Fundo Monetário Internacional

FMI alerta que a escalada protecionista ameaça toda uma geração

Em seu primeiro discurso como diretora-gerente do Fundo, Kristalina Georgieva anuncia que reduzirá as previsões de crescimento global para 2019 e 2020

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI, na sede em Washington.
Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI, na sede em Washington.MARK WILSON (AFP)

Já é uma tradição que o chefe do Fundo Monetário Internacional se antecipe à assembleia anual do organismo e anuncie uma semana antes quais serão os rumos gerais da reunião que reúne a nata das finanças mundiais. Em 2018, a então diretora-gerente do Fundo, Christine Lagarde, alertou que os problemas aumentavam. “O clima da economia global está começando a mudar”, alertou. Um ano depois, os piores prenúncios se confirmam. O organismo reduzirá na próxima semana suas previsões para 2019 e 2020. “A desaceleração generalizada fará que o crescimento caia neste ano à sua taxa mais baixa desde o começo da década”, disse na terça-feira, em Washington, o novo rosto visível do FMI, Kristalina Georgieva.

MAIS INFORMAÇÕES

Esperava-se com interesse o primeiro grande discurso da recém-escolhida diretora-gerente. E Georgieva não decepcionou. A búlgara mandou algumas quantas mensagens de peso. Como que 90% dos países do mundo terão neste ano um crescimento inferior ao de 2018. Ou que as tensões comerciais já estão tendo um efeito quantificável: no próximo ano tirarão 700 bilhões de dólares (quase 2,9 trilhões de reais) do crescimento mundial, uma quantia equivalente ao PIB de um país como a Suíça. Nesta cifra se incluem tanto as perdas diretas ligadas às tarifas como seus efeitos secundários (perda de confiança ou quedas nos mercados). Ela também alertou que a escalada protecionista ameaça ter efeitos prolongados, que poderiam prejudicar a economia durante toda uma geração.

De passagem, a ex-vice-presidenta da Comissão Europeia e ex-diretora-geral do Banco Mundial lançou duas ideias que podem ser interpretadas como um decidido apoio aos grandes bancos centrais do mundo – e, de raspão, como um ataque indireto aos Governos dos EUA e Alemanha. Georgieva destacou a importância de respeitar a independência dos bancos centrais, dizendo que eles “estão brigando em todo mundo em circunstâncias difíceis”. “Sua independência é a base de uma boa política monetária”, acrescentou. Não é nenhum segredo que o presidente Donald Trump vem há meses solapando essa independência com ataques brutais ao presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, a quem chamou de louco e inútil e acusou de remar contra seu país.

O FMI também estende a mão ao Banco Central Europeu, que há tempos pede aos Governos da zona do euro que tenham mais margem para gastar que contribuam para evitar uma nova crise. Georgieva mencionou esta mensagem, dando nomes e sobrenomes. “Em países como a Alemanha, Coreia do Sul e Países Baixos, um aumento do gasto – sobretudo em infraestrutura e pesquisa e desenvolvimento – contribuiria para impulsionar a demanda e o potencial de crescimento”, afirmou.

O discurso da mulher chamada a pilotar o Fundo durante os próximos cinco anos se centrou na necessidade de agir antes que a guerra comercial e choques como o Brexit e outros riscos geopolíticos se intensifiquem. Mas, independentemente de como evoluírem estes problemas, o FMI reconhece que já causaram muito estrago.

Muro de Berlim digital

“A incerteza está freando o potencial econômico”, disse Georgieva, que acrescentou que as “fissuras” atuais podiam provocar mudanças que durem uma geração. E enumerou os danos colaterais: “Cadeias de suprimento interrompidas, setores comerciais compartimentados e um ‘muro de Berlim digital’ que force os países a escolherem entre sistemas tecnológicos”, disse, numa alusão ao conflito em torno da tecnologia 5G que confronta a Administração Trump com a empresa chinesa Huawei.

Como conclusão, Georgieva parece já estar pensando em males maiores. Disse que, se a economia mundial se desacelerar mais do que se prevê agora, poderia ser necessária “uma resposta final coordenada”. Recorda com esta frase os primórdios da crise financeira que começou há mais de uma década, quando o G20 propunha intervenções públicas maciças e anunciava o surgimento de um novo sistema financeiro mundial. Tudo isto ainda parece longe. Mas a nova chefa do FMI chama os países a agiram agora para evitar o pior. “Se esperarmos a próxima crise será tarde demais. Devemos agir agora”, concluiu.

Arquivado Em: