_
_
_
_

Republicanos propõem suspender teto da dívida e afastam risco de calote dos EUA

Senadores democratas se mostram dispostos a aceitar uma prorrogação de dois meses para elevar o limite e cumprir as obrigações financeiras do Governo

María Antonia Sánchez-Vallejo

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mitch McConnell economía en Estados Unidos
O líder da minoria republicana do Senado, Mitch McConnell, nesta quarta-feira no Capitólio.J. Scott Applewhite (AP)

O thriller do teto de endividamento, que colocou os EUA à beira da primeira suspensão de pagamentos da sua história, pode ficar momentaneamente adiado depois da oferta do líder republicano no Senado, Mitch McConnell, de suspender o limite durante dois meses, até 18 de dezembro, evitando assim uma crise financeira sem precedentes. Os senadores democratas mostraram sua disposição em aceitar a oferta republicana, que demonstra duas coisas: que a solução oferecida é só um emplastro e que a oposição já dita a agenda legislativa e inclusive a do Executivo de Joe Biden, com os olhares definitivamente voltados para as eleições legislativas de 2022.

A encarniçada negociação sobre o teto da dívida coincidiu também com a dos dois planos de infraestrutura que constituem a espinha dorsal da agenda doméstica de Biden, e que não só enfrentam a resistência da oposição republicana como também de parte dos democratas. Todas as iniciativas avançam, portanto, aos trancos e barrancos, de maneira que a suspensão provisória do teto da dívida representaria, mais que um remendo, um alívio momentâneo para a Administração.

Até agora, os democratas tentavam suspender o teto de endividamento até dezembro de 2022, com o objetivo de evitar o debate em meio à campanha para as eleições legislativas do ano que vem, que renovam toda a Câmara e parte do Senado. A proposta foi aprovada na semana passada pelos deputados, mas ainda dependia da votação no Senado. McConnell, como líder dos republicanos no Senado, já tinha anunciado sua recusa a qualquer medida de longo prazo. No Senado, para aprovar qualquer lei, são necessários 60 votos do total de 100; atualmente, democratas e republicanos empatam em 50 assentos.

Nesta quarta-feira, antes de o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, anunciar que aceitaria a proposta republicana, a senadora Tammy Baldwin afirmou à CNN que aprovar um aumento do teto que seja suficientemente alto para cobrir as obrigações financeiras do país até dezembro equivaleria a “uma vitória temporária” de seu partido, mas “com muito trabalho pendente pela frente”.

Estes primeiros meses de mandato não poderiam ser mais complicados para Biden. Ao fiasco do Afeganistão e à enésima crise de imigração na fronteira, entre outros sobressaltos, acrescenta-se um Congresso em pé de guerra, onde cada projeto de lei é defendido ou atacado, conforme o caso, com unhas e dentes. Em relação ao teto de endividamento, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, vem advertindo que a falta de acordo levaria o país a “uma crise recessiva” sem comparação. O próprio Biden se viu obrigado a entrar na arena e nesta quarta se aliou em uma frente comum aos dirigentes das principais empresas do país, incluindo vários grandes bancos, numa tentativa quase desesperada de pressionar os republicanos a suspender, mesmo que provisoriamente, o limite de endividamento.

“Nossos amigos republicanos devem deixar de jogar roleta-russa com a economia norte-americana”, declarou o presidente durante uma reunião telemática com os altos executivos. Yellen reiterou que a partir de 18 de outubro os cofres públicos “ficarão quase sem liquidez e ela se esgotará rapidamente”, o que situaria o país à beira de uma “crise financeira” como a de 2011, durante o mandato de Barack Obama. Na época, o banco Standard & Poor’s rebaixou a nota de solvência do país, que no entanto acabou conseguindo evitar um default.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_