EDUCAÇÃO

A lição da melhor professora do mundo

Entramos na escola londrina onde a docente que venceu prêmio de um milhão de dólares põe em prática sua fórmula baseada nas artes para educar alunos socialmente vulneráveis

Zafirakou é professora na Alperton Community School de Brent, um bairro imigrante e pobre no noroeste de Londres.
Zafirakou é professora na Alperton Community School de Brent, um bairro imigrante e pobre no noroeste de Londres.Manuel Vázquez

Peluche. Irmão. Peluche. E Andria Zafirakou na frente com um livro e um sonoro “quietos!” na boca. Com cinco anos, já se intuía que seu destino era ser professora. “Todas as minhas brincadeiras tinham a ver com ensinar, e eu dizia aos meus professores como eles tinham que dar a aula.” Zafirakou tem agora 40 anos e sua foto aparece no cartaz na grade da Alperton Community School, em Londres. Junto ao seu rosto, um rótulo: “Melhor professora do mundo 2018”.

MAIS INFORMAÇÕES

Faz um ano que ela ganhou esse título, num prêmio concedido pela Fundação Varkey. Foi escolhida entre 30.000 candidaturas e, com o prêmio —um milhão de dólares distribuídos ao longo de 10 anos— ela criou o projeto Artist in Residence. “As crianças não escolhem uma carreira artística porque não conseguem ver as oportunidades que teriam. Esta iniciativa leva a arte aos colégios pela mão de fotógrafos, atores, músicos e demais profissionais que inspiram os alunos. Investi o prêmio neste projeto porque acredito no poder da arte.”

Através da arte, ela se tornou um exemplo inspirador para seus alunos.
Através da arte, ela se tornou um exemplo inspirador para seus alunos.Manuel Vázquez

Zafirakou transformou suas brincadeiras infantis em realidade. Já não dá aulas no seu quarto; ensina arte e tecelagem em uma sala luminosa, na qual mal se vê as paredes pintadas de branco. Os trabalhos de seus alunos cobrem quase completamente as paredes da classe, vazia numa sexta-feira de junho. Com o cabelo preso em um coque alto, nem uma só mecha tampa seus traços mediterrâneos. Filha de imigrantes gregos, nasceu em Londres e cresceu no seio de uma grande família com as culturas grega e britânica entrelaçadas em suas raízes. “Tive uma infância genial. Era um pouco ovelha negra. Travessa, respondona e teimosa”. Sua vocação era ensinar, mas estudou Moda e Negócio Têxtil na Universidade de Brighton para entender a matéria antes de explicá-la aos seus alunos. Ao terminar, fez a formação necessária para se tornar professora.

Recém-graduada e com apenas seis meses de estágio em dois colégios, Zafirakou se apresentou na Alperton Community para pedir trabalho. E se deparou com uma escola aos pedaços. Com janelas quebradas e baldes para conter a água que se infiltrava nas salas de aula, porque nevava do lado de fora. Os garotos que entravam na classe não passavam de 14 anos, mas pareceram gigantes malcriados: “Foi a pior aula que dei na minha vida. Não dava arte, ensinei-os a se comportarem”.

Através da arte, a professor se tornou um exemplo para seus alunos.
Através da arte, a professor se tornou um exemplo para seus alunos.Manuel Vázquez

Saiu do teste convencida de que não queria o trabalho. Levava uma experiência gratificante dos seus seis meses de estágio, e esse centro só parecia prometer problemas. A escola fica em Brent, um bairro imigrante e pobre na zona noroeste de Londres, e membros de gangues locais ficavam na porta esperando os alunos saírem para recrutá-los. Os professores dirigiam carros velhos porque, se aparecessem com um novo, seria vandalizado. Mas o diretor lhe ofereceu o trabalho, e Zafirakou pensou que talvez não fosse má ideia aceitar por um tempo. Ficava a 20 minutos de sua casa, bem poderia ficar por lá durante um ano, no máximo. Ganhar experiência e cair fora. Aceitou. Está lá há 14 anos e, além de professora, é subdiretora.

As gangues continuam espreitando os alunos na saída da escola, mas o colégio pouco se parece com o que a professora conheceu mais de uma década atrás. Não se veem janelas quebradas —na verdade, as instalações atuais são invejáveis e com uma segurança pouco habitual para uma escola secundária. Mas há um tecido social que ainda condiciona os alunos. “Os pais desses garotos não têm muito dinheiro. Costumam viver várias famílias numa mesma casa. Dispõem de um cômodo para cada uma e compartilham cozinha, sala e banheiro”. Essa comunidade começou a lhe impressionar durante seu segundo ano de trabalho. Ela notou que uma das suas “meninas” ia para a aula pela manhã, mas desaparecia na hora do almoço. Descobriu que escapava para casa quando era a vez da sua família usar a cozinha, pois assim podia preparar a comida de todos. Também viu alunos fazerem os deveres no banheiro, por não encontrarem outro lugar tranquilo em seus lares.

Zafirakou em frente a parede tomada pelos desenhos dos alunos
Zafirakou em frente a parede tomada pelos desenhos dos alunosManuel Vázquez

Zafirakou sabe que muitos de seus alunos vestem o mesmo uniforme ano após ano porque seus pais não têm dinheiro para renová-lo, e que alguns mal têm para comer. Entre as iniciativas que ajudou a promover destacam-se a de oferecer um café da manhã gratuito diariamente e reservar espaços para quem não puder estudar em casa. Além disso, 85% deles não têm o inglês como língua materna, e Zafirakou usa sua disciplina para reduzir as inseguranças que isso possa gerar: “Sentem muita pressão para aprender a falar e escrever, acham que nunca vão estar à altura. Mas quando chega a matéria de arte, é seu momento de brilhar”.

Os professores desta escola não se limitam a dar aula. Sabem que muitos de seus alunos vivem em contextos de risco e que a chave para poder ajudá-los passa por estabelecer com eles uma relação de confiança. “Muitas de minhas meninas estiveram envolvidas em problemas com gangues. Nós as acompanhamos até o ônibus para que cheguem a salvo à sua casa. E a primeira coisa que fazemos ao voltar de férias é ver se as crianças que nos preocupam vieram. Se estiverem aqui, para nós é um milagre.”