Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Holanda fará contagem manual de votos para evitar eventual ciberataque

Considerando o “interesse da Rússia” no processo, Governo defende que se retome sistema tradicional

O candidato islamofóbico Geert Wilders, empatado com os liberais de direita nas pesquisas, durante evento em Koblenz (Alemanha), em 21 de janeiro. AP

O “suposto interesse de países como a Rússia” no processo eleitoral, como assinalou o ministro do Interior da Holanda, Ronald Plasterk, levou o Governo desse país a adotar a contagem manual de votos nas eleições legislativas, marcadas para o próximo dia 15 de março. Ao temor de um eventual ataque cibernético contra os programas de informática oficiais usados desde 2007 nas eleições, somam-se as provas apresentadas nesta mesma semana pela rede RLT. Demonstrou-se que, com um simples computador, é possível interferir no software utilizado na contagem dos votos. As prefeituras, agora, terão de ajustar a organização de seus trabalhos de modo a evitar grandes atrasos na noite da apuração. Cerca de 12,6 milhões de cidadãos estão sendo convocados para comparecer às urnas para escolher entre 31 partidos.

As pesquisas apontam empate entre os liberais de direita do primeiro-ministro Mark Rutte e o líder anti-muçulmanos Geert Wilders; para formar uma coalizão, poderão ser necessários até cinco grupos.

“O cidadão tem de poder confiar no resultado, daí o retorno ao velho e bom papel”, disse Plasterk. Embora a contagem sempre tenha sido feita dessa forma, os resultados de cada seção eram depois reunidos e contados com a ajuda de um programa concebido com esse objetivo. O problema é que ele está instalado em computadores mais antigos e, portanto, mais vulneráveis. Por isso, essa segunda etapa da apuração será feita, agora, também de forma manual.

Em 2012, estudou-se a possibilidade de autorizar que o eleitor imprimisse o voto, mas o custo elevado de sua realização sepultou a ideia

Tendo em vista o trabalho extra que será feito, a Junta Eleitoral alertou que não tem certeza de que conseguirá divulgar a tempo, ou “pelo menos com a celeridade habitual”, o resultado do pleito.

Os números de cada província vão sendo apurados ao longo da noite, mas os dados definitivos costumam ser divulgados apenas após cinco dias. Em cidades maiores, como Amsterdã, que tem centenas de seções eleitorais, “poderão ocorrer erros”, admitem representantes da Junta. Por isso, eles ainda aguardam que o Ministério do Interior esclareça se poderão ser usadas calculadoras ou algum tipo de suporte tecnológico para conferir a contagem. E também se poderão dispor de uma quantidade maior de pessoas na noite da apuração.

Nos últimos quarenta anos, a Holanda tem utilizado diferentes formas de votação, desde a versão mecânica (1966) até a sua variação eletrônica (1978) e depois um programa de informática mais sofisticado (1991). As dúvidas relativas à sua validade e segurança levaram o Executivo a encomendar um estudo aos serviços de Inteligência, que concluíram pela ausência de uma garantia absoluta. Assim, em 2008, retomou-se o tradicional lápis vermelho para preencher na cédula o quadrado ao lado do partido preferido. Em 2012, estudou-se a possibilidade de autorizar que o eleitor imprimisse o voto, para depois digitalizá-lo e se proceder à contagem total de forma eletrônica. Apesar do sinal verde dado pelo Congresso, o custo elevado de sua realização sepultou a ideia. Agora, foi o temor diante da pirataria cibernética que convenceu o Ministério do Interior de que “o mais seguro é executar todo o processo manualmente”, segundo o ministro.

MAIS INFORMAÇÕES