Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Empate quádruplo deixa indefinido o primeiro turno eleitoral na França

A erosão de Le Pen e Macron, a resistência de Fillon e o ápice de Mélenchon marcam o fim da campanha

Fillon, Le Pen, Macron e Mélenchon: os favoritos nas eleições francesas.
Fillon, Le Pen, Macron e Mélenchon: os favoritos nas eleições francesas. AFP

Tudo está aberto a uma semana do primeiro turno das eleições presidenciais francesas. A França se prepara para eleger o sucessor do presidente François Hollande em meio a uma incerteza pouco usual a esta altura. Quatro candidatos chegam à reta final com chance de ficar entre os mais votados em 23 de abril e assim passar para o segundo turno, em 7 de maio. As pesquisas revelam empate entre a nacional-populista Marine Le Pen, o conservador François Fillon, o centrista Emmanuel Macron e o esquerdista Jean-Luc Mélenchon.

“É inédito haver quatro candidatos”, diz Gérard Courtois, veterano cronista do Le Monde e autor da recém-publicada Parties de Campagne, uma história das eleições presidenciais na V República. “É um reflexo do envelhecimento dos partidos do Governo. São os partidos que governaram por 40 anos e que não souberam resolver o desemprego, a dívida, a competitividade da economia. Há 40 anos não há um orçamento francês sem déficit. E o resultado são 2 bilhões de dívida. O pagamento da dívida é o encargo mais alto do país, mais que o da educação nacional. Os franceses sabem disso e dizem: a direita governou, a esquerda governou, nenhuma encontrou as boas soluções, experimentemos outra coisa.”

Le Pen e Macron teriam cerca de 22% dos votos, segundo pesquisa do Le Monde publicada na sexta-feira. Mélenchon, 20%, e Fillon, 19%. A maioria das pesquisas mostra números parecidos. Com os quatro aspirantes dentro da margem de erro, a fotografia é de um final de corrida em que qualquer um pode vencer e qualquer um pode ir para o segundo turno. O socialista Benoît Hamon, afetado pela fuga de votos para o centro de Macron e a esquerda alternativa do ex-socialista Mélenchon e sua França Insubmissa, cai para 7,5%, o que o aproxima perigosamente dos candidatos sem representação no Parlamento.

A igualdade entre os quatro candidatos resulta da fragmentação do sistema de partidos. Somente um, Fillon, candidato pelos Republicanos, pertence a uma das grandes famílias políticas que estruturaram a V República. A outra é a socialista.

Explica-se, também, pelas anomalias da campanha. A primeira novidade foi que o presidente Hollande, o mais impopular em décadas, recusasse tentar a reeleição. A segunda, que Fillon, que era considerado vencedor e que agia quase como um presidente de fato, fosse golpeado pelo vendaval de uma investigação judicial pelos supostos empregos fictícios de sua mulher e seus filhos. A terceira novidade é a irrupção, na estagnada paisagem francesa, de Macron, um jovem ex-banqueiro e ex-ministro sem nenhuma experiência eleitoral. A quarta é a consolidação da Frente Nacional, de Le Pen, o velho partido da extrema-direita que tem a ambição de deixar de ser um partido de oposição e finalmente governar. A novidade final é o arranque inesperado nos últimos dias — o momentum, diriam os norte-americanos — de Mélenchon, autêntico voto útil do eleitor puro de esquerda diante da escolha entre ele e o socialista Hamon.

Empatados na liderança desde janeiro, quando surgiu o caso Fillon, e a uma distância clara de seus perseguidores, a vantagem de Le Pen e Macron foi corroída. Le Pen fez sua campanha na defensiva. Embora seu projeto seja de ruptura com o sistema, ela é, junto com Mélenchon, a única candidata que se apresenta às eleições presidenciais pela segunda vez. Uma veterana. Dependendo do ponto de vista, uma velha política. Diferentemente de Mélenchon, que não esteve em primeiro plano como ela nesse período, sua mensagem não soa tão fresca.

O problema de Macron, com o novo partido Em Marcha!, é que seus apoios são sempre voláteis. É de centro líquido: nem de esquerda, nem de direita, muito pelo contrário. A vantagem: apela a um amplo segmento de eleitores. A desvantagem: a indefinição. E se apresentar como o candidato da ruptura com o sistema ao mesmo tempo em que desfruta do apoio de figuras importantes desse mesmo sistema - ex-primeiros-ministros socialistas, como Manuel Valls, veteranos centristas como François Bayrou, ex-colaboradores de Jacques Chirac, provavelmente o próprio Hollande - obriga-o a se enquadrar ao círculo em que vive.

Fillon chega ferido aos últimos metros, mas vivo. Com a credibilidade seriamente danificada pela denúncia judicial que pesa sobre ele, mas com uma resistência de ferro. Se a França é sociologicamente de direita, o candidato dos Republicanos tem campo para mobilizar os seus na última hora.

Mélenchon, o homem do momento, suavizou os ângulos mais abruptos da sua personalidade e aperfeiçoou o seu programa. Ancorado na esquerda francesa tradicional, propõe um movimento transversal, com acentos patrióticos e populares com os quais conecta-se com partidos como o Podemos, da Espanha.

Em sua história das eleições presidenciais, Courtois compara as campanhas com um momento único da democracia, um ritual febril no qual o povo se projeta em seus políticos, um grande teatro no qual os franceses "convertem-se em diretores exigentes e imprevisíveis, descartando roteiros escritos de antemão, ditando a intriga e impondo a dramaturgia". “Agora, é o teatro do absurdo. É Ionesco. É ‘Esperando Godot’”, afirma, em referência ao autor desta corrente, Eugène Ionesco, e à obra de Samuel Beckett. “Mas”, lembra Courtois, “Godot nunca chega.”

As pesquisas nebulosas podem dar origem a surpresas. Qualquer um dos quatro pode passar para o segundo turno. A última comoção em uma noite eleitoral aconteceu em 21 de abril de 2002, quando Jean-Marie Le Pen, o pai de Marine, foi ao segundo turno ao superar o socialista Lionel Jospin. Agora, a surpresa não seria a vitória de Le Pen, mas outro cenário. O triunfo de Mélenchon e Le Pen seria, para o sistema, um terremoto maior que o de 2002.

MAIS INFORMAÇÕES