IDENTIDADE DE GÊNERO

Demi Lovato se declara de gênero não binário

Estrela da música norte-americana afirma que dá esse passo após um longo tempo de reflexão e que a partir de agora não quer ser “ele” e “ela”

Demi Lovato, na cerimônia do Billboard realizada em Las Vegas em maio de 2018.
Demi Lovato, na cerimônia do Billboard realizada em Las Vegas em maio de 2018.STEVE MARCUS / Reuters

Mais informações

Demi Lovato se abriu com seus seguidores e publicou um vídeo e um longo texto em seu perfil do Instagram no qual explicou que a partir de agora se considera —e quer que o mundo a veja assim— de gênero não binário. Ou seja, a estrela da música e ex-estrela infantil da Disney, de 28 anos, não se vê como homem nem como mulher.

A partir de agora Lovato não quer que se dirijam a sua pessoa com os pronomes “she” (ela) e “he” (ele), e pede que se use “they”, traduzido literalmente como “eles”, mas que em inglês é utilizado pelas pessoas não binárias e em português costuma ser traduzido como elu (a forma elx tem deixado de ser adotada por ser considerada menos inclusiva). Pouco menos de 5% da população, calcula-se, se identifica como não binária.

“Todo dia ao acordar, temos a oportunidade de ser quem queremos e desejamos. Passei a maior parte de minha vida crescendo diante de todos vocês. Viram as coisas boas, as ruins e tudo o que há no meio. Minha vida não foi uma viagem somente para mim, também a vivia para todos os que estavam do outro lado das câmeras. E hoje estou feliz por compartilhar mais de minha vida com todos vocês. Tenho o orgulho de contar que me identifico como pessoa não binária”, disse em seu perfil do Instagram (que tem mais de 104 milhões de seguidores) a cantora de músicas como Heart Attack e Sorry Not Sorry.

“Cheguei aqui após um processo de cura e muita reflexão. Ainda estou aprendendo e me conhecendo, e não tento me apresentar como especialista e porta-voz”, esclareceu Lovato. “Compartilhar isso com vocês faz com que eu me abra a outro nível de vulnerabilidade. Estou fazendo isso por todos que estão aí que não foram capazes de compartilhar quem vocês realmente são com seus entes queridos. Por favor, continuem vivendo dentro de suas verdades e saibam que os envio muito amor”.

Lovato acaba de lançar um podcast chamado 4D e recentemente gravou um disco chamado Dancing with the devil, The art of starting over (Dançando com o diabo, a arte de recomeçar). Além disso, em março também foi divulgado seu documentário, também chamado Dancing with the Devil, em que revelou o inferno que vivenciou. Lovato teve um vício grave em álcool e drogas que causou uma complicadíssima overdose em julho de 2018, algo que provocou três derrames que geraram danos cognitivos, entre eles cegueira (hoje transformada em problemas de visão que impedem que dirija), um ataque cardíaco, uma falha múltipla dos órgãos e uma pneumonia. Além disso, o traficante responsável por vender as substâncias nessa noite abusou sexualmente de Lovato. Após passar por hospitais e clínicas de desintoxicação, afirma que descartou a sobriedade e desde 2019 fuma maconha e consome álcool “com moderação”. “Aprendi que para mim não funciona dizer que nunca voltarei a fazê-lo”, confessou.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.


Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50