‘Megxit’: machismo, classismo e racismo no último drama real

Os tabloides e o setor reacionário concentram as críticas em culpar Meghan Markle pela decisão dos duques de Sussex de se tornar ‘independentes’ da Coroa.

A duquesa de Sussex, Meghan Markle, em 2018.
A duquesa de Sussex, Meghan Markle, em 2018.cordonpress

“A imprensa britânica teve sucesso em seu aparente projeto de assediar Meghan Markle, duquesa de Sussex, para que vá embora da Grã-Bretanha.” A professora de jornalismo Afua Hirsch, autora de Brit(ish): On Race, Identity and Belonging, publicou quinta-feira o artigo Black Britons Know Why Meghan Markle Wants Out (“negros britânicos sabem por que Meghan Markle quer ir embora”) no The New York Times. Sua coluna criticou a monarquia como “centro simbólico do establishment” responsável pela noção de um Império Britânico “construído com base em uma doutrina de supremacia branca”. Também descreveu o “tratamento racista” que a canadense sofre na mídia britânica desde o anúncio de seu noivado com o príncipe Harry da Inglaterra e as iradas reações diante da vontade dos duques de Sussex de se tornar “independentes” da família real britânica e viver na América do Norte.

Entre outros episódios, a autora lembra que a imprensa se referiu ao DNA de Markle como “exótico” (ela é mestiça), que o primeiro filho do casal, Archie, foi comparado com um chimpanzé na BBC, e que se insinuou que o fato de ela gostar de abacate é “responsável por assassinatos em massa”. E expõe a hipocrisia de que Markle tenha sido “condenada” de forma quase unânime na mídia por ter trabalhado como editora convidada na revista Vogue, enquanto se aplaudia e elogiava que Kate Middleton tenha feito a mesma coisa no The Huffington Post e que o príncipe Charles fizesse isso em duas ocasiões na revista Country Life.

“Esse tratamento comprova o que muitos de nós já sabemos: não importa o quanto você seja bonita, com quem se case, que palácios ocupe, que causas apoie, o quanto seja fiel ou quanto dinheiro acumule: nesta sociedade, o racismo sempre a perseguirá”, assina Hirsch.

A jornalista diz que “a imprensa britânica, depois de atacar o casal continuamente, agora reage com choque a essa mudança”. Uma reação irada que evidenciou não só o racismo cotidiano contra Markle (o colunista Owen Jones resumiu isso numa paródia, publicando em suas redes uma oportuna montagem com o filme de terror Corra!, aqui protagonizada pela família real britânica), como também altas doses de machismo e classismo contra a duquesa de Sussex.

Embora o comunicado divulgado pelos duques tenha sido utilizado o pronome “we” (“nós”) a todo momento para se referir a uma decisão aparentemente consensual, a opinião pública insiste em responsabilizar totalmente Markle. Não chega ao nível de uma crise de abdicação como a de Eduardo VIII lendo sua renúncia na BBC por amor a Wallis Simpson, mas o setor progressista aplaude Meghan por “ter desmantelado a monarquia em menos de dois anos”, ou traduz esse movimento em uma curiosa troca de papéis nas fábulas infantis (“era uma vez uma bela princesa que resgatou o príncipe”, tuitou a jornalista Jenna Sauers). O setor mais reacionário e conservador, por outro lado, exibe um sexismo desenfreado. O grupo da campanha Leave.EU (“saia da União Europeia”), que foi fundado pelo financiador do partido anti-europeu UKIP, o empresário Arron Banks, e defendeu o Brexit no referendo de junho de 2016, decidiu publicar uma montagem na qual Markle aparece vestida como dominatrix controlando Harry, com a pergunta: “Pussy-whiped?” (algo como “submisso à mulher?”).

“O fato de a decisão de Meghan e Harry ser chamada de Megxit só reforça suas razões para se emancipar da Casa Real britânica”, escreveu Patricia Moreno na Vogue, lamentando que esse trocadilho com o Brexit seja o apelido do caso (“não é porque soe melhor”) e que estejamos mais uma vez diante de um exemplo da síndrome de Yoko Ono –quando se atribui ao aparecimento de uma namorada incômoda a culpa pela mudança de comportamento de um homem carismático. Um paradigma misógino que várias mulheres sofreram (Ono foi acusada de “acabar” com os Beatles, Nancy Spungen com os Sex Pistols, Courtney Love com o Nirvana, etc.), e que Sarah Lyall também resgatou em forma de denúncia no The New York Times, diante das críticas que acusam Markle de “ter chegado a interferir no relacionamento de Harry com seu irmão”, o príncipe William.

Enquanto o ex-chef da princesa Diana, Darren McGrady, posou de adivinho com poderes psíquicos para atacar Markle no Twitter, acusando-a de “ter manipulado” Harry (“a princesa Diana estaria furiosa com seu filho”, afirmou), não são apenas os tabloides que alimentam a paranoia sexista, classista e racista contra Meghan com múltiplas fontes anônimas do Palácio de Buckingham. As redes também reproduzem esse desdém pela duquesa de Sussex, como assinalou a revista Bustle. É o que contas no Instagram expõem a suposta “golpista que enganou a família real” (@scammingduchess), em postagens no 4chan e no 8chan que a atacam sem cerimônia (em agosto, uma investigação da Sky News revelou a perseguição que ela sofria de trolls em inúmeras publicações e contas no Facebook), e em canais do YouTube com mais de 20.000 assinantes, como Murky Meg (“Meg sombria”), que acusam a duquesa de Sussex de faltar com o patriotismo britânico.

“Harry e Meghan não escaparão do escrutínio, e muito menos das críticas, não importa aonde vão, e devem saber disso. Mas que tenham escolhido esta opção, que resultará em décadas de bile da mídia sendo lançada sobre suas cabeças, não é uma reflexão sobre eles. É uma reflexão sobre todos os outros”, escreveu a colunista Hadley Freeman a respeito da enxurrada de notícias em tom negativo sobre o casal na mídia. Uma reflexão que também levará a questionar por que a imprensa de todo o planeta decidiu rotular toda essa ofensa como #Megxit e não optou, fazendo justiça a esse “we” paritário que os duques defendem, pelo suculento #Sussexit.

Mais informações