Economia do Japão fecha 2019 com uma brusca queda e alimenta o medo de recessão

A terceira potência mundial recuou 1,6% no trimestre de outubro a dezembro, afetada pelo aumento do IVA. É o pior dado em quase cinco anos

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na quinta-feira, com seu Governo.
O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na quinta-feira, com seu Governo.Yoshitaka Sugawara / AP
Ignacio Fariza|Agências
Madri / Tóquio - 17 feb 2020 - 20:18 UTC

O mau desempenho do Japão nos últimos três meses de 2019, nos quais a terceira maior economia do mundo recuou 6,3% ao ano e 1,6% em relação ao trimestre anterior –o pior dado em quase cinco anos e uma queda que praticamente dobra o previsto–, aproxima de novo o gigante asiático do abismo da recessão. O pior parece estar por vir: o surto de coronavírus começou no início de dezembro e o alerta global só foi dado em janeiro, a epidemia iniciada em Wuhan (China) quase não teve impacto nas cifras divulgadas nesta segunda-feira pelas autoridades japonesas. Este ano ela terá seu preço.

Mais informações

Todos os componentes do PIB, exceto os gastos públicos e a balança externa – que melhorou 0,5%, embora do lado menos positivo: as exportações se mantiveram e as importações caíram – se contraíram no período final de 2019. O consumo privado afundou 1,6% em relação ao trimestre anterior (e dois dígitos na comparação ano a ano: 11%), em grande parte por causa do aumento do IVA decretado para financiar a saúde, as aposentadorias e as pensões e de um inverno mais quente do que se previa, o que reduziu as vendas de têxteis. O investimento privado não residencial caiu 3,7% em comparação com o trimestre anterior e o residencial, 2,7%.

A economia japonesa está estancada há anos –não é à toa que o termo “japonização da economia” seja usado como referência a um país ou bloco que não consegue decolar –, mas não decrescia desde o terceiro trimestre de 2018.

Tanto o Governo Abe como o Banco do Japão esperavam um impacto menor do aumento do IVA do que em 2014, quando o PIB caiu 7% ano a ano em um único trimestre. Aquela tinha sido a última vez que a economia japonesa registrou dados comparáveis (negativos) com o divulgado nesta segunda-feira. Desta vez, porém, o aumento da pressão tributária foi sido menor, os alimentos foram excluídos e o Governo tinha adotado uma série de contramedidas para amenizar um potencial colapso na demanda que, no entanto, acabou acontecendo.

“Há uma grande possibilidade de que a economia sofra outra contração entre janeiro e março. O vírus terá impacto principalmente na chegada de turistas e nas exportações, mas também poderá pesar bastante no consumo doméstico”, diz Taro Saito, analista do Instituto NLI, em declarações à Reuters. “Se esta epidemia não for contida até a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, os danos à economia serão enormes”. Com mais de 400 casos diagnosticados e um morto, o Japão é o segundo país mais afetado pelo surto, atrás da China, de onde se originou. Mas, além dos dois países, o coronavírus também abalou as perspectivas de outras economias importantes para o continente asiático: Cingapura, por exemplo, acaba de reduzir suas projeções de crescimento para 2020 e a Tailândia viu suas expectativas diminuírem para o nível mais baixo em cinco anos.

"Continuaremos a prestar atenção, de forma cuidadosa, ao efeito do vírus no turismo e na economia como um todo", afirmou o ministro da Economia do Japão, Yasutoshi Nishimura, em um comunicado. "Dependendo do nível de emergência, tomaremos as medidas necessárias e responderemos por completo."

O medo do que pode vir nos próximos meses –o banco Natixis, por exemplo, antevê a recuperação mais distante que nunca e acredita que o PIB “dificilmente será maior que 0%, e é provável até que fique negativo em 2020” –levantou especulações sobre a possibilidade de o Governo de Shinzo Abe poder expandir o pacote de estímulos, além do aprovado no último trimestre do ano passado: 1º equivalente a 515 bilhões de reais, em boa parte para amenizar o efeito do aumento do IVA decidido em outubro.” Considerando os riscos, o Executivo enfrentará uma pressão crescente para aumentar os estímulos fiscais que já estão em andamento. Uma forte queda no PIB [nos primeiros estágios de 2020] também não será fácil [de digerir] para o Banco do Japão", acrescenta o economista Yuki Masujima, em conversa com a Bloomberg.

No entanto, o plano de relançamento da economia só deverá começar a fazer efeito ao longo do ano em curso. “Estou me preparando para outra contração no primeiro trimestre. Simplesmente não há fatores positivos suficientes para construir um prognóstico otimista”, diz Mari Iwashita, da Daiwa Securities, que acredita que o Governo alargará os estímulos previstos quando vier à tona uma nova queda da economia entre janeiro e março. O mercado acredita que isso é uma questão de tempo.

Mais informações