Lava Jato mira ex-presidente da Braskem em investigação sobre propinas a ex-ministros do PT

A 63ª fase da operação aprofunda investigação sobre compra de Medidas Provisórias. por parte da Odebrecht

São Paulo -
O ex-ministro Antonio Palocci.
O ex-ministro Antonio Palocci.ANA NASCIMENTO (EFE)

A Lava Jato realizou na manhã desta quarta-feira a 63ª fase da Operação, chamada de Carbonara Chimica. Agentes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão e prisão temporária na Bahia e em São Paulo. O objetivo da ação é investigar pagamentos irregulares da Odebrecht a dois ex-ministros de Estado —Antonio Palocci e Guido Mantega. Um dos alvos é Bernardo Gradin, ex-presidente da Braskem, braço petroquímico da Odebrecht que conta com participação da Petrobras. Mauricio Ferro, ex-executivo da empreiteira, e o advogado Nilton Serson também estão na mira da operação, que apura os crimes de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro.

De acordo com o Ministério Público Federal no Paraná, o pagamento das propinas —que pode ter chegado a 50 milhões de reais— foi feito para garantir a aprovação de duas Medidas Provisórias (470 e 472). Elas “concederam o direito de pagamento dos débitos fiscais do imposto sobre produtos industrializados (IPI) com a utilização de prejuízos fiscais de exercícios anteriores”, e teriam beneficiado a Odebrecht. A 63ª fase da Lava Jato busca detalhar estas operações.

Mais informações

A Justiça determinou também o bloqueio de 555 milhões de reais dos acusados. Além de Palocci e Mantega, Ferro e Gradin já são réus em outra ação penal que apura o pagamento em troca da aprovação de MPs. Em função do acordo de leniência firmado pela Braskem com o MPF, a empresa ofereceu “farto material probatório”, segundo os procuradores, o que abriu novas frentes para a investigação: os investigadores acreditam agora que parte do dinheiro teria sido entregue a um casal de publicitários para esconder a origem ilícita dos recursos. Um escritório de advocacia também estaria envolvido no esquema.

As transações teriam sido feitas via o Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, também conhecido como o setor de propinas da empreiteira. Contra Ferro pesa ainda a suspeita de ter tentado impedir o acesso do MPF às bases de dados do sistema My Web Day, utilizado por funcionários da empresa para registrar e efetuar os pagamentos irregulares.

Palocci, que fechou acordo de delação premiada com a Polícia Federal, foi preso em setembro de 2016, e condenado a mais de 12 anos de prisão pelo então juiz Sérgio Moro.

O EL PAÍS não conseguiu localizar os advogados dos alvos da ação.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: