Os garotos mendigos de Potosí

Tem 27 anos e sempre sonhou em ser fotógrafo de natureza. Suas referências eram os profissionais de revistas como 'National Geographic'. No entanto, mudou de ideia depois de uma visita ao Peru em 2010. Foi só. E ficou tão marcado que desde então não concebe viajar em companhia. “Fui crescendo como fotógrafo e me foi interessando cada vez mais a imagem de aventura e social. E, sobretudo, se envolver com as pessoas”, explica. Começou a estudar para tornar-se profissional em 2010, mas dois anos depois abandonou. O que sabe é por ser puro autodidata. Nesta cena, José Antonio joga com umas crianças em um bairro ilegal de favelas de Lima. Nas seguintes, comenta em primeira pessoa uma série de retratos que tomou de menores bolivianos nas ruas de Potosí, na Bolívia. Obras que falam do que capta e dele mesmo como artista e pessoa.
Tem 27 anos e sempre sonhou em ser fotógrafo de natureza. Suas referências eram os profissionais de revistas como 'National Geographic'. No entanto, mudou de ideia depois de uma visita ao Peru em 2010. Foi só. E ficou tão marcado que desde então não concebe viajar em companhia. “Fui crescendo como fotógrafo e me foi interessando cada vez mais a imagem de aventura e social. E, sobretudo, se envolver com as pessoas”, explica. Começou a estudar para tornar-se profissional em 2010, mas dois anos depois abandonou. O que sabe é por ser puro autodidata. Nesta cena, José Antonio joga com umas crianças em um bairro ilegal de favelas de Lima. Nas seguintes, comenta em primeira pessoa uma série de retratos que tomou de menores bolivianos nas ruas de Potosí, na Bolívia. Obras que falam do que capta e dele mesmo como artista e pessoa.