Cada vez mais ‘negativado’

A expansão do crédito facilitou o endividamento dos brasileiros, mas para muitos, o acesso aos recursos tornou-se uma bola de neve

Joalheria no shooping Iguatemi, em São Paulo.
Joalheria no shooping Iguatemi, em São Paulo.Nacho Doce

Dona Amanda, dona de casa, de 80 anos, fez um empréstimo de 10.000 reais há cinco anos, para saldar dívidas do seu falecido marido. A essa dívida, o banco Santander embutiu um seguro de 3.000 reais com juros de 5%, a ser pago em um prazo de 60 meses. Depois de cinco anos, ela continua devendo 50.000 reais para o banco. Diante dessa situação desesperadora, Amanda buscou apoio no Programa para o Superendividado (PAS) do Procon, a Fundação de Proteção de Defesa ao Consumidor no Brasil. O PAS atendeu a 1.055 pessoas no primeiro ano de funcionamento.

Com a ajuda dos assistentes ela pôde renegociar a dívida sem os juros, com parcelas mais factíveis, que consideram seus gastos fixos e as contas em débito automático. Para a coordenadora do programa, Vera Remedi, o principal problema é a "falta de informação e as travas que o sistema cria para a renegociação da dívida", que, em muitos casos, pode obrigar o consumidor a ficar inadimplente por três meses para que tenha a chance de negociar. Nesse período, no entanto, a dívida continua sendo reajustada pelos juros.

Os dados oficiais de inadimplência mostram que o brasileiro é um bom pagador e que, inclusive, entre janeiro e setembro, houve uma diminuição de 12,27% de dívidas em atraso junto a financeiras, bancos e cartões de crédito, segundo os indicadores do Serasa, empresa de informações financeiras. O crédito ainda representa pouco mais de 55% do Produto Interno Bruto (PIB), diferentemente de outros países desenvolvidos, por exemplo, onde o crédito supera os 70% do PIB. No entanto, as estatísticas deixam de lado aqueles que renegociam a dívida, assim como os que pagam o mínimo do cartão de crédito. Para os bancos, quem está no cheque especial, mesmo que há anos, não é um superendividado. "Há casos em que o consumidor deve 28.000 reais. Ele ganha 1.800 reais por mês, tem um gasto fixo de 1.100 reais e paga o mínimo do cartão. E ele não é considerado superendividado? Claro que é!", indaga Remedi, coordenadora do PAS.

Ao contrário do que se pensa, o perfil daquele que busca o programa não é o consumista obsessivo que gasta mais do que ganha. "São pessoas honestas, que não conseguem dormir porque sabem que devem, porque falta comida na mesa", explica Remedi. A classe C, que ascendeu pela melhora econômica do país, participa dessa recente realidade da facilidade de obter crédito pessoal. E, por consequência, consome bens que antes não tinha acesso. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços, a Abecs, o faturamento do setor está baseado no consumo de alguns itens: 73% das compras com cartão de crédito correspondem a bens duráveis para a casa. O que preocupa são os gastos de combustível com cartão de crédito- os postos de gasolina, segundo a pesquisa da Abecs, recebem 60% do pagamento através deste meio eletrônico. E de um bem de necessidade diária, como a alimentação, paga com cartão de crédito por 56% dos consumidores.

Para o professor Wesley Silva, coordenador do grupo de estudos de comportamento financeiro da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o problema está na “utilização do cartão como extensão do salário. É o uso corriqueiro com pagamento esporádico, um comportamento nocivo, principalmente agora que a taxa de juros do país é a maior do mundo”, alerta, fazendo referência à taxa Selic, fixada pelo Banco Central brasileiro em 10%.

Em uma pesquisa sobre comportamento financeiro de universitários de classe média-alta realizada pela FGV, somente 30% dos entrevistados (em uma amostragem de 1.000) “sabia algo sobre o valor da taxa de juros cobrada pelos cartões que utilizavam”, conta Silva, admirado.

O uso inadequado do crédito pela desinformação financeira é generalizado em todas as classes sociais. Uma pesquisa realizada pela agência Data Popular, sobre o consumo nas favelas, reafirma essa realidade. Segundo o estudo, feito com dois mil entrevistados em todo o Brasil, 49% da população possui cartão de crédito e 46% considera difícil pagar as contas. Entre os gastos, preponderam roupas, calçados e eletroeletrônicos.

“Com este e outros estudos pudemos concluir que o brasileiro é mais emocionalmente dependente da posse do cartão de crédito. Ele precisa do cartão para se sentir inserido no contexto social”, conclui Silva. Muitas vezes, não se trata de produtos ou serviços imprescindíveis, mas de status. O incentivo para o consumo, para o sociólogo Dr. Jean Henrique Costa, "não deriva simplesmente das necessidades do indivíduo: a cartilha do consumo tem atuado energicamente, mesmo dentre aqueles que não possuem poder de compra. Por isso o acesso ao crédito pessoal, em suas várias interfaces, termina por comprometer o orçamento", avalia.

O professor analisou a indústria cultural e sua relação com o consumo e concluiu que há pouca resistência de aceitação de modelos reforçados pela mídia, que induzem à compra de supérfluos e posterior endividamento. "Fiquei com uma dívida de 40.000 reais comprando roupa. Queria estar na moda e, como alguns estabelecimentos facilitam o parcelamento com cartão da própria loja, acabei gastando mais do que devia", explica C.T., 39. A secretária chegou a bancar festas para os fiéis da Igreja Assembleia de Deus, com a intenção de ser aceita no grupo, o que contribuiu para um endividamento ainda maior e "que pôs em risco meu apartamento, que era minha única garantia com o banco", lamenta. Em total, foram 400.000 reais em dívidas com inúmeros bancos e entidades financeiras, o que a levou a ser judicialmente interditada no começo do ano.

Negativado

As facilidades do empréstimo com desconto na folha de pagamento, na modalidade "consignado", também ampliaram as fontes de ingresso do consumidor. Antes, era comum ouvir "estar no vermelho". Hoje, o termo "negativado" se popularizou, personificando a dívida ao invés de considerá-la uma situação conjuntural. “A palavra negativar é um neologismo criado pelos comerciantes em dado momento, com o sentido de negar crédito ao mau pagador, àquele que está ‘negativado’”, explica Leonardo Roscoe Bessa, diretor do Instituto Brasileiro de Política e Direito ao Consumidor.

Para Remedi, é muito fácil se endividar no Brasil, apesar das exigências dos bancos na hora de conceder um empréstimo. "Pagando o mínimo do cartão, em três meses você já não tem saída", explica. Esse foi o caso de K.J.C., de 30 anos. "Eu comecei a pagar o mínimo do cartão há um ano. Já paguei 5.880 reais de juros do cartão, sem conseguir saldar minha dívida, que continua sendo de três mil reais". Ela acumulou gastos ajudando a mãe a pagar o carro e, somando com seu consumo mensal e outros parcelamentos, perdeu o controle. "Você acha que o acordo pode ser bom, mas se perde a data combinada com o banco, o acordo deixa de existir e eles debitam automaticamente o mínimo do cartão da sua conta novamente. E começa tudo outra vez", explica K., indignada.