Pandemia de coronavírus

Reinventando o sexo nos primeiros encontros: o que é seguro fazer além do ‘sexting’?

Ter o máximo cuidado com a higiene e escolher muito bem o parceiro são precauções essenciais na hora de retomar a vida sexual

O novo normal também nos traz muitas dúvidas sobre como recuperar nossa vida sexual.
O novo normal também nos traz muitas dúvidas sobre como recuperar nossa vida sexual.

Não perdemos a vida social durante o confinamento, nós a virtualizamos. As baladas passaram a ser por videochamada, e os aniversários ficaram para a lembrança em montagens de vídeos de amigos. O sexo também se tornou virtual. Muitos já estavam acostumados ao sexting e muitos outros estrearam nisso de enviar vídeos e fotos picantes. Mas com a volta gradual à normalidade, e às baladas no terraço, continuamos sem saber se o sexo tradicional voltará a fazer parte dos encontros.

É que o coronavírus criou uma brecha social em termos de sexo: de um lado, casais que convivem e que podem seguir com sua vida sexual; do outro, casais separados ou solteiros que tiveram de se reinventar nos últimos meses.

“Se seu parceiro sexual convive com você durante a quarentena, ambos estão isolados há mais de 14 dias e nenhum apresenta sintomas, não há razão para contraindicar essa prática tão saudável”, destaca a sexóloga Zoraida Granados. Mas “se você não cumpre essas condições e não tem certeza absoluta de que não foi exposto ao vírus, deve adotar medidas diferentes”. Será que isso nos deixa relegados ao sexo virtual ou já podemos considerar outras alternativas?

Um novo conceito de sexo seguro

Sexo seguro já não significa apenas usar preservativo. Agora, significa usar máscara também. “Embora o uso de máscara possa representar, a priori, um elemento que altera o erotismo da relação, pode ser uma medida de segurança muito eficaz para evitar o contágio, principalmente durante a penetração ou jogos que envolvam uma proximidade física especial”, esclarece Carlos San Martín Blanco, coordenador do grupo de Sexologia da Sociedade Espanhola de Médicos de Atenção Primária.

Então, usar máscara garante ter sexo seguro? Não exatamente. A chave está na proximidade. Segundo o especialista, poderíamos dizer que seriam de menor risco “todas aquelas práticas e jogos sexuais em que não há um contato especialmente estreito ou não se estabelece uma proximidade extrema, principalmente cara a cara”.

Todo isso respeitando outra medida-chave do contato social: lavar as mãos. “É muito recomendável também um banho prévio, tanto se a relação for com nosso parceiro habitual como se for com um parceiro esporádico.” Por último, a crise do coronavírus tampouco nos exime das medidas de sempre. Usar preservativo é mais importante que nunca.

O debate dos fluidos genitais

Sabemos que os beijos estão proibidos porque a saliva é contagiosa. Assim, só nos resta fazer sexo à moda de Uma Linda Mulher. No entanto, há certas dúvidas sobre quais outros fluidos devemos evitar.

Como informou a Clínica Mayo, “neste momento, não há nenhuma evidência de que a covid-19 se transmita através do sêmen ou dos fluidos vaginais, mas o vírus foi detectado no sêmen de pessoas que se recuperaram ou que estão se recuperando do vírus”.

Isso significa que, embora não haja evidência de contágio, tampouco há prova do contrário. Por isso, volta a ser imprescindível o uso do preservativo. Não só na penetração vaginal, mas também na anal, já que os especialistas lembram que foi detectada a presença do vírus nas fezes.

Também é recomendável usar preservativo ou uma barreira bucal durante o sexo oral. No caso do cunnilingus, geralmente é útil cortar um preservativo pela metade e colocá-lo sobre a vulva. Quanto ao annilingus, é melhor deixá-lo de lado por enquanto.

O Ministério da Saúde da Espanha publicou recentemente um guia sobre “aspectos-chave para a prevenção do HIV e de doenças sexualmente transmissíveis no relaxamento do confinamento por covid-19”. O guia ressalta que o novo coronavírus, SARS-CoV-2, “ainda não foi detectado nos fluidos vaginais, mas está presente na saliva, no sêmen e nas fezes. Embora no momento não haja evidência de transmissão por saliva, sêmen ou fezes, o documento recomenda que sejam adotadas medidas para evitar o contato com esses fluidos e/ou matéria fecal”, insistindo na importância dos métodos de barreira de proteção.

