagem de arquivo. EFE

O favoritismo de Dilma Rousseff para as eleições deste ano está balançando, segundo as pesquisas eleitorais mais recentes. Depois que o instituto Ibope apontou no dia 27 de março que a presidenta havia caído de 43% para 36% na preferência do eleitor, neste final de semana o instituto Datafolha confirmou o quadro de rejeição ao seu nome. O Datafolha apontou queda de seis pontos, saindo de 44% em fevereiro, para 38% neste início de abril.

O pessimismo na economia, com inflação persistente e a sinalização do aumento de tributos para a conta de luz, por exemplo, podem explicar a perda de confiança numa eventual reeleição de Rousseff.

Seus adversários, por outro lado, não saem do lugar, mantendo praticamente a mesma margem de preferência ao longo da corrida eleitoral. Aécio Neves, do PSDB, tem 16%, mesmo porcentual de fevereiro, e Eduardo Campos (PSB) tem 10%, um ponto a mais do que no mês passado, o que não levaria a votação para um segundo turno.

Apenas quando Marina Silva (partido Rede), é colocada como opção para os entrevistados, a eleição iria a um segundo turno: Marina teria 27% das preferências, quatro pontos a mais do que na pesquisa anterior.

Inflação

Um dado perigoso apontado pela pesquisa Datafolha é sobre a expectativa de que a inflação subirá. Das 2.637 pessoas, de 162 cidades, ouvidas pelo instituto, 65% consideram que os preços vão subir. Esse porcentual era de 59% em fevereiro.

Para um país traumatizado com a inflação até a estabilidade da moeda em 1994, a falta de controle nessa seara é um dado grave, pois corrói os ganhos salariais e obriga o Banco Central a aumentar ainda mais as taxas de juros para regular o ímpeto consumista dos brasileiros, e assim diminuir a pressão sobre os preços. Na última quarta-feira o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic para 11%.

Apesar dos cenários eventuais, uma pesquisa Ibope mostrava que cinco em cada dez brasileiros não nutria simpatia por nenhum partido. Em março, o levantamento Ibope mostrava que 22% dos brasileiros revelavam inclinação pelo PT, 6% pelo PMDB e 5% pelo PSDB.

No próximo dia 14, o PSB lançará oficialmente a chapa Campos/Marina, e sua força começará ser mensurada. Marina, porém, deve assumir a vaga de vice na chapa. Campos deixou o cargo de governador de Pernambuco nesta sexta-feira para se dedicar à campanha eleitoral.

MAIS INFORMAÇÕES