Pandemia de coronavírus

“O nível dos artigos científicos sobre a covid-19 tem sido decepcionante”

O epidemiologista Nicholas White defende os testes com hidroxicloroquina e prevê que pode haver uma vacina em 2021, embora de eficácia limitada

Nicholas White, epidemiologista e especialista em doenças tropicais das universidades Mahidol e Oxford.
Nicholas White, epidemiologista e especialista em doenças tropicais das universidades Mahidol e Oxford.

O canto dos pássaros e o cacarejo de algumas galinhas acompanham a conversa telefônica com Sir Nicholas White (Londres, 1951). “Eu crio galinhas em casa”, explica de Bangcoc o epidemiologista, um dos principais especialistas em malária do mundo. White é professor de Medicina Tropical da Universidade Mahidol da Tailândia e da Universidade de Oxford. Também é um dos diretores do COPCOV, um teste clínico entre profissionais de saúde do Reino Unido que analisa o potencial da cloroquina e de seu derivado mais popular, a hidroxicloroquina, como remédios para evitar o contágio da covid-19.

O recrutamento de pacientes para o COPCOV foi suspenso no final de maio pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos Sanitários do Reino Unido (MHRA na sigla em inglês), alegando riscos à saúde desse princípio ativo. A decisão da MHRA aconteceu depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) interrompeu temporariamente seu teste Solidarity, que procura determinar se a hidroxicloroquina serve como tratamento para pacientes com covid-19. White também assessorou a OMS no teste Solidarity. A resolução da OMS foi justificada pela publicação de uma pesquisa na revista The Lancet que concluiu que a cloroquina e a hidroxicloroquina aumentam as chances de morrer por insuficiência cardíaca. Uma centena de cientistas, entre eles White, publicou uma carta acusando os autores do estudo de irregularidades, falta de transparência e inconsistência na avaliação dos dados usados. A OMS reiniciou seu teste em 3 de junho, depois de que a dúvidas sobre o trabalho científico foram apresentadas. Até mesmo os autores do estudo recuaram e pediram que o trabalho fosse tirado do portal da The Lancet.

Mais notícias

Pergunta. Foi correta a decisão de interromper os testes clínicos com hidroxicloroquina?

Resposta. Não, não foi apropriada porque estava claro que havia algo errado no estudo publicado na The Lancet. Existe outro estudo, do início de maio, no The New England Journal of Medicine, que também tomou a inusual decisão de publicar suas reservas sobre este medicamento sem ter realizado uma análise completa. O mais estranho é que ambos os estudos usam os mesmos dados da mesma empresa, a Surgisphere.

P. Houve muitas advertências, não apenas do campo científico, mas também das agências reguladoras nacionais e internacionais. O senhor acredita que existe uma excessiva imagem negativa da hidroxicloroquina?

R. A questão foi politizada, até a BBC a chama de “o medicamento de Donald Trump” [o presidente dos Estados Unidos, assim como o presidente Jair Bolsonaro, defende veementemente seu uso]. A verdade é que não sabemos se é benéfica ou prejudicial no tratamento da covid-19. Houve estudos que detectaram benefícios, outros mostram temor em relação ao seu efeito em cardiopatias. Como acontece com todos os medicamentos, existem riscos e efeitos colaterais, e a única maneira de determinar seu valor é com testes de controle randomizados [as pessoas que recebem o medicamento são selecionadas aleatoriamente]. Mas está sendo difícil realizá-los devido à politização e à reação exagerada das autoridades reguladoras, da OMS, embora esta já tenha mudado, do Reino Unido e da França.

P. Essa suspeita também pode se deve ao fato de haver pesquisadores que estão assumindo um papel popular para além de seu campo científico? Talvez o melhor exemplo seja a popularidade do francês Didier Raoult, um dos grandes defensores da hidroxicloroquina.

R. É verdade, e nós, cientistas, devemos permanecer neutros. Não devemos promover medicamentos ou criticá-los se não tivermos evidências sólidas e, no caso de que estamos falando, ainda não as temos.

P. Existem diferenças notáveis, em termos de risco, entre administrar hidroxicloroquina a pacientes hospitalizados e o uso profilático desse componente?

