Neymar mostra sua melhor versão no Barcelona

Vivendo o auge na Europa, Neymar faz o impossível e conduz o Barça em "remontada" histórica na Champions League

Barça x PSG Neymar Ampliar foto
Neymar derruba o PSG no Camp Nou. Reuters

Neymar é o nome da vez em Barcelona. Na noite desta quarta-feira, ele só não fez chover na goleada de 6 x 1 sobre o PSG, no Camp Nou, que garantiu a heroica classificação dos catalães para as quartas de final da Champions League. O atacante brasileiro sofreu um pênalti, marcou dois gols e deu a assistência decisiva para o gol salvador de Sergi Roberto. Uma atuação de gala, coroando um momento que o clube já havia previsto antes mesmo de sua chegada à Europa.

O Barça tomou a decisão definitiva de contratar Neymar em 2011, logo depois de o Brasil vencer o Sul-Americano Sub-20 no Peru. Um relatório de Albert Valentín, hoje assistente de Andoni Zubizarreta no Olympique de Marselha, informava que o jogador havia dado um passo definitivo ao assumir a liderança de uma jovem seleção brasileira carente de gingado, de gols e de caráter. “Falta-lhe rigor tático, mas sobra-lhe todo o resto, dizia esse relatório”, recorda uma fonte do clube catalão. “Todos sabíamos que seria um jogador top, porque era desequilíbrio em estado puro”, afirma outro funcionário do Barça, “mas lhe faltava um pouco de competitividade, e ele despertou no Sul-Americano ao carregar o time nas costas”. Agora, após todos esses anos, Neymar já não é o rei (do Santos e do Brasil, porque conquistou a medalha de ouro na última Olimpíada), e sim o príncipe (do Barça). Completar o resto foi justamente o que o tornou mais completo. “Ele aparece muito”, sentencia o também brasileiro Marinho Peres, ex-jogador do Barça (1974-1976).

“É o segundo melhor jogador do mundo”

Neymar soma 22 assistências na temporada (contra 6 no ano anterior) e 14 gols. “Ele desequilibra, é determinante”, comemoram os dirigentes do Barcelona, “tanto que não temos nenhuma dúvida de que é o segundo melhor jogador do mundo, atrás do Messi”. Mas as estatísticas do camisa 11 não param por aí.

O brasileiro é o jogador que mais dribles tenta (220) e consegue (119) no Campeonato Espanhol, do mesmo modo que também é o maior alvo de faltas (99). E, embora se exija dele que agite os jogos com ziguezagues e piques, também tem uma boa estatística de acerto de passes (76,5%) nas 1.044 entregas que acumula. Falta-lhe, porém, afinar a pontaria, já que os 12 gols no torneio são o resultado de 71 finalizações, das quais apenas 28 a gol.

Antes de firmar o contrato com o clube catalão, o pai de Neymar se preocupou em saber que papel seu filho teria, pois estava consciente de que Messi representava o apogeu do futebol. “Ele foi avisado do papel que deveria desempenhar, e sempre soube das condições”, diz uma fonte azul-grená. “Aqueles que o cercam agiram muito bem, porque lhe incutiram a necessidade de se entrosar com Leo [Messi] para manter o caminho bem sucedido da equipe. Mas a verdade é que é um garoto muito inteligente e preparou sua apresentação antes de chegar, inclusive com sua máquina de marketing.” Só que a contratação – cercada de cifras polêmicas, a tal ponto que recentemente um promotor pediu dois anos de prisão para o jogador por fraude fiscal – pareceu desorientar o atleta, que terminou o primeiro ano com mais promessas que realidade. “Era jovem demais”, ressalva Peres, “e agora é um jogador, e não um projeto”.

Programa físico

“No Brasil, o futebol é mais espetáculo, e se valoriza inclusive a frivolidade, por isso faltava a ele se adaptar ao Campeonato Espanhol”, diz uma das fontes barcelonistas. “Ele entendeu que as jogadas precisam ser concluídas, para o bem ou para o mal”, acrescenta Marinho Peres. “Faz as coisas quando precisa, e hoje é um jogador muito melhor do que quando chegou”, afirma a fonte do clube. Isso ocorre também porque ganhou massa muscular, cumprindo um programa físico personalizado na academia da sua casa, conforme as instruções dos preparadores físicos do Barça. “As quatro pernas, que passam pela alimentação, descanso, felicidade e falta de lesões, ele as tem inteiras. E isso se nota”, acrescenta um dirigente. “É tecnicamente fabuloso, raro de encontrar”, aponta Peres, “mas amadureceu e escolhe bem o que fazer em cada ocasião”. Como ocorreu diante do Celta, quando desnorteou Hugo Mallo com sua profundidade e suas corridas, e também a Sergio Álvarez com seu golaço num chute refinado.

“Você reparou como ele tira a pressão e como defende quando nos recompomos num 4-4-2?”, observa a fonte do clube. “Isso mostra sua vontade de melhorar e de ajudar.” Mas quem convive com ele também prevê uma projeção ainda maior nas próximas temporadas. “Com 28 anos ele nos dará sua melhor versão, quando já tiver a maturidade que o futebol exige.” Enquanto isso, se destaca jogando fora de casa e contra qualquer adversário. Justamente o que o fez para salvar a classificação praticamente perdida às quartas de final da Champions, após a derrota por 4 x 0 contra o PSG no jogo de ida.

MAIS INFORMAÇÕES