Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Temendo ataques, Alemanha recomenda estocar alimentos para 10 dias

Governo aprova novo plano de defesa civil contra atentados terroristas. Diretriz anterior era de 1995

Vinte e cinco anos depois do fim da Guerra Fria, a Alemanha decidiu adotar um novo plano de defesa civil. Ele inclui instruções para que a população estoque comida e água suficientes para vários dias, pensando na eventualidade de uma agressão militar convencional, mas também em hipotéticos atentados terroristas, grandes catástrofes naturais, guerra cibernética e ataques químicos, biológicos ou atômicos.

Maizière na empresa de abastecimento hídrico de Berlim AFP

“É pouco provável um ataque contra o território da Alemanha que exija o uso dos mecanismos de defesa convencionais”, observa o relatório redigido pelo Ministério do Interior alemão, “mas o país deve estar suficientemente preparado para a possibilidade de que uma ameaça se concretize”.

Uma das medidas propostas é a recomendação de acumular reservas de água suficientes para cinco dias, ou seja, cerca de dois litros por dia por pessoa. No caso dos alimentos, a recomendação é de um estoque para 10 dias. O plano contempla situações de emergência em caso de interrupção do fornecimento de água ou eletricidade, e uma série de medidas em caso de ameaça química, atômica ou biológica ou de ataques cibernéticos.

O novo plano, divulgado nesta quarta-feira em Berlim pelo ministro do Interior, Thomas de Maizière, enfatiza a provisão de medicamentos, os planos de urgência em caso de interrupção do abastecimento de água e luz e medidas de proteção contra um eventual ataque com armas químicas, biológicas e radioativas. O documento também prevê orientações para a retirada maciça de população, abrigos de emergência, medidas para obter dinheiro em espécie e a proteção de bens culturais.

Segundo Maizière, o novo Conceito de Defesa Civil vem substituir um plano “absolutamente obsoleto”, que datava de 1995. “Trata-se de um plano razoável e proporcionado para antecipar cenários catastróficos. Devemos nos preparar para uma grande crise”, disse o ministro. “É obrigação do Estado prever e estar preparado para agir diante de qualquer tipo de ameaça.”

O plano de 1995 havia sido elaborado num contexto de distensão após o final da Guerra Fria, razão pela qual dispensava várias medidas de proteção. Mas os atentados de 2001 em Nova York e uma grande catástrofe natural que atingiu o país em 2002 levaram as autoridades a idealizarem novas medidas de segurança.

Em 2012, o ministro do Interior e seus homólogos estaduais retomaram a redação de um novo plano de defesa civil, que levaria quatro anos para ser concluído. O novo documento foi criticado pela oposição, e o Partido Verde acusou o Executivo de alimentar o medo na população. “Tudo isto não é senão uma propaganda populista que joga com os medos da população e só gera uma maior insegurança”, declarou o deputado verde Konstantin von Notz.

Mas a população não se deixou impressionar pelas novas medidas. Durante um breve percurso por um movimentado supermercado de Berlim, várias pessoas admitiram que o estoque de mantimentos não era razão para pânico, e muitas donas de casa consideraram a medida desnecessária. “Eu tenho mantimentos para dois meses em minha casa”, disse uma mulher, segundo quem várias amigas suas também fazem esses estoques.

O principal temor do Governo, segundo o ministro Maizière, é um conflito híbrido que envolva Governos nacionais e terroristas, com uma mistura de ataques cibernéticos, propaganda e agressões militares. Um dos setores mais vulneráveis, segundo o ministro, é o energético. “Posso imaginar que uma mistura de grupos e Estados tenha interesse em testar, alguma vez, até que ponto a sociedade alemã é resistente e adaptável à dependência do fornecimento de energia”, disse o ministro.

MAIS INFORMAÇÕES