R. Sim. Os médicos avaliam riscos e benefícios. Se você está hospitalizado pela covid-19, isso significa que possivelmente tem um alto risco de morrer. Nessas condições, é mais justificado usar doses mais altas e, portanto, é mais perigoso. Mas insisto, não sabemos se é benéfico ou contraproducente, por isso os testes clínicos são necessários. Os estudos existentes com doses mais altas são o Recovery Trial do Reino Unido e o Solidarity Trial da OMS. Os comitês de monitoramento de dados de ambos os testes estão permitindo sua continuação porque não há sinal de que o medicamento seja perigoso. Os benefícios seriam diferentes na administração de cloroquina ou de hidroxicloroquina como profiláticos, para impedir o contágio do novo coronavúírus. As doses são muito mais baixas e são as mesmas usadas durante sessenta anos no tratamento de doenças reumáticas. Centenas de toneladas deste medicamento são dadas todos os anos a milhões de pessoas. Sabemos muito sobre sua segurança e tolerância. Apresenta efeitos colaterais, mas tem boa tolerância. No campo profilático, os riscos foram exagerados, principalmente em relação à cardiotoxicidade. Se você tomá-lo durante muitos anos, pode ter efeitos nos olhos e no coração, mas se tomar durante meses, não. As pessoas foram confundidas com informações muito diferentes. O nível dos artigos científicos sobre a covid-19 tem sido decepcionante. Houve pressa para publicar e erros foram cometidos.

P. Recentemente surgiram opiniões médicas na Itália e na Índia que afirmam que o coronavírus está perdendo a virulência. O senhor acredita que isso é possível?

R. O vírus está evoluindo, mas duvido que já existam informações suficientes para apoiar esta hipótese. Declarações públicas estão sendo feitas constantemente, todo mundo tem algo a dizer. Muita gente diz coisas que podem ser verdadeiras, mas o que precisamos são evidências sólidas. O problema é que a situação é notícia, você mesmo está me entrevistando agora para falar do assunto. As pessoas gostam de aparecer no noticiário, gostam de dizer coisas para ganhar uma manchete.

P. O senhor está otimista sobre as possibilidades de haver uma vacina no fim deste ano ou em 2021?

R. Estou certo de que teremos uma vacina no próximo ano, inclusive possivelmente ainda no fim deste ano. Mas a questão é quão eficaz será. É possível que a primeira geração da vacina não seja muito boa, que não garanta a imunidade durante muito tempo. Teremos uma vacina, mas a grande questão é se esta vacina resolverá o problema ou se o vírus se esquivará dela.

P. Ainda não existem avaliações conclusivas sobre por que o vírus parece se espalhar mais facilmente em alguns países e não em outros. Que hipótese o senhor está considerando?

R. Não sabemos, mas existem indícios de que está relacionado à temperatura, à umidade e à maneira de interagir de uma sociedade. O vírus pode ser transmitido de forma mais eficaz se fizer frio e se as pessoas mantiverem um contato muito próximo. Mas não sabemos ao certo. Estas são perguntas que precisam de uma boa pesquisa, mas com a covid-19 está sendo muito difícil fazer uma boa pesquisa devido à politização, ao escrutínio dos meios de comunicação e às tantas pessoas que emitem mensagens confusas. Quando a pandemia começou, o mundo inteiro entrou em pânico e os Governos anunciaram que iriam ajudar a pesquisa, mas muitos Governos não o fizeram, mantiveram a mesma burocracia, os mesmos obstáculos. Fica bem dizer que você vai apoiar os pesquisadores e que descobrirá uma vacina, mas o que os Governos devem fazer é facilitar de verdade a pesquisa.

P. Quais medidas concretas e imediatas o senhor tomaria para reduzir o risco de novas doenças serem transmitidas de animais ao ser humano?

R. Não sei de onde virá a próxima doença de origem animal, mas eu diria que se em muitos países, e na China em particular, se deixasse de comer os poucos animais selvagens que nos restam, o risco sem dúvida seria reduzido.

P. Qual é sua principal preocupação com o futuro da luta contra a covid-19?

R. Sem dúvida acredito que haverá segundas, terceiras e quartas ondas, mas não sei se serão pequenas ou grandes, ou se realmente acontecerão. Minha principal preocupação é que o novo coronavírus se espalhe nos países pobres, onde o sistema sanitário é frágil e a doença não poderá ser contida como nos países ricos, onde os danos serão maiores e serão uma reserva para a continuação de sua expansão global.


Mais informações