Monty Python

Morre o comediante Terry Jones, do Monty Python

O comediante e roteirista, que faleceu aos 77 anos, dirigiu ‘A Vida de Brian’, em que interpretou a divertida mãe do protagonista

O ator britânico Terry Jones en Londres, em outubro de 2012.
O ator britânico Terry Jones en Londres, em outubro de 2012.ANDREW COWIE

O ator cômico Terry Jones, membro do grupo Monty Python, morreu nesta terça-feira aos 77 anos, informou seu empresário nesta quarta-feira. Nascido em 1942 em Colwyn (País de Gales), Terence Graham Parry Jones era um dos dois intérpretes não ingleses do grupo cômico (o outro é Terry Gilliam). Além de ator, diretor, roteirista e compositor das músicas dos filmes do Monty Python, Jones atuou nos títulos mais famosos, como Monty Python em Busca do Cálice Sagrado (1974), A Vida de Brian (1979), dirigido por ele e do qual permanece na memória a sua interpretação da grosseira e hilariantemente cruel mãe do protagonista, e Monty Python - O Sentido da Vida (1983), que ele também dirigiu. Em setembro de 2016, Jones foi diagnosticado com afasia progressiva primária, uma doença neurodegenerativa que causa uma deterioração progressiva da linguagem, por isso, não deu mais entrevistas.

Mais informações

“Estamos profundamente tristes por ter que anunciar a morte de nosso querido marido e pai", confirmou a família nesta quarta-feira em um comunicado. “Terry faleceu na tarde de 21 de janeiro aos 77 anos, tendo sua mulher, Anna Soderstrom, a seu lado, depois de uma longa batalha que enfrentou com extrema coragem e sempre de bom humor contra uma rara variante de demência”, acrescentou a família do artista. “Seu trabalho com o Monty Python, seus livros, filmes, programas de televisão, poemas e outros projetos viverão para sempre.”

A doença foi uma ironia cruel para um ator e roteirista que, com outros cinco colegas, soube torcer a linguagem e levar ao absurdo mais irreverente os convencionalismos da sociedade britânica, primeiro na televisão com a série Monty Python’s Flying Circus, de 1969 a 1974, e depois no cinema. Seu humor era universal, como demonstra o sucesso de A Vida de Brian e Monty Python em Busca do Cálice Sagrado.

Ele também atuou como historiador: seu livro Medieval Lives (Vidas da Idade Média ou a Idade Média Vive) foi um best-seller e nele zombou com brilhantismo de um período reverenciado nas lendas britânicas. "Os cruzados levaram 200 anos para criarem o fanatismo muçulmano atual, a imitação exata da intolerância cristã", escreveu ele. Nos últimos anos, ele trabalhou sobretudo na televisão e chegou a dirigir dois documentários históricos.

O comediante teve dois filhos com a primeira mulher, Alison Telfer, e um terceiro com a segunda, Anna Soderstrom.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete