Eleições 2022
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

O desafio do consenso entre evangélicos e a esquerda para 2022

O melhor cenário para Bolsonaro é instigar o debate sobre a pauta de costumes; o da esquerda é fortalecer canais de comunicação com moderados

Igreja evangélica em região litorânea da Bahia.
Igreja evangélica em região litorânea da Bahia.Juliano Spyer
Juliano Spyer

O presidente Jair Bolsonaro já não é franco favorito à reeleição em 2022. Ele corre o risco de nem chegar ao segundo turno pela maneira desastrada e irresponsável — para dizer o mínimo — como seu governo lidou com a pandemia. Isso se não houver impeachment antes.

Mais informações
(Brasília - DF, 22/09/2020) Presidente da República Jair Bolsonaro, durante gravação de discurso para a 75ª Assembleia Geral da ONU.

Foto: Marcos Corrêa/PR
Debate sobre cristofobia é estratégico para candidaturas ultraconservadoras, avalia pesquisador
O professor Fernando Luiz Abrucio
Fernando Abrucio: “Eleitor evangélico mostrou que não é voto de cabresto
Deputados evangélicos brasileiros rezam no Congresso.
Fé evangélica abraça as urnas na América Latina

A disputa está aberta e a única certeza em relação a 2022 é a de que o eleitor evangélico será protagonista na escolha do próximo presidente — como já foi em 2018 para eleger um candidato azarão, que não era o favorito do mercado nem tinha o apoio dos principais meios de comunicação do país.

Prestígio abalado

Evangélicos representam ainda hoje os principais apoiadores do presidente. Eles continuam entre os grupos mais resistentes ao impeachment (59% contra, segundo o Datafolha), mas a tendência é de queda.

Quase 70% dos evangélicos votaram em Bolsonaro em 2018 (votos válidos, Datafolha), mas os dados divulgados em março de 2021 pelo mesmo instituto registram que apenas 37% dos evangélicos avaliam o governo federal como sendo bom ou ótimo. Ou seja, dois a cada três evangélicos está insatisfeito e portanto aberto a apoiar outra candidatura.

Semear a discórdia

O caminho para o presidente atual reconquistar o coração dos cristãos conservadores — é bom lembrar que metade dos católicos também votaram na chapa Bolsonaro-Mourão em 2018 — é fazer o debate das pautas morais ser mais importante do que os desafios da justiça social.

As outras narrativas do presidente se enfraqueceram com a absolvição de Lula e a aproximação crescente entre o Governo Federal e o Centrão. O que resta a Bolsonaro é defender a “família tradicional” e fortalecer a ideia de que a sociedade persegue os evangélicos — uma narrativa com ecos bíblicos.

Quanto mais evangélicos forem atacados de maneira preconceituosa e desinformada, mais os cristãos moderados se virão constrangidos em suas comunidades a concordar com os líderes defensores do presidente. Por outro lado, ter um relacionamento respeitoso com os evangélicos é um valor em si para qualquer democrata e democracia.

Vacina contra o preconceito

Esse cenário de fomento da “Guerra Santa” entre “cristãos” e “hereges” está se tornando menos provável. Entre os líderes de esquerda mais conhecidos, Marina Silva e Benedita da Silva há muitos anos aproximam movimentos sociais, cristianismo evangélicos e ativismo político. E mais recentemente Lula, Marcelo Freixo e Guilherme Boulos vêm falando publicamente sobre como o cristianismo transforma positivamente a vida dos brasileiros mais vulneráveis.

Mas o eleitor progressista também tem uma lição de casa a fazer para desconstruir as narrativas que levam à polarização. Seguem três recomendações para fortalecer a posição dos evangélicos moderados em suas congregações:

1. Não xingue uma pessoa de “evangélico”. O ataque à religião ofenderá também pessoas que não são mercadores da fé, nem extremistas, e que enxergam sua fé como algo importante nas vidas delas. São 500 anos de história de uma tradição marcada pela pluralidade, pela defesa da liberdade religiosa e que, no Brasil, sendo um fenômeno do mundo popular, merece mais atenção e disposição para o diálogo.

2. Não confunda líderes das igrejas com a população evangélica. Ao contrário do que se imagina, as igrejas são espaços onde acontece muita discussão política (no sentido amplo do termo) e é normal que as congregações debatam e enfrentem decisões arbitrárias dos pastores e líderes em suas congregações quando isso ocorre. Sobre isso, leia a entrevista da antropóloga Jacqueline Teixeira sobre a atuação das mulheres da Igreja Universal contra o voto em Bolsonaro na eleição de 2018.

3. Decida o que você entende por “crente progressista”. Se o critério é que ele ou ela defenda a legalização do aborto, da maconha e do chamado “casamento gay” — um termo vago conforme registrou este estudo realizado por pesquisadores da USP e UNESP — restarão uma fração de evangélicos de classe média e alta para se conversar. Esses temas são legítimos e devem ser debatidos. Entretanto, se o “evangélico progressista” for percebido como aquele que defende programas de combate à miséria e à desigualdade social, ao trabalho similar ao escravo, ao desmatamento, à proteção dos povos originários e à corrupção, a audiência de interlocutores será mais próxima dos 63% de evangélicos que não avaliam positivamente o governo Bolsonaro hoje.

Visões do futuro

Existe uma narrativa distópica que ecoa fortemente nos círculos progressistas, e que tem como referência a série de TV O conto da Aia, baseada na obra da escritora canadense Margareth Atwood. Essa referência é mencionada para sugerir que o Brasil pode estar caminhando para uma ditadura fundamentalista liderada por milicianos e evangélicos.

Pode ser. Mas vejo também outra narrativa que cabe no horizonte.

Entre 2014 e 17, me tornei amigo e convivi regularmente com cinco casais que estavam na Inglaterra como doutorandos ou pósdoutorandos. Quatro desses estudantes, que são de origem popular e frequentaram escolas públicas, foram evangélicos durante um período da vida. Hoje apenas um casal mantém o vínculo com sua igreja. Os outros se afastaram ou são abertamente críticos à influência evangélica na política e nos costumes.

Partindo dessas referências, e diferente da cidade fictícia de Gilead de O Conto de Aia, o futuro do Brasil pode ser também mais tolerante, com evangélicos superando a pobreza para, nos ambientes universitários, adquirir visões mais inclusivas, críticas e menos vulneráveis às narrativas apocalípticas e xiitas.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS