Arábia Saudita

Rebeldes iemenitas usam drones para atacar duas instalações petrolíferas na Arábia Saudita

Fontes do setor afirmam que a agressão dos Houthis interrompeu metade da produção do reino, fornecedor de 10% de todo o petróleo consumido no mundo

Imagem de Abqaiq e a fumaça do incêndio provocado pelo ataque dos drones. No vídeo, as chamas. REUTERS / atlas (atlas)

Mais informações

Neste sábado, os rebeldes houthis do Iêmen atacaram com drones as duas principais instalações petrolíferas da Arábia Saudita, causando importantes incêndios. Riad, que respondeu bombardeando alvos do grupo, anunciou que as chamas haviam sido controladas, mas fontes do setor temem que a produção seja interrompida. Além das perdas materiais, a terceira operação desse tipo nos últimos cinco meses expôs a vulnerabilidade da infraestrutura de energia do reino ante a crescente sofisticação da milícia iemenita.

A rede de TV Al Masirah (sob controle dos houthis) anunciou uma “operação de envergadura contra refinarias em Abqaiq e Khurais”. A petroleira saudita Aramco tem em Abqaiq, 60 quilômetros a sudoeste de Dhahran (onde fica sua sede), a maior usina de processamento de petróleo do mundo. Por lá passam dois terços dos 10 milhões de barris produzidos por dia. Khurais, 200 quilômetros mais a oeste, é o segundo maior campo de petróleo dessa empresa pública, que agiliza seus planos para a futura abertura de capital em Bolsas.

Embora as forças de segurança tenham fechado rapidamente o acesso às duas instalações, as redes sociais encheram-se de fotos em que se viam primeiro as chamas, depois uma densa fumaça preta – que pode ser observada nas imagens de satélite difundidas pelas agências de notícias. “Os dois incêndios foram controlados”, afirmava horas mais tarde um comunicado do Ministério do Interior. O texto não especifica a origem dos drones nem se houve vítimas. Tampouco diz se as operações foram prejudicadas. A TV saudita informou que as exportações não foram suspendidas, mas fontes do setor citadas pelas agências Bloomberg e Reuters dizem que o ataque afetou metade da produção do reino, atualmente na faixa dos 10 milhões de barris diários. A Aramco não se pronunciou sobre os ataques. A Arábia Saudita fornece 10% de todo o petróleo consumido no mundo, o que a torna o principal exportador.

As instalações bombardeadas ficam a mais de 1.000 quilômetros da região do noroeste do Iêmen sob controle dos houthis, o que significa um salto importante na capacidade do grupo, acusado pela Arábia Saudita de ser um instrumento do Irã. Seus ataques com drones nunca haviam chegado tão longe. No mês passado, alcançaram o campo petrolífero de Shaybah e, em maio, duas estações de bombeamento. Em nenhum dos casos eles conseguiram interromper a produção.

Os rebeldes dizem agir em resposta aos bombardeios aéreos da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, que desde 2015 tenta desalojá-los de Sanaa (capital do Iêmen), que ocuparam meses antes. A intervenção transformou a guerra civil iemenita em um conflito regional, alimentado pela rivalidade entre Riad e Teerã. Enquanto isso, os combates afundaram o Iêmen na maior emergência humanitária do mundo, segundo a ONU. Os esforços dessa organização para abrir um diálogo entre os sauditas e os houthis foram eclipsados pelo aumento da tensão na zona após a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã.