PF prende quatro suspeitos de invadir celulares de Moro e Dallagnol

Autoridades cumpriram quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto

São Paulo -
O ministro da Justiça, Sergio Moro.
O ministro da Justiça, Sergio Moro. Adriano Machado (Reuters)

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta terça-feira quatro suspeitos de hackearem os celulares do Ministro da Justiça, Sergio Moro, e do procurador da República em Curitiba Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato. Em nota, a PF informa que cumpriu quatro ordens judiciais de prisão temporária e sete de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto, mas outros detalhes da investigação ainda não foram divulgados. As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz federal de Brasília Vallisney de Souza Oliveira. Um homem e uma mulher foram presos na capital e outros dois homens foram detidos nas demais cidades.

Batizada de Spoofing —"falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é", de acordo com a PF—, a operação tem o objetivo de "desarticular uma organização criminosa que praticava crimes cibernéticos".

Diálogos mantidos no auge das investigações da Lava Jato entre o então juiz federal Sergio Moro e Dallagnol foram vazados e publicados pelo site The Intercept, e depois por outros meios de comunicação, colocando em xeque a imparcialidade do juiz, que aparece aconselhando a acusação. Ambos afirmam que não respondem pelos diálogos que dizem ser fruto de uma invasão criminosa de seus celulares e que seu conteúdo pode ter sido alterado. A PF já instaurou quatro inquéritos para investigar esses vazamentos e, apesar de que a operação Spoofing foi desencadeada a partir de um deles, ainda não está claro se os presos têm relação com as conversas divulgadas.

O celular do ministro Sergio Moro foi desativado no dia 8 de junho, quando ele percebeu que havia sofrido um ataque virtual —ele teria recebido três chamadas de seu próprio número—. Moro acionou, então, a PF, com suspeita de clonagem. O último registro de uso do seu aparelho ocorreu às 18h23 daquele mesmo dia.

No dia 10 de junho, a força tarefa da Lava Jato anunciou vem sofrendo ataques cibernéticos de um hacker desde o mês de abril deste ano. Segundo nota divulgada à imprensa, membros do Ministério Público Federal tiveram celulares e aplicativos de mensagens invadidos e clonados. “Pelo menos desde abril os procuradores da força-tarefa vêm sendo atacados, portanto, muito antes das notícias de ataques veiculadas na última semana”, informou o comunicado. Em editorial, The Intercept explicou que os arquivos de mensagens, obtidos pela fonte anônima, foram recebidos semanas antes da notícia do celular hackeado do ministro da Justiça.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: