Opinião
i

China é a maior beneficiada das tensões entre Trump e Irã

Conflito com o Irã pode colocar a perder o único acerto diplomático do presidente americano, facilitando a estratégia chinesa de se projetar como alternativa benigna aos EUA

Presidente Donald Trump durante visita a Ohio, nos Estados Unidos.
Presidente Donald Trump durante visita a Ohio, nos Estados Unidos.JONATHAN ERNST / Reuters

Desde que se tornou presidente dos Estados Unidos, Donald Trump não alcançou nenhuma grande vitória na política externa. Pelo contrário: a aproximação com a Coreia do Norte fracassou, Washington deixou de ter um papel relevante nos debates sobre os dois maiores desafios atuais — mudança climática e migração — e nem os principais aliados dos EUA confiam em um presidente que, durante a campanha, prometia “tantas vitórias que os americanos vão até cansar de ganhar”. Edward Luce, correspondente em Washington do jornal britânico Financial Times, escreveu recentemente que Trump era uma “ameaça à paz mundial”, acrescentando que o presidente americano não via “limites legais ou morais para suas ações, incluindo crimes de guerra”.

Porém, mesmo seus críticos reconhecem que Trump acabou ajudando a sociedade americana a priorizar o debate público sobre como lidar com a ascensão da China. Ainda que de um jeito tosco e contraproducente, o presidente conseguiu fazer os Estados Unidos perceberem que a escalada chinesa era o principal desafio de política externa dos EUA, muito mais relevante para o país do que qualquer outro conflito, seja no Oriente Médio, na Ucrânia ou no Afeganistão. De fato, pode-se afirmar que o maior erro da atuação externa americana nas últimas duas décadas foi seu envolvimento em conflitos no Afeganistão e no Iraque. Além de sangrentos e fúteis, esses confrontos tiveram pouca importância estratégica para Washington, desviando uma atenção que podia ter sido dedicada a elaborar uma estratégia mais sofisticada em relação à ascensão do Reino do Meio. No futuro, historiadores se perguntarão como um país que ainda era a maior potência do período foi tão míope a ponto de se envolver em guerras caríssimas e sem impacto sistêmico enquanto uma nova superpotência capaz de ultrapassá-lo despontava a olhos vistos. Enquanto os ataques de 11 de setembro de 2001 e a chamada “Guerra ao Terror” não passarão de notas de rodapé na história do século 21, a volta da China ao centro do mundo provavelmente será um de seus temas centrais.

Barack Obama até entendeu essa realidade, mas não foi capaz de encerrar o envolvimento militar americano em conflitos secundários, tornando-se o primeiro presidente dos EUA a passar todos os oito anos de mandato em guerra — um triste recorde que os nostálgicos pelo líder democrata tendem a esquecer. Trump foi mais perspicaz nesse sentido, mas agora periga ceder ao mesmo erro, pondo a perder seu único acerto diplomático.

Se nas duas décadas passadas os líderes chineses ficaram contentes em ver seu maior rival ocupado em conflitos de baixa relevância — dos quais Pequim sabiamente manteve distância —, eles agora devem torcer pelo mesmo erro de cálculo em relação ao Irã. Afinal, a China seria a maior beneficiária de um confronto militar entre os Estados Unidos e o país persa. Dada a sofisticação das Forças Armadas iranianas, esse confronto provavelmente seria mais caro, longo e complexo do que aqueles travados contra o Iraque ou Afeganistão. Mesmo diante da possibilidade de um rápido colapso do governo de Teerã, os Estados Unidos teriam uma responsabilidade na reconstrução do país, e ficariam amarrados por anos à região. No campo diplomático, os prováveis abusos de direitos humanos, mortes de civis e possíveis crimes de guerra cometidos por soldados americanos aumentariam a rejeição e o isolamento dos Estados Unidos. A grande maioria da comunidade internacional se recusaria a apoiar os EUA em um conflito que muitos enxergariam como ilegal e desnecessário.

Uma guerra assim produziria uma inevitável onda de sentimento global anti-americano, permitindo um fortalecimento da narrativa de Pequim, que busca colocar a China como uma alternativa benigna, confiável e pacífica aos Estados Unidos: potência em declínio, instável, agressiva e ressentida por sua perda de hegemonia. Com a atenção pública global focada no conflito com o Irã, a China sentiria ainda menos pressão diplomática em relação aos abusos de direitos humanos em Xinjiang e à repressão em Hong Kong.

Um ataque americano ao Irã tampouco estancaria o avanço dos interesses chineses no Oriente Médio. Nos casos do Iraque e do Afeganistão, o que vimos é que a China conseguiu fortalecer sua presença econômica e diplomática mesmo com governos instalados por Washington após as invasões. Embora a imprensa americana insista em enfatizar a influência iraniana no Iraque, a notícia mais importante do ano passado foi a decisão do governo iraquiano de integrar a Nova Rota da Seda (conhecida como BRI), plano de desenvolvimento global do governo Xi Jinping do qual o Afeganistão também já faz parte. Os EUA gastaram cerca de dois trilhões de dólares em dezoito anos de ocupação no Afeganistão mas é a China que terá a maior influência econômica no país, já sendo sua principal investidora.

A decisão recente de Trump de impor novas sanções ao regime iraniano aumenta consideravelmente a influência econômica da China, principal parceira comercial do Irã. Durante uma visita do ministro das Relações Exteriores iraniano Javad Zarif a Pequim em setembro de 2019, o governo chinês anunciou um pacote de investimentos de 400 bilhões de dólares: o maior na história dessa relação bilateral. Assim como aconteceu no caso venezuelano, as sanções de Trump têm facilitado o projeto chinês de aumentar sua influência econômica, uma vez que retiram a concorrência imposta por empresas americanas.

Após o assassinato do general Soleimani pelos EUA no começo de 2020 e da retaliação iraniana subsequente, o cenário mais provável não é de um confronto militar clássico, como ocorreu no Iraque em 2003, mas de um conflito assimétrico de baixa intensidade. Isso deve envolver ataques a instalações militares e postos diplomáticos americanos no Oriente Médio, ciberataques a instituições financeiras dos EUA e apoio a grupos que lutam contra aliados de Washington, como os rebeldes houthis no Iêmen, dificultando a atuação dos Estados Unidos na região. A crise, porém, aumentou as chances de que algum erro de cálculo acabe levando a uma invasão dos EUA no Irã.

Sendo assim, a decisão de matar Soleimani — segundo homem mais poderoso do Irã e uma figura que muitos viam como um possível candidato à presidência em eleições futuras — ameaça a única ideia positiva que Trump articulou para a política externa americana: a de se retirar de guerras desnecessárias e finalmente focar-se inteiramente na necessidade de articular uma estratégia mais coerente para lidar com a ascensão chinesa.

Mais informações