Redes Sociais

WhatsApp, Facebook e Instagram registram problemas em todo mundo

Os usuários das redes reclamam de falhas para baixar mensagens audiovisuais

Logo de la aplicación WhatsApp.
Logo de la aplicación WhatsApp.

MAIS INFORMAÇÕES

Nesta quarta-feira, as plataformas Facebook, Instagram e WhatsApp estão tendo problemas em todo o mundo que impedem que os usuários postem imagens e vídeos. As falhas do Facebook afetam principalmente a Europa e a área central e o leste dos Estados Unidos. No serviço de mensagens WhatsApp, por seu lado, a incidência é maior na América do Sul e na Europa Central, enquanto no Instagram são relatados problemas principalmente na Europa e nos Estados Unidos. Nos três casos, os usuários se queixam de problemas para postar conteúdo audiovisual e não tanto de quedas como em outras ocasiões. Não é possível postar imagens, vídeos, fazer transmissões ao vivo (principalmente no caso do Facebook) e áudios (no WhatsApp).

Um comunicado do Facebook atualizado horas depois do início da queda admitiu que eles mesmos provocaram o problema em uma operação de rotina: “Durante uma de nossas operações de manutenção, desencadeamos um problema que está dificultando para alguns usuários a postagem ou o envio de fotos e vídeos”. A empresa continua trabalhando para repará-lo. Em uma declaração inicial, o Facebook se limitou a admitir o problema: “Estamos cientes de que algumas pessoas estão tendo problemas neste momento para enviar imagens, vídeos e outros arquivos em nossos aplicativos”.

Segundo o portal DownDetector, especializado no rastreamento desse tipo de problema, os serviços da empresa Facebook começaram a ter problemas um pouco antes das 11h (horário de Brasília). As palavras #whatsappdown e #instagramdown rapidamente se tornaram um trending topic (tendência) no Twitter, com dezenas de milhares de mensagens sobre o assunto.

O incidente, embora global, não afeta todas as regiões do mundo por igual. Nesse sentido, os problemas no Facebook afetam principalmente a Europa e a zona central e o leste dos Estados Unidos. No WhatsApp, por seu lado, a incidência é maior na América do Sul, especialmente na Venezuela, Brasil, Peru, Chile e Argentina, e na Europa Central, enquanto o Instagram tem problemas principalmente na Europa e nos Estados Unidos, segundo o Outage Report.

Essa queda permitiu ver uma peculiaridade sobre o funcionamento da inteligência artificial do Facebook para descrever as fotos. Em vez da imagem, aparecem para os usuários algumas palavras com o que as fotos supostamente deveriam conter. Em alguns casos parecem haicais involuntários: “A imagem pode conter: céu, nuvens, exterior, água, natureza”.

Alguns tuítes de usuários anglo-saxões se divertiam com esse improvável novo formato de imagem, que o Facebook provavelmente usa para ajustar seus padrões tendo em vista os anunciantes.

Com essa falha, a empresa Facebook (proprietária dessa rede social e também do WhatsApp e do Instagram) sofreu três grandes quedas no serviço em apenas quatro meses. Em nenhum caso a empresa explicou as razões dos problemas nem se desculpou com seus bilhões de usuários em todo o mundo; limitou-se, como nesta ocasião, a dizer que estava ciente do problema e que estava trabalhando para resolvê-lo. As três plataformas somam quase 5 bilhões de usuários.

Depois da maior falha técnica dos serviços do Facebook, Instagram e WhatsApp, que aconteceu em março e durou cerca de 24 horas, da investigação criminal aberta nos Estados Unidos pela gestão de dados e mudanças na política da empresa de Mark Zuckerberg, este anunciou em um comunicado aos seus funcionários a renúncia de dois de seus principais e históricos diretores: Chris Cox, diretor de produto, e Chris Daniels, responsável de negócios do WhatsApp.

O Twitter também

Pouco depois da divulgação dos problemas no Facebook, o Twitter também afirmou, por meio de uma mensagem em sua própria rede social, que está tendo “alguns problemas” com a entrega de mensagens diretas e notificações. “Estamos trabalhando no reparo e atualizaremos as informações assim que tivermos mais notícias”. A empresa pediu desculpas aos usuários pelos “inconvenientes”.