Narendra Modi, um líder divisionista na Índia

O primeiro-ministro enfrenta riscos de conflito com a China e o Paquistão, além da epidemia fora de controle

Narendra Modi, por Luis Grañena
Narendra Modi, por Luis Grañena

Ser o primeiro líder indiano nascido após a independência do país (1947) permitiu a Narendra Modi enfrentar, livre de amarras, os fantasmas indeléveis da partição do subcontinente indiano, resquícios de um passado que retorna com frequência na Caxemira e hoje parece a pronto de arrebentar com o Paquistão e a China, com os quais a Índia compartilha fronteiras no exuberante e explosivo Himalaia. O enésimo choque foi a batalha sangrenta entre soldados indianos e chineses na linha de demarcação. Dois colossos nucleares e uma volátil fronteira em disputa, com um homem forte e sem complexos em Nova Délhi.

Mais informações

Mas Narendra Namodardas Modi (Vadnagar, Gujarat, 1950), poderoso primeiro-ministro da Índia ―ele revalidou seu mandato no ano passado, de goleada, massacrando a oposição― não se caracteriza somente por sua política externa assertiva, nem por um programa de governo nacionalista e protecionista (“India first”, Índia primeiro). Nem por seus tiques populistas: ele já era um protopopulista quando governou seu Estado natal, entre 2001 e 2014.

Filho de um modesto vendedor de chá gujarati, Modi se tornou proselitista no RSS, o movimento radical de direita que promove o Hindutva (supremacia hindu), e se projetou no ativismo político durante a emergência decretada por Indira Gandhi entre 1975 e 1977, um dos períodos mais sombrios da história recente do país. Isso lhe permitiu escalar degraus e desembocar em 1980 no Bharatiya Janata Party (BJP, na sigla em inglês), uma formação nacionalista hindu à frente da qual em 2001 ele se tornou ministro-chefe de Gujarat, um Estado com maioria hindu e 10% de muçulmanos.

Em 2002 emergiu a pior onda de violência sectária na Índia desde os eventos de Ayodhya (1992). Os distúrbios causados pelos pogroms de muçulmanos em todo o país custaram entre 2.000 e 3.000 vidas, em uma orgia de atrocidades. A tibieza de Modi com os desmandos de seus correligionários hindus, que muitos qualificaram como condescendência e alguns, aquiescência, rendeu-lhe boicotes da União Europeia, do Reino Unido e dos Estados Unidos, que também lhe negaram visto. Vinte anos depois, Modi frequenta a Casa Branca e o Fórum de Davos, como convidado galáctico.

A lembrança do terror sectário não interferiu em sua ascensão ao topo. Em 2014, foi coroado primeiro-ministro da Índia. O BJP ratificou sua almejada vingança contra o monopólio de poder do partido do Congresso, dos Gandhi, graças a essa figura divisionista, com nítidos tons autocráticos, e ao mesmo tempo envolta em tal halo de beatitude que entre seus atos de campanha está o de retirar-se para uma caverna para meditar.

Deve-se à faceta mais esotérica de Modi a instituição do Dia Internacional do Yoga (21 de junho), adotado pela ONU em 2014 a seu pedido. E também a incerteza quanto ao seu estado civil: segundo as fontes, é solteiro, divorciado ou mesmo viúvo, como uma sucessão de hologramas dele próprio. A versão mais plausível é que ele se casou aos 18 anos, um matrimônio arranjado que durou quatro anos. O próprio Modi, desde então celibatário confesso, reconheceu esse parêntese muito depois.

Graças a Modi, o BJP alcançou seu objetivo, e vice-versa: “Redefinir a identidade indiana ao vinculá-la a um passado hindu transformado em mito e, ao mesmo tempo, transformá-la em um movimento político enérgico e moderno”, segundo a aguda definição de Patrick French no livro India: a Portrait. Mas seus opositores ―o bastião secular da intelectualidade de Nova Delhi e Calcutá; as minorias convertidas em alvos― destacam a conta a pagar: a insidiosa agenda sectária e a crescente intolerância religiosa, com leis discriminatórias como a da Cidadania, a concentração de poder em suas mãos, a ponto de deslocar o eixo de gravidade do Legislativo ―o DNA da maior democracia do mundo― para sua figura quase presidencial, o fraco desempenho econômico, apesar de suas promessas bombásticas, e com medidas como a desmonetização (retirada de circulação de certas notas) que aprofundaram o abundante setor informal indiano.

Sua gestão bem-sucedida em Gujarat (crescimento, mas sem desenvolvimento) não tem valido para a vastidão do país, e o manual Modinomics desperta cada vez mais receios, visivelmente reforçados pela desaceleração econômica e, agora, pelo impacto da pandemia: a Índia é o terceiro país do mundo em novos contágios, segundo o monitoramento da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. A Índia conta, nesta quarta, um total de 2.329.638 infectados pelo coronavírus.

“Para governar bem é preciso envolver e mobilizar as pessoas, caso contrário, o líder se torna um autocrata. Hoje todo o poder está concentrado no gabinete do primeiro-ministro”, lamentou em 2019 Arun Kumar, professor emérito da combativa Universidade Jawaharlal Nehru, em Délhi. Mas o que seus críticos menos lhe perdoam é que está erodindo os princípios fundadores da Índia independente, aquela Índia para todos os indianos que permitiu a um intocável como BR Ambedkar ser um dos pais da Constituição de 1950. O mesmo ano que viu nascer aquele que se tornaria o timoneiro da Índia no século 21, finalmente livre das amarras de 1947.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: