Tribuna
i

Nossa fé é antirracista, em defesa das vidas negras!

As entidades religiosas e organizações de direitos humanos se unem e conclamam a sociedade para se mobilizar pelo fim da tortura, dos espancamentos e das mortes de pessoas negras no Brasil

Marcha em São Paulo em novembro em protesto contra o assassinato de João Alberto Freitas em supermercado do Carrefour.
Marcha em São Paulo em novembro em protesto contra o assassinato de João Alberto Freitas em supermercado do Carrefour.AMANDA PEROBELLI / Reuters

“Eu vou morrer! Eu vou morrer!”

“Eu não consigo respirar!”

“Ele não viu que eu estava com o uniforme da escola?”

“Por que o senhor atirou em mim?”

“Não precisa me matar, senhor...”

“Quero a minha mãe!”

As frases foram ditas por pessoas diferentes, adultos, jovens e crianças, em ocasiões e locais diferentes e distantes entre si. Estas palavras são gritos de pessoas negras que tiveram suas vidas interrompidas violentamente pelo racismo.

Mais informações

Grande parte da construção econômica e social da sociedade brasileira teve como base a escravização de seres humanos indígenas e africanos. Segmentos da elite branca racista desde sempre têm se mantido ligados ao poder político e econômico deste país. O racismo é naturalizado no Brasil, de forma que, a sociedade brasileira está habituada e é conivente com a barbárie que dizima vidas negras. As desigualdades e injustiças sociais que afetam desproporcionalmente a população negra, bem como o assassinato de pessoas negras, violento e corriqueiro, não comovem, não mobilizam, não revoltam.

Em 19 de novembro de 2020, o Brasil assistiu às imagens devastadoras do assassinato de João Alberto Silveira Freitas, pelas forças de segurança privada do supermercado Carrefour, na cidade de Porto Alegre. Beto foi vítima de um crime que demonstra, em toda a sua crueldade, a desumanização dos corpos negros no Brasil. Coube aos movimentos negros e pessoas negras, como sempre, quase absolutamente solitárias, protestar em diversas cidades brasileiras. Esta justa indignação mais uma vez não teve a companhia do conjunto da sociedade. Ao contrário, ela segue assistindo silenciosamente aos casos de violência policial e civil contra pessoas negras. Crianças, mulheres e jovens negras e negros assassinados todos os dias, sem que isso motive uma crise moral, ética ou humanitária capaz de nos levar a assumir e enfrentar o racismo brasileiro.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

No Brasil um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos; 75% dos mortos por arma de fogo são negros; nos últimos 3 anos, mais de 2.200 crianças e adolescentes foram assassinadas por policiais em todo país. Pessoas negras são frequentemente torturadas e assassinadas em estabelecimentos comerciais, como aconteceu com Beto no Carrefour. Até quando seremos capazes de conviver com tamanha atrocidade? O quanto a leniência coletiva, da sociedade, das instituições e dos poderes frente ao genocídio negro ainda será tolerado? Passou da hora de dar um basta! O manifesto histórico promovido pela Coalizão Negra por Direitos neste ano de 2020 sintetiza nosso desafio: “Enquanto houver racismo, não haverá democracia!”. Pois reafirmamos: Enquanto houver racismo, não viveremos a plenitude de nossa humanidade.

As expressões de fé que representam a diversidade religiosa brasileira, os povos e comunidades tradicionais, as religiões afro-brasileiras e organizações de direitos humanos se unem e conclamam a sociedade para se mobilizar no amor, na fraternidade, na comunhão dos valores da vida, da humanidade e pelo fim da tortura, dos espancamentos e das mortes de pessoas negras no Brasil.

No domingo, dia 20 de dezembro, realizamos um ato interreligioso em razão da marca de um mês da tortura e assassinato de Beto Freitas. Autoridades religiosas católicas, evangélicas, judias budistas e de matriz africana participaram. É possível vê-lo no vídeo abaixo:

Que esta comunhão nos provoque a assumirmos o espírito das palavras de Nelson Mandela: “Ninguém nasce odiando outra pessoa por sua cor da pele, sua origem ou sua religião. As pessoas podem aprender a odiar e, se podem aprender a odiar, pode-se ensiná-las a aprender a amar. O amor chega mais naturalmente ao coração humano que o contrário.”

Nossa fé, em sua diversidade e sincretismo, é essencialmente antirracista e está a serviço da defesa das vidas negras.

Junte-se a nós! Acesse https://comracismonaohademocracia.org.br/

*Assinam este manifesto: Artigo 19, Congregação Israelita Paulista (CIP), Conferência Nacional do Bispos do Brasil/Pastoral Afro Brasileira (CNBB), Coalizão Negra por Direitos, Conectas Direitos Humanos, Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), Fundação Luterana de Diaconia (FLD), Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde (Renafro) e Gênero, Justiça e Direitos Humanos (Themis).

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50