BIG BROTHER BRASIL
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

Juliette, uma dose de otimismo para o cérebro

A participante do BBB 21 nem imagina o futuro promissor que a aguarda quando sair. Torcer por ela, sem muito medo de dar errado, é a descarga de dopamina que precisamos para continuar

Juliette Freire./INSTAGRAM
Juliette Freire./INSTAGRAM


Mais informações

Juliette Freire é o nome da nordestina que já tem um dos maiores engajamentos já visto nas redes sociais e contratos publicitários que devem superar o prêmio de 1,5 milhão de reais do programa que está participando. Se você não se rendeu à programação televisiva que está ocupando o tempo e a mente de milhares de brasileiros em mais um ano atípico de pandemia, posso lhe explicar o fenômeno social por trás de Juliette.

Nascida em Campina Grande, mas atualmente vivendo em João Pessoa, Juliette é a filha de dona Fátima e seu Lourival, uma cabeleireira e um mecânico. A única da família a conseguir ter ensino superior, a jovem abandonou a faculdade de medicina para se tornar advogada. Para conseguir se manter enquanto o sonho de ser delegada não se realizava, tornou-se maquiadora profissional. Mas aí veio a pandemia, a falta de dinheiro e a casa onde morava teve de ser devolvida.

Juliette estava se sustentando com o auxílio emergencial do Governo, quando a notícia de que iria para participar do Big Brother Brasil chegou. Animada, a moça falante enxergou no programa uma chance para mudar de vida. O que ela não sabia é que desde a primeira semana iria encontrar tanta dificuldade para ser compreendida pelo jeito de se comunicar. As brincadeiras da participante, bem como o sotaque raiz—cheio de interjeições que um bom nordestino reconhece para dar o tom da piada—eram interpretados como grosseria. E a moça foi murchando. Acuada sem saber como faria pra mudar o jeito de falar (como os outros participantes queriam), Juliette ressurgiu das cinzas. Decidiu manter suas características culturais, enfrentar a rejeição dos colegas e cantar. Ao som de uma voz doce e suave, Alceu Valença, Maria Gadú e até Chico César foram entoados. A moça pedia que Deus a protegesse da maldade de gente boa e o público parece ter se identificado com a oração.

O fato é que tudo isso tem uma explicação científica. Desde que o homem pré-histórico passou a contar suas experiências de caça ao redor das fogueiras e usar este momento de socialização para construir memórias orais, podemos observar uma necessidade de reconhecimento e legitimidade social como uma das nossas necessidades primordiais. Nosso corpo e mente foram criados para viver em grupo, para sobreviver através das relações sociais e com grande necessidade de reconhecimento. A questão é que esta validação, muitas vezes, depende da realização de grandiosos feitos, reforçando a ideia de que é preciso sobreviver aos infortúnios da vida.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Ao longo de gerações, fomos levados a crer que toda a nossa jornada de vida implica, também, na descoberta de aspectos heróicos em nossas atitudes. Aspectos estes que serão capazes de nos transformar enquanto indivíduos e de mudar a realidade de quem está ao nosso redor. Os enredos das peças gregas e os roteiros de Hollywood deixam claro o que sempre foi uma necessidade de sobrevivência emocional nossa: a de sermos salvos. Nosso cérebro sempre teve a clara percepção desse objetivo e por isso mesmo sempre buscou nas relações culturais, políticas e midiáticas a redenção que a presença de um super-herói ou super-heroína pode nos trazer.

E o que tudo isto tem a ver com o reality Big Brother Brasil em 2021? Absolutamente tudo.

O filósofo e sociólogo Edgar Morin explica bem essa questão quando se refere ao Olimpianos. O termo vem dos habitam o Olimpo ( Monte Olimpo), que é a mais alta montanha da Grécia e na mitologia grega refere-se à morada dos Deuses do Olímpio. Morin explica que os Olimpianos são os indivíduos promovidos a heróis, vedetes, um misto de humano e sobre-humano. Conforme os termos do filósofo, os “olimpianos são sobre-humanos no papel que eles encarnam, humanos na existência privada que eles levam”. Juliette e tantos outros que surgem em meio a uma sociedade sedenta por validação social, com as mentes isoladas dentro da sua própria aglomeração social, têm um duplo papel. São ao mesmo tempo mitológicas e humanas.

Essa dupla identidade surge como resultado do que precisávamos. Veja o caso de Juliette e o contexto de um país desolado com o golpe de mais de 4.000 pessoas morrendo por dia. A sensação de caos que a falta de comandos políticos claros deixou, gerou a falta de credibilidade de uma nação que busca “alguéns” a quem recorrer. Sendo assim, uma pessoa que tenha carisma, além de ser uma representação fiel de tudo aquilo que nós gostaríamos de ser/ter se materializa na imagem de uma participante de um programa de TV.

De repente, tudo fica muito claro. Juliette passou a carregar a esperança da superação das dificuldades sem fim vividas pela pandemia. É o alento e riso triste que consola nas horas em que a realidade da falta de dinheiro, vacina e saúde falam alto. Os números de engajamento de Juliette mostram o poder do carisma e credibilidade que a jovem nordestina, subestimada e valente é capaz de ter. E nosso cérebro sente prazer em premiar quem achamos que se parece conosco e que, de certa forma, nos identificamos.

Juliette nem imagina o futuro promissor que a aguarda quando sair da “casa mais vigiada do Brasil”. Esta é a grande reviravolta e final feliz que estamos ansiosos por ver se realizar. Torcer por ela, sem muito medo de dar errado, é a descarga de dopamina que precisamos para continuar. Depois de tanto sofrimento, uma merecida e grande recompensa.

Gosto de pensar que talvez a nossa vida também seja como a da narrativa de Juliette. E que, assim como ela, também nem podemos imaginar o futuro promissor que nos aguarda quando “tudo isso passar”. No fundo, somos grandes otimistas.

Lígia Sales (@ligiasal) é consultora de marketing sócia da www.ankrondigital.com.br, professora mestre em semiótica e pesquisadora de neuromarketing.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: