Navalny: “Putin está por trás do crime, não vejo outra explicação”

Em sua primeira entrevista depois de sair do coma, concedida à revista semanal alemã ‘Der Spiegel’, opositor russo conta o que sentiu ao ser envenenado

Alexei Navalny em fevereiro, em Moscou, durante cerimônia do aniversário da morte do também opositor russo Boris Nemtsov.
Alexei Navalny em fevereiro, em Moscou, durante cerimônia do aniversário da morte do também opositor russo Boris Nemtsov.Shamil Zhumatov (Reuters)

O opositor russo Alexei Navalny tem poucas dúvidas de que o presidente russo, Vladimir Putin, está por trás do envenenamento que quase tirou sua vida. “Afirmo que Putin está por trás do crime, não vejo outra explicação”, disse Navalny em sua primeira entrevista depois de acordar do coma, publicada na revista semanal alemã Der Spiegel. O inimigo do Kremlin está em Berlim desde 22 de agosto, data em que foi evacuado da Sibéria em um avião medicalizado depois de apresentar sintomas de envenenamento.

Laboratórios independentes da Alemanha, França e Suécia confirmaram que Navalny foi envenenado com uma substância tóxica da família do Novichok, um agente nervoso usado em 2018 para tentar matar o ex-espião russo Sergei Skripal no Reino Unido. Moscou nega qualquer envolvimento no caso Navalny, que disparou as tensões diplomáticas entre a União Europeia e Moscou. Na longa entrevista, Navalny relembra o momento anterior ao seu colapso, quando perdeu a consciência em pleno voo entre a Sibéria e Moscou, obrigando o piloto a fazer uma aterrissagem de emergência. “Você não sente dor, mas sabe que está morrendo.”

Depois de sair do coma, Navalny, de 44 anos, diz que planeja voltar para a Rússia quando se recuperar. “Meu trabalho agora é continuar sendo o tipo que não tem medo. Quando minhas mãos tremem, não é de medo, é daquela coisa [o veneno]. Não vou dar a Putin o presente de não voltar à Rússia”, disse. “Não quero ser um líder da oposição no exílio”, afirma o inimigo do Kremlin, que na entrevista expressa sua enorme gratidão aos alemães. “A Alemanha se tornou um país especial para mim”, disse o opositor, que durante a internação recebeu a visita da chanceler alemã, Angela Merkel. “Fiquei impressionado com que detalhe [Merkel] conhece a Rússia e o meu caso”, acrescentou.

O paciente teve alta há uma semana do hospital berlinense em que esteve internado durante 32 dias e agora está em um processo de reabilitação na capital alemã. Afirma que está muito melhor e que os médicos pensam que sua recuperação total é possível. Ele foi inicialmente internado em um hospital na cidade siberiana de Omsk, onde se afirmou que nenhum vestígio de substâncias tóxicas havia sido encontrado. Uma ONG alemã organizou a evacuação de Navalny, que dois dias depois voou em um avião medicalizado para a capital alemã, onde foi internado no grande hospital clínico de La Charité.

KREMLIN ACUSA NAVALNY DE TRABALHAR PARA A CIA

O Kremlin acusou na quinta-feira o opositor russo Alexei Navalny de trabalhar com a CIA, depois que o ativista ter declarado que acredita que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, está por trás do suposto envenenamento do qual está sendo tratado na Alemanha. “Não é o paciente que trabalha com a inteligência ocidental, é a inteligência ocidental trabalhando com ele. Isso seria mais exato. Essa informação existe. Posso inclusive dizer que especialistas da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos estão trabalhando com ele atualmente”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov. Uma declaração que pode aumentar a pressão sobre os líderes ocidentais, especialmente sobre a chanceler alemã Angela Merkel.

O líder opositor respondeu que processará Peskov pelas declarações e o desafiou a apresentar evidências que apoiem sua teoria. “Mostre-as na televisão no horário de maior audiência. Tem minha permissão”, postou Navalny em seu site. Peskov, por sua vez, afirmou que as declarações do opositor feitas à ‘Der Spiegel’ contra Putin eram inaceitáveis, infundadas e insultantes. REUTERS

 


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: