Neymar já é um rebelde para o PSG

Pretendido pelo Barcelona, o brasileiro não se reapresentou nesta segunda-feira em Paris e será alvo de medidas do clube francês

Neymar, em São Paulo.
Neymar, em São Paulo.Andre Penner (AP)

Mais informações

A briga Neymar x Paris Saint-Germain começou. A equipe francesa começou a treinar nesta segunda-feira sem a presença do atacante brasileiro, que já esteve ausente da Copa América por contusão. Apesar de ter sido chamado, o jogador não se apresentou à sessão de treinos em Paris, e como resposta o clube emitiu um comunicado em que condena sua atitude e anuncia que tomará as medidas “que forem convenientes”, sem especificar quais. É amplamente sabido que Neymar quer ir embora de Paris.

Ele se declarou em rebeldia depois que o presidente do FC Barcelona, Josep Maria Bartomeu, anunciou na sexta-feira passada: “Sabemos que Neymar quer ir embora do PSG, mas também sabemos que o PSG não quer que ele vá; portanto, não há nada a discutir”. O vice-presidente Jordi Cardoner tinha anunciado anteriormente que Neymar se oferecera ao Barcelona.

Seja como for, uma volta de Neymar ao Camp Nou, aos 27 anos, parece muito mais complicada do que no caso de Antoine Griezmann. O atacante francês tampouco compareceu neste domingo ao compromisso do Atlético. Ocorre que, no seu caso, o passe para o Barça está estipulado em 120 milhões de euros (512 milhões de reais), que é a importância atual da cláusula de rescisão de seu contrato, a fórmula a ser aplicada caso os clubes não cheguem a um acordo, o que é bastante improvável após o comunicado de repulsa que o Atlético emitiu contra Griezmann e o Barça.

O Barcelona tenta acelerar a contratação de Griezmann enquanto esfria a de Neymar. Não se deve esquecer que o próprio Bartomeu reiterou também na sexta-feira que “Dembélé é melhor que Neymar”. O atacante francês começou sua pré-temporada nesta segunda, uma semana antes que seus colegas do Barça.

Esta temporada da série Neymar ameaça ser tão longa como a que ele já ele protagonizou em meados de 2017, quando trocou o Camp Nou pelo PSG. O pai do jogador respondeu à ameaça do PSG com uma declaração surpreendente: “Não entendo a nota, porque o clube estava informado que Neymar Júnior não iria treinar nesta segunda-feira, e sim a partir de 15 de julho”.

Princípio de acordo

A família Neymar endurece a relação com o clube presidido por Nasser Al-Khelaïfi, que ultimamente já se queixou do pouco compromisso do jogador: “Se alguém não estiver contente, as portas estão abertas”, disse. E mais tarde acrescentou: “Estou 200% seguro de que Mbappé continuará no PSG na próxima temporada. Quanto a Neymar, ninguém o obrigou a assinar contrato aqui”.

Neymar já informou ao seu compatriota Leonardo, novo diretor esportivo do PSG, que não queria voltar a Paris e que preferia jogar no Barça, e não no Real Madrid, por sua cumplicidade com Messi e Luis Suárez. O brasileiro espera que o Barcelona pressione Al-Khelaïfi após informações de que ele já teria inclusive chegado a um princípio de acordo com Bartomeu. Neymar teria aceitado ganhar a mesma quantia que recebia quando deixou o Barcelona, e também teria se comprometido a retirar a ação judicial apresentada contra o clube catalão para receber 26 milhões de euros (111 milhões de reais) em luvas de renovação. Os contatos entre as duas partes contariam com a intermediação de Pini Zahavi.

A viagem de volta de Neymar prenuncia-se muito mais complexa que a de ida, porque na época havia uma cláusula de rescisão de 222 milhões de euros (948 milhões de reais), que agora não se dá.