Áustria

Áustria castiga ultranacionalista por suspeitas de corrupção e dá vitória a conservador

Ex-premiê alcança 37,2% dos votos, quase seis pontos a mais que dois anos atrás, e seus ex-aliados da extrema direita perdem 10

Seguidores de Sebastian Kurz, neste domingo em Viena.
Seguidores de Sebastian Kurz, neste domingo em Viena.Matthias Schrader (AP)

O conservador Sebastian Kurz venceu de forma contundente as eleições antecipadas deste domingo na Áustria, depois do escândalo de corrupção que afetou seus ex-aliados de ultradireita do FPÖ, levando ao rompimento da coalizão em maio. O ex-chanceler (primeiro-ministro), do partido conservador moderado ÖVP, saiu ileso do fracasso da coalizão que forjou com a extrema direita e aumentou sua votação de 31,5% em 2017 para 37,2% no pleito de domingo. Os ultranacionalistas pagaram a conta de uma crise que eles próprios desataram e caíram para 16% (10 pontos a menos que na eleição anterior). Os sociais-democratas, por sua vez, recuaram ao seu pior resultado desde 1945, enquanto Os Verdes retornam com força ao Parlamento. Kurz tem agora várias opções de coalizão.

O conservador não descartou uma aliança com o FPÖ durante a campanha, mas, na noite de domingo, alguns dirigentes desse partido se viam mais na oposição. Os aplausos e gritos de alegria na sede do ÖVP em Viena contrastaram com as caras amarradas no comitê da ultradireita, onde, depois das primeiras projeções, o secretário-geral Harald Vilimsky propôs “abrir uma nova etapa”. Mais claro foi o segundo dirigente mais graduado do partido, o ex-ministro radical Herbert Kickl: “O resultado nos faz retroceder 10 anos. Não vejo um mandato para governar”.

Os dois partidos que se aliaram em 2017 são a cara e a coroa das eleições antecipadas deste domingo. Kurz sobreviveu com a popularidade intacta à maior crise política na história recente da Áustria e ao estrepitoso fracasso da aliança que forjou em 2017 com o FPÖ, que, graças ao acordo com o conservador, entrou pela terceira vez em um Executivo nacional. Em suas primeiras declarações públicas depois das projeções de voto —o resultado final será conhecido a partir desta segunda, com a apuração dos votos postais—, Kurz agradeceu à militância e aos eleitores por um resultado acima das suas próprias expectativas, após “alguns meses duros”. “É uma grande responsabilidade, prometo que daremos o melhor de nós”, afirmou. Kurz anunciou já durante a campanha que conversará com todos os partidos antes de encarar a negociação de uma nova coalizão de governo. Todos lhe pediram que exclua uma reedição da aliança com os radicais de direita.

A divulgação de um vídeo, feito com câmara oculta, do agora ex-líder direitista Heinz-Christian Strache numa casa na Ibiza gerou suspeitas de corrupção que derrubaram o primeiro Governo de Kurz em maio. Na gravação, Strache propunha contratos públicos a uma falsa oligarca russa em troca de ajuda eleitoral. O vice-chanceler direitista renunciou, mas Kurz decidiu encerrar a coalizão após apenas 15 meses de uma gestão conjunta marcada por comentários racistas e antissemitas por parte de dirigentes da extrema direita. O Parlamento destituiu o chanceler, e um Governo técnico assumiu a gestão até estas eleições, nas quais 6,4 milhões de austríacos (de uma população de 8,8 milhões) estavam aptos a eleger os 183 deputados.

O caso Ibiza e um novo escândalo em torno do ex-líder radical, investigado agora por malversação ao supostamente cobrar do partido o reembolso de seus gastos pessoais, atrapalharam os esforços da nova direção do FPÖ, encabeçada por Norbert Hofer, para manter sua força no Parlamento. Considerado uma ponta de lança de outros ultranacionalismos europeus e um dos partidos extremistas com mais sucesso eleitoral, o FPÖ retrocede a resultados similares a 2008 e, como já ocorreu no passado, sai em crise de sua passagem pelo Executivo. Falando à TV pública nacional, Hofer atribuiu indiretamente a derrota ao novo caso de suposta corrupção de Strache, que teria impedido o partido de alcançar os 20% de votos que as pesquisas previam há alguns dias.

O grande beneficiado com a perda de votos radicais foi o democrata-cristão Kurz, que tem agora a opção de pactuar com outros partidos e virar a página do experimento fracassado com a extrema direita. Uma possibilidade é se aliar com o outro ganhador da noite, Os Verdes. Saíram do Parlamento há dois anos e retornam com força, obtendo históricos 14% dos votos. A campanha veio a calhar para eles, com as ruas cheias de jovens em protestos para exigir ação contra o aquecimento global. A mudança climática foi o principal tema de debate, relegando a política migratória, que dominou as eleições há dois anos e uniu democratas-cristãos e ultradireitistas nos apelos por mais dureza e fechamento de fronteiras. As solicitações de asilo passaram de um pico de 88.340 em 2015 para 13.746 no ano passado, segundo dados do Ministério do Interior.

A figura chave do presidente

O presidente da Áustria, o progressista Alexander van der Bellen, é o responsável por encomendar a formação do novo Governo. Embora oficialmente neutro, sua influência poderia pesar a favor de que Kurz, a quem previsivelmente pedirá que lidere as negociações, tente uma coalizão com outros partidos.

Eleito em 2016 após derrotar o candidato radical Norbert Hofer, o ex-porta-voz dos Verdes ganhou reconhecimento pela gestão da grave crise pelo escândalo de corrupção dos ultradireitistas. Van der Bellen, além disso, traçou linhas vermelhas quando, há dois anos, Kurz pactuou com os radicais. Utilizou o poder que a lei lhe confere para vetar vários nomes da lista de ministros propostos pelo FPÖ e exigiu uma atitude pró-europeia do Executivo.

O líder dos Verdes, Werner Kogler, viu no sucesso de sua candidatura “um mandato dos jovens” para exigir ação contra a mudança climática, mas não quis se pronunciar na noite de domingo sobre uma possível coalizão com os conservadores. Os dois partidos juntos somariam maioria absoluta, mas estão muito distantes em assuntos como o clima e a política migratória. “Agora o primeiro é voltar ao Parlamento e aplicar nosso programa”, disse Kogler.

Os liberais do Neos, o único partido que não votou em maio a favor da destituição do líder conservador e que obteve 7,8% (2,5 pontos a mais que em 2017), também estão na fila para conversar com o ganhador das eleições.

Estrondo social-democrata

No lado perdedor se situaram também os sociais-democratas, que não levantam a cabeça desde que Kurz recusou-se a uma aliança com eles em 2017, por considerar que a grande coalizão que dominou a política austríaca desde o final da Segunda Guerra Mundial está esgotada e só conduz à paralisia. A líder do partido, Pamela Rendi-Wagner, que ocupa a direção há apenas um ano e enfrenta o rechaço de parte da velha guarda, confronta agora a gestão do pior resultado do SPÖ desde 1945, ao cair para 21,8% —com a apuração ainda não terminada— e perder cinco pontos.

“Lutamos até o segundo último por outro resultado”, afirmou Rendi-Wagner, que destacou que o outro objetivo claro do partido “era evitar outra coalizão entre ÖVP e FPÖ”. Se isso irá ou não acontecer é algo que está nas mãos de Kurz.

Arquivado Em: