Seleccione Edição
Login

A comunidade internacional arrecada fundos para a Síria no Kuwait

A ONU conseguiu promessas de 2,4 bilhões de dólares para os civis afetados pela guerra

O país anfitrião, com 500 milhões de dólares, e os EUA com 380, encabeçam as contribuições

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry saúda o secretário geral da ONU, Ban Ki Moon antes do início da conferência de doadoras do Kuwait.
O secretário de Estado dos EUA, John Kerry saúda o secretário geral da ONU, Ban Ki Moon antes do início da conferência de doadoras do Kuwait. AFP

A ONU conseguiu nesta quarta-feira no Kuwait promessas que somadas chegam a 2,4 bilhões de dólares destinados aos civis afetados pela guerra da Síria. Os donativos anunciados ficam ainda bem longe dos 6,5 bilhões de dólares que a organização precisa neste ano para atender aos 13,4 milhões de sírios deslocados dentro e fora de seu país. Os participantes concordam que o conflito ameaça a estabilidade regional e que a ajuda humanitária salva vidas mas não resolve a crise.

“A guerra põe em perigo a estabilidade e os avanços de desenvolvimento em toda a região”, advertiu o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, durante a inauguração da conferência.

Para os vizinhos da Síria, não se trata só de palavras. O primeiro-ministro (em funções) do Líbano, Najib Mikati, lembrou que seu país acolhe cerca de um milhão de refugiados. Essa cifra, que equivale a 25% de sua população, põe as infraestruturas no limite e debilita o frágil equilíbrio sectário, em um enquadramento de crescente polarização entre sunitas e xiitas.

Alguns governos árabes temem que a exploração política dessa diferença religiosa, que aliou o Irã ao regime de Bachar el Asad e Arábia Saudita e Qatar com uma oposição eminentemente islamista sunita, possa ser contagiado por seus cidadãos. Kuwait é um exemplo claro.

“Há uma guerra sectária em marcha no Iraque e Síria, e nós temos todos os ingredientes para resultar afetados”, confia o acadêmico e ativista social Saadao Ajmi . Efetivamente, um terço dos habitantes do emirado são xiitas e embora a convivência com a maioria sunita já tenha passado por uma prova durante a guerra irano-iraquiana do século passado, agora as tensões têm se exacerbado. “A maioria dos sunitas [kuwaitíes] estão contra Bachar e a maioria dos xiitas não, embora também não posso dizer que o apoiem”, explica.

Daí, que os observadores consideram “muito inteligente” por parte do emir Sabah al Ahmad al Jaber al Sabah a organização desta conferência, que lhe permite mostrar sua preocupação pela situação síria sem alienar nenhum dos dois grupos. Daí também que o primeiro-ministro libanês propusesse que os novos acampamentos não se levantem dentro de suas fronteiras senão na própria Síria.

Esse era inicialmente o objetivo da Turquia que, segundo o alto comissionado da ONU para os Refugiados, António Guterres, a Turquia tenha gasto 2,5 bilhões de dólares. Tudo indica que o esforço, que foi também considerável na Jordânia, Iraque e Egito, vai se prolongar.

As Nações Unidas estimam que de agora até o fim do ano o número de quem busca refúgio dos combates terá se elevado para até 4,1 milhões. Além disso, 9,3 milhões a mais precisarão de ajuda dentro do país, a metade deles crianças sem acesso a previdência nem educação. O que é mais grave é que ao menos 2,5 milhões se encontram em áreas de difícil acesso devido aos combates ou aos controles que estabelecem os diferentes contendores.

“Apesar dos apelos para facilitar o acesso da ajuda, a situação segue piorando”, lamentou a vice-secretária geral da ONU para Assuntos Humanitários, Valerie Amos, que acaba de visitar a Síria. Amos culpou por igual o Governo e a oposição por “ignorar as leis humanitárias e internacionais”.

No entanto, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que qualificou a situação de “atroz”, pôs a responsabilidade no regime de Bachar el Asad.

“Tem que deixar de usar a fome como arma e permitir o acesso da população aos hospitais”, denunciou depois de falar da necessidade de uma “ação coletiva” da comunidade internacional para frear a violência. No entanto, não mencionou nenhuma medida concreta.

Kerry disse estar “trabalhando duro para sentar às duas partes à mesa na próxima semana e buscar uma solução política”, em referência à reunião convocada para Genebra no próximo dia 22. Mas as diferenças continuam sendo grandes. Não só pelo receio dos opositores (muito divididos) em se reunir com o Governo, mas também pela ausência do Irã, o principal apoiador deste.

Enquanto o representante iraniano na conferência enumerava as toneladas de combustível, comida e remédios que Teerã facilitou ao Governo sírio, seu ministro de Exteriores, Javad Zarif, viajava a Damasco para se reunir com O Assem e viajar de lá para Moscou.

O país anfitrião com 500 milhões de dólares, EUA com 380 e Arábia Saudita com 250, encabeçam as contribuições. Seguidos pela União Europeia, com 165 milhões de euros (224 milhões de dólares), embora os vinte e oito em seu conjunto constituam o primeiro doador, com um total de 753 milhões de dólares prometidos. A Espanha anunciou uma contribuição de 5,5 milhões de euros para o primeiro semestre.

No ano passado, um grupo de quarentena de países comprometeu-se a desembolsar 1,5 bilhão de dólares durante a primeira conferência de doadoras. A ONU só recebeu 70% desses fundos, segundo seu Serviço de Seguimento Financeiro. De acordo com o resumo feito nesta quarta-feira por Valerie Amos, essa ajuda serviu para assistir a 6,8 milhões de pessoas dentro e fora da Síria durante o ano de 2013.