Além disso, em relação ao sexo oral há outra questão no ar: o contato com a saliva. Mais uma vez, a Clínica Mayo lembra que um parceiro íntimo pode se contagiar com o vírus ao tocar certas superfícies “e depois tocar a boca, o nariz ou os olhos”. Não que seja o mais comum, mas certamente uma sessão de sexo não parece o melhor momento para nos concentrarmos em não tocar depois nosso próprio rosto. É melhor evitar tentações e colocar barreiras. Afinal, durante o sexo oral também é possível o contágio com infecções de transmissão genital, que poderiam ser evitadas usando preservativo.

Então, o que podemos fazer?

No sexo, costumamos ver qualquer limitação como um problema. As sexólogas adoram vê-las como novas oportunidades. Tudo bem, talvez não possamos fazer tudo que vêm à cabeça de forma natural, mas quando resolvemos inovar também surgem boas ideias.

Para Leticia García Castelló, este é o momento de pôr em prática muitas das coisas que imaginávamos durante longas sessões de sexting, mas agora ao vivo: “Se falamos sobre o quanto gostaríamos de acariciar seu peito, agora podemos fazer essas carícias”. As massagens e as carícias, que sempre parecem ficar em segundo plano, depois de tanto tempo sem contato de pele com pele, podem ser grandes protagonistas. Desde que não fiquemos cara a cara e mantenhamos certa distância. Podemos até usar elementos como massageadores, penas ou chicotes, se quisermos experimentar coisas novas.

Outra opção é que nós mesmos nos toquemos, para o prazer sexual de nosso companheiro. “Masturbar-se diante do parceiro pode ser muito excitante”, aponta García Castelló. Além de instrutivo.

Ficando no meio-termo, o do sexo a distância, mas ao vivo, a sexóloga também propõe usar brinquedos sexuais com controle remoto para estimular o parceiro, embora não seja com nossas próprias mãos. “Há brinquedos com os quais a pessoa que tem o comando pode controlar e sentir as vibrações do brinquedo que se introduz na outra pessoa”. Assim, as duas pessoas participam. Claro que devemos sempre cuidar muito da higiene dos brinquedos e não compartilhá-los com parceiros diferentes.

Caso, no final, não consigamos aguentar a vontade de penetração, a sexóloga sugere o conhecido “coronasutra”. Uma coleção de posições para penetrar mantendo certa distância. Não é uma prática de risco zero, porque sempre que há proximidade há risco de contágio, mas consiste em reduzir ao máximo esse risco. Para isso, “é importante não ficar cara a cara e recorrer a posições de costas”. Como a conhecida posição do cachorrinho. Tudo isso sempre com máscara e preservativo. “Que são elementos que, longe de cortar nosso estímulo, também podem ser erotizados”. Mais uma vez, tudo é questão de usar a imaginação e a vontade.

A também sexóloga Zoraida Granados insiste que, se for ocorrer um contato mais estreito, será preciso reforçar ao máximo as medidas de segurança. “É preciso lavar as mãos antes e depois, lavar também qualquer brinquedo antes e depois de utilizá-lo, evitar os beijos e evitar o contato oral-anal”, além de tomar um banho tanto antes como depois da relação sexual.

Escolha bem com quem

Por último, Granados ressalta que é preciso tomar cuidado não só com as práticas que fazemos, mas também com o parceiro que escolhemos para realizá-las. “Não mantenha relações sexuais se você ou seu parceiro não está bem ou faz parte do grupo de risco, ou se o parceiro não pertence ao seu ambiente habitual”.

O coronavírus não nos mudou tanto como dizemos e, como sempre, continuam existindo pessoas responsáveis quanto à sua sexualidade, e outras nem tanto. Leticia García Castelló relata que, com base no que vê no consultório, “há pessoas que parecem ter certeza de que a água com sabão, as máscaras e o álcool em gel são suficientes para ter relações sexuais. Outras têm plena consciência dos riscos que podem acarretar os jogos que realizávamos antes da pandemia, por isso são mais cautelosos e buscam opções alternativas”. O verdadeiro risco depende do grupo em que acreditemos estar e naquele em que estiver nosso possível parceiro.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações