Isabel Allende ironiza no romance policial ‘O jogo de Ripper’

A escritora chilena situa sua história de crimes em San Francisco, porque se fosse na América Latina, os acontecimentos se tornariam realismo fantástico

A escritora Isabel Allende, em Madri.
A escritora Isabel Allende, em Madri.Claudio Álvarez

Os fiéis seguidores da literatura de Isabel Allende (Chile, 1942) não se sentirão decepcionados com O jogo de Ripper (lançado, por enquanto, apenas em espanhol e em português de Portugal) e os amantes do gênero policial descobrirão uma escritora que brinca nesse território. A autora seguiu a estrutura de novela policial mas sem se afastar das essências que lhe guiaram em sua obra literária. "Na minha carreira tentei de tudo: memórias, sagas, novela, trilogia infantil. É algo meu, essa coisa de me divertir enquanto escrevo. Quando algo me interessa, trato de provar. É a essência da vida". Allende não é assídua leitora do gênero policial, embora compartilhe sua vida com Wlilliam C. Gordon, um autor deste tipo de obras que escreveu sua sexta novela. "Resultava-me curioso fazer incursão em um tipo de literatura, tão ma moda atualmente. Era uma maneira de tomar com humor e ironia esses tipos de livros".

Ali ocorrem coisas que se acontecessem na América Latina diriam que é realismo fantástico, mas como passam nos Estados Unidos, é medicina alternativa ou new age

Assassinatos, intriga, um jogo de papel e uma série de personagens envolvidos na história é o que contém O jogo de Ripper.  "No fundo debocho do gênero. Tratei de fazer um jogo similar ao de Cervantes quando ridiculariza as novelas de cavalarias e escreve Dom Quixote". Antes de se lançar de cabeça nesta aventura, Allende leu várias obras de escritores escandinavos como as do bem-sucedido escritor Stieg Larsson. "Tiveram tanto sucesso porque os leitores descobriram que os nórdicos não viviam nesse paraíso que nos contaram, mas em um mundo negro e escuro".

A última novela de Isabel Allende ocorre em 2012 e está localizada em San Francisco, a cidade da Califórnia que ela conhece bem há mais de duas décadas.  "Ali ocorrem coisas que se acontecessem nas América Latina diriam que é realismo fantástico, mas como passam nos Estados Unidos é medicina alternativa ou new age", assinala a autora.

O jogo de Ripper surgiu de um pedido da agente literária Carmen Balcells. Pediu a Allende que escrevesse um livro policial junto com seu marido, o advogado Wlilliam C. Gordon. " Sabia de antemão que era impossível. Nossa forma de trabalhar é muito diferente. Ele escreve em inglês, à mão e de pouco em pouco. Eu escrevo no computador, sem um plano, em espanhol, durante onze horas seguidas se for necessário. Prefiro manter meu casamento do que escrever um romance. Aquilo acabaria em divórcio", especifica. Ela decidiu escrever só, embora em certas ocasiões tenha pedido ajuda a seu marido para que lhe desse noções básicas do gênero. "Eu comecei perfilando minhas personagens e ele me disse: o primeiro que deve fazer é descrever o assassinato". A documentação consistiu em falar com policiais, detetives, médicos forenses, assistir a uma conferência de escritores de novelas policiais. E com um psicólogo especializado em assassinatos em série. "O trabalho de documentação neste tipo de romances é muito diferente do trabalho das históricas. Aí você não pode cometer nem o menor dos erros porque em seguida aparece um historiador especificando".

A ideia do jogo de papel surgiu  ao ver a sua neta Andrea jogar o Ripper, cujo objetivo é capturar Jack o Destripador em Londres, em 1888. No romance, os jogadores são alguns adolescentes e um avô que passam na frente da polícia na investigação dos crimes. "A burocracia da polícia reduz o trabalho e os jovens têm imaginação e intuição. O universo dos garotos existe na Califórnia. Lá, é possível encontrar desde uma curandeira que se conecta com seu bicho de estimação, até personagens muito curiosos e estranhos". Andrea, uma jovem universitária, mantém uma curiosa correspondência com o Além. "É muito imaginativa. Começou me escrevendo um poema e eu lhe respondi com outro. Agora temos dois cadernos com os textos de ambas".

Eu comecei perfilando minhas personagens e ele me disse: o primeiro que deve fazer é descrever o assassinato

Esta mulher que vendeu mais de 60 milhões de instâncias de seus trabalhos literários lembra que a obra que mais lhe custou escrever foi Paula, publicada há 20 anos, um livro de memórias, narrado como um romance de suspense. O ponto de partida destas páginas é uma trágica experiência pessoal. Em dezembro de 1991, Paula, a filha de Isabel Allende, adoeceu gravemente, entrou em coma e depois morreu. Durante meses no hospital, a autora começou a escrever a história de sua família para sua filha. "Perder um filho é muito doloroso. Seu espírito está sempre presente. Não há dia que não lembre dela. Uma experiência como essa te deixa uma tristeza permanente sob a pele. Te rompe o coração e ele fica aberto para sempre". Escrever esse livro foi para Allende "um bálsamo para uma ferida muito profunda. Quando estava no hospital perdi a noção do tempo. A cada dia escrevia uma carta para a minha mãe, e ao final eu tinha 180. Quando comecei Paula li as cartas na ordem cronológica e os acontecimentos foram se ordenando.Tratei de por limite à dor".

Allende, autora de vinte livros, traduzida a 35 idiomas, assegura que nesta etapa de sua vida o que cada vez lhe custa mais é "sair do silêncio para o ruído do mundo. "Quando você escreve, você vive imersa em um universo de criação no qual só participa você e logo depois vem o turbilhão tornar público o que fizeste".