Seleccione Edição

2013 na América em dez imagens

Uma síntese de figuras e cenas que definiram de norte a sul o destino do ano no continente americano

  • No dia 13 de março, o argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi eleito por 266 pontífices da Igreja Católica o primeiro Papa de origem americano. Na imagem, o novo Papa, que adotou o nome de Francisco, se dirige a milhares de peregrinos reunidos na praça de San Pedro.
    1No dia 13 de março, o argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi eleito por 266 pontífices da Igreja Católica o primeiro Papa de origem americano. Na imagem, o novo Papa, que adotou o nome de Francisco, se dirige a milhares de peregrinos reunidos na praça de San Pedro. EFE
  • A ex-líder do sindicato dos professores do México, Elba Esther Gordillo, atrás das grades no dia 27 de fevereiro. Conhecida como La Maestra, e presa sob a acusação de um multimilionário desvio de fundos sindicais, a queda de Gordillo simbolizou um golpe à corrupção institucional no México.
    2A ex-líder do sindicato dos professores do México, Elba Esther Gordillo, atrás das grades no dia 27 de fevereiro. Conhecida como La Maestra, e presa sob a acusação de um multimilionário desvio de fundos sindicais, a queda de Gordillo simbolizou um golpe à corrupção institucional no México. efe
  • José Efraín Ríos Montt, em maio, durante o processo em que foi julgado sob a acusação de genocídio e de crimes de guerra. O ex-ditador da Guatemala foi condenado, mas dias depois o Tribunal Constitucional anulou a sentença.
    3José Efraín Ríos Montt, em maio, durante o processo em que foi julgado sob a acusação de genocídio e de crimes de guerra. O ex-ditador da Guatemala foi condenado, mas dias depois o Tribunal Constitucional anulou a sentença. AFP
  • Um grupo de manifestantes segura uma foto do analista de informática Edward Snowden diante do consulado dos EUA em Hong Kong no dia 13 de junho. Dez dias mais tarde, o ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional norte-americana voou apara Moscou, onde permanece até agora. Snowden, que filtrou informação do programa de espionagem de seu país, se converteu em um ícone da rebeldia civil ante o poder na era das potentes -e vulneráveis- novas tecnologias da informação.
    4Um grupo de manifestantes segura uma foto do analista de informática Edward Snowden diante do consulado dos EUA em Hong Kong no dia 13 de junho. Dez dias mais tarde, o ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional norte-americana voou apara Moscou, onde permanece até agora. Snowden, que filtrou informação do programa de espionagem de seu país, se converteu em um ícone da rebeldia civil ante o poder na era das potentes -e vulneráveis- novas tecnologias da informação. REUTERS
  • 17 de junho de 2013. Um policial militar lança gás de pimenta em uma manifestante no Rio de Janeiro. Àquela época, o Brasil vivia um fenômeno pouco comum no país: uma mobilização iniciada como protesto pela subida do preço das tarifas de transporte público e que gerou uma onda de reivindicação pela modernização sócio-econômica do Brasil e contra a corrupção política.
    517 de junho de 2013. Um policial militar lança gás de pimenta em uma manifestante no Rio de Janeiro. Àquela época, o Brasil vivia um fenômeno pouco comum no país: uma mobilização iniciada como protesto pela subida do preço das tarifas de transporte público e que gerou uma onda de reivindicação pela modernização sócio-econômica do Brasil e contra a corrupção política. ap
  • O presidente do Equador, Rafael Correa, posou para a imprensa no dia 17 de setembro com a mão suja de petróleo em um ato de denúncia pelos danos ambientais atribuídos à petroleira norte-americana Chevron na região amazônica do país. O próprio Correa, à época, era objeto de críticas pela decisão de seu governo de autorizar a exploração petroleira no Parque Yasuní, situado também no Amazonas equatoriano.
    6O presidente do Equador, Rafael Correa, posou para a imprensa no dia 17 de setembro com a mão suja de petróleo em um ato de denúncia pelos danos ambientais atribuídos à petroleira norte-americana Chevron na região amazônica do país. O próprio Correa, à época, era objeto de críticas pela decisão de seu governo de autorizar a exploração petroleira no Parque Yasuní, situado também no Amazonas equatoriano. AFP
  • José Mujica, presidente do Uruguai, na imagem com uma guitarra, recebeu em outubro a visita da banda de rock Aerosmith na residência presidencial. A popularidade internacional de Mujica, devida à sua rejeição à ostentação do poder, ao seu carisma e ao seu progressista projeto político, não deixou de crescer. Sua fama de 'rockstar' humilde da política tem se apoiado em uma medida inédita na América Latina: a aprovação, em dezembro, de uma lei que regula o comércio da maconha.
    7José Mujica, presidente do Uruguai, na imagem com uma guitarra, recebeu em outubro a visita da banda de rock Aerosmith na residência presidencial. A popularidade internacional de Mujica, devida à sua rejeição à ostentação do poder, ao seu carisma e ao seu progressista projeto político, não deixou de crescer. Sua fama de 'rockstar' humilde da política tem se apoiado em uma medida inédita na América Latina: a aprovação, em dezembro, de uma lei que regula o comércio da maconha. AP PHOTO / URUGUAY PRESS OFFICE
  • Rodrigo Granda, também conhecido como Ricardo Téllez, membro da equipe negociadora das FARC nas conversas de paz que a guerrilha mantém em Havana com o Governo da Colômbia, se apresentou no dia 12 de outubro em uma coletiva de imprensa com uma camisa da seleção de futebol. 2013 foi para a Colômbia o ano da esperança -ter uma trégua na guerra- e de uma alegria confirmada: a seleção voltará a uma Copa do Mundo após 16 anos.
    8Rodrigo Granda, também conhecido como Ricardo Téllez, membro da equipe negociadora das FARC nas conversas de paz que a guerrilha mantém em Havana com o Governo da Colômbia, se apresentou no dia 12 de outubro em uma coletiva de imprensa com uma camisa da seleção de futebol. 2013 foi para a Colômbia o ano da esperança -ter uma trégua na guerra- e de uma alegria confirmada: a seleção voltará a uma Copa do Mundo após 16 anos. efe
  • Um venezuelano carrega eletrodomésticos em Caracas no dia 12 de novembro. Em 2013, a Venezuela assistiu ao falecimento de Hugo Chávez e à sua sucessão na presidência por Nicolás Maduro, que, denunciando uma "guerra econômica" contra seu país, pediu a ocupação das redes de eletrodomésticos, o que acabou gerando uma onda de saques.
    9Um venezuelano carrega eletrodomésticos em Caracas no dia 12 de novembro. Em 2013, a Venezuela assistiu ao falecimento de Hugo Chávez e à sua sucessão na presidência por Nicolás Maduro, que, denunciando uma "guerra econômica" contra seu país, pediu a ocupação das redes de eletrodomésticos, o que acabou gerando uma onda de saques. efe
  • Barack Obama e Raúl Castro se cumprimentam no dia 10 de dezembro em África do Sul em uma homenagem a Nelson Mandela. A última vez que um presidente dos EUA e de Cuba se encontraram foi em 2000, quando Bill Clinton e Fidel Castro se cruzaram na sede a ONU em Nova York. Mas não existem fotografias daquele momento.
    10Barack Obama e Raúl Castro se cumprimentam no dia 10 de dezembro em África do Sul em uma homenagem a Nelson Mandela. A última vez que um presidente dos EUA e de Cuba se encontraram foi em 2000, quando Bill Clinton e Fidel Castro se cruzaram na sede a ONU em Nova York. Mas não existem fotografias daquele momento. GETTY