Papa Francisco diz que Donald Trump não é cristão

Trump rebate: “Papa rezaria para que eu fosse presidente se o Vaticano for atacado pelo EI”

A bordo do avião do Papa / Washington
Trump, em um restaurante durante sua campanha em Carolina do Sul.

O papa Francisco criticou na quinta-feira Donald Trump, magnata norte-americano e pré-candidato republicano à presidência dos EUA. E Donald Trump contra-atacou —de outra forma, não seria Donald Trump. Pouco importa se trata-se do Papa. A bordo do avião que o transporta de volta a Roma, o Pontífice disse que “uma pessoa que pensa apenas em construir muros, seja onde for, e não construir pontes, não é cristã”. A manchete estava servida. O Papa Francisco não considera Trump como cristão. O mesmo homem que nestes dias acena com uma Bíblia onde quer que vá para ganhar o voto mais religioso nas próximas prévias da Carolina do Sul. O Estado está ancorado em pleno Bible Belt (o “cinturão bíblico” que engloba os estados do sul dos Estados Unidos). “Sobre se eu aconselharia a votar ou não votar, não me meto. Apenas digo: esse homem não é cristão”, afirmou Francisco.

Foi incrível a rapidez com que Trump reagiu e emitiu um comunicado, uma declaração de guerra clara ao líder da Igreja. O cabeçalho de tal comunicado dizia: “Donald J. Trump responde ao Papa”. Grandiloquência para um personagem grandiloquente. “O Papa desejaria e rezaria para que eu fosse presidente se o Vaticano for atacado pelo Estado Islâmico”, disse o magnata nova-iorquino em um ato em Kiawah Island (Carolina do Sul), enquanto era aplaudido por seus seguidores. “É uma vergonha que um líder religioso questione a fé de uma pessoa”, declarou Trump.

“Estou orgulhoso de ser cristão, e como presidente não tolerarei que se enfraqueça e se ataque de forma constante a cristandade, como acontece agora com nosso atual presidente”, proclamou Trump em referência a Barack Obama. Pouco depois desse comunicado, o pré-candidato republicano manifestou à CNN que o Papa é “um cara maravilhoso”, informou a agência de notícias Efe. “Não acredito que isso seja uma briga. Acredito que [o Papa] disse algo mais suave do que os meios de comunicação transmitiram a seguir”, afirmou.

Comunicado de Trump.
Comunicado de Trump.

Na opinião de Trump, “o Governo mexicano e seus líderes fizeram comentários para o Papa no qual me menosprezam, porque sua intenção é continuar saqueando os Estados Unidos, tanto na área comercial como na fronteira”. O Papa acaba de encerrar quase uma semana de viagens pelo continente americano, que o levou de Cuba ao México. O último ato do Papa no México foi a celebração de uma missa bem na fronteira entre Ciudad Juárez e El Paso.

“Estão usando o Papa como um peão, e deveriam ter vergonha disso. Sobretudo quando há tantas vidas em jogo e a imigração ilegal não para de crescer”, diz Trump em relação ao México, em seu comunicado.

Ao longo de toda a campanha, em meio a suas bravatas e ataques, o magnata norte-americano afirmou que, se ganhar a presidência dos Estados Unidos, construirá um muro de 2.500 quilômetros junto à fronteira com o México e deportará 11 milhões de imigrantes.

In response to the Pope:If and when the Vatican is attacked by ISIS, which as everyone knows is ISIS’s ultimate...

Publicado por Donald J. Trump em Quinta, 18 de fevereiro de 2016

MAIS INFORMAÇÕES