Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um Airbus 330 será o ‘terceiro avião do Príncipe’

A aeronave custa 200 milhões por unidade e será necessário esperar ao menos até 2016 para comprá-la

O Príncipe ao chegar a Tegucigalpa. Ampliar foto
O Príncipe ao chegar a Tegucigalpa. EFE

A Defesa já tem um plano para evitar que se repitam incidentes como o sofrido pelo Príncipe Felipe em sua recente viagem a Honduras: comprar dois Airbus 330-200 MRTT. A missão principal destes aviões não será o transporte de personalidades, senão o reabastecimento em voo, substituindo os dois velhos Boeing 707 cisterna do Exército do Ar; um já de baixa e o outro a só dois anos de sua aposentadoria. Mas os A330 também podem operar como transporte VIP e reforçar, em caso de avaria ou manutenção, os dois Airbus 310, que estão no meio de sua vida útil. Isso sim, os novos aviões custam cerca de 200 milhões por unidade e será preciso esperar ao menos até 2016 para os comprar.

O ministro de Defesa, Pedro Morenés, assegurou nesta sexta-feira que a avaria que sofreu dom Felipe “não era grave” e afetava a um “elemento do motor” (elastômero) que não é revisado no programa habitual de manutenção. Trata-se, segundo especialistas, de um isolamento de borracha que se coloca entre duas peças para evitar vibrações. O problema não seria grave, mas suas consequências podem ser. Por isso o piloto optou por desligar um motor e realizar uma aterrissagem de emergência com o outro.