Arte

35 ilustrações de ‘Zapata gay’ contra a homofobia no México

Artistas mexicanos realizam sua própria versão do quadro de Zapata nu, após protestos e ataques à comunidade LGTBIQ+ no país

“A arte tem limites?", perguntava Marcel Duchamp, no início do século XX, quando suas obras desafiavam os limites da época. Um século mais tarde, a pergunta segue no ar e questiona a reinterpretação dos símbolos, os valores, a provocação e a ironia sobre a sociedade em que vivemos.

Sob este discurso, o quadro do pintor mexicano Fabián Chairez (Chiapas, 1987) intitulado A Revolução, representa o líder de seu país Emiliano Zapata nu, montado em um cavalo, com sapatos de salto e um chapéu cor de rosa.

A obra causou rejeição por parte de alguns dos descendentes do revolucionário e grupos organizados de camponeses, enquanto foi aplaudida pelos que consideram tratar-se de uma amostra de arte contemporânea disruptiva, que pretende ir na contramão da masculinidade hegemônica e da figura do macho mexicano.

"Trata-se de representar de forma digna outro tipo de masculinidades que não estamos acostumados a ver", disse Fabián Chairez em entrevista ao EL PAÍS.

Depois que integrantes da comunidade LGTBIQ+ foram agredidos em frente ao Palácio de Belas Artes no México, onde está exposto o quadro como parte de uma exposição em homenagem ao caudilho da Revolução no país, vários artistas e ilustradores compartilharam suas versões da obra como apoio à liberdade sexual e à diversidade. Todas elas foram publicadas nas redes sociais com a hashtag #ZapataGay. Aqui, uma amostra:

View this post on Instagram

mi zapata gei🌺🌈

A post shared by Anny (@hello_anny_) on

Arte contemporáneo no te mueras nunca.

Gepostet von Rodrigo Vidal Tamayo Ramírez am Donnerstag, 12. Dezember 2019

Mais informações