Seleccione Edição
Login

Artigo de procuradora no EL PAÍS coincide com diálogo vazado por ‘The Intercept’

Em chat, Jerusa Viecili reclama por que a força-tarefa não se pronuncia diante de ameaças contra o Ministério Público Federal e a imprensa antes do segundo turno. Na sequência, publica “Corrupção se combate com respeito à liberdade e à imprensa. Assim nasceu a Lava Jato”

O procurador Dallagnol apresenta detalhes do esquema.
O procurador Dallagnol apresenta detalhes do esquema. REUTERS

Uma nova reportagem do The Intercept Brasil deixou o meio político, jurídico e jornalístico em polvorosa durante a madrugada do sábado quando o site publicou mais um trecho das mensagens trocadas pela força tarefa da Lava Jato no Telegram. A divulgação das conversas aumentou ainda mais a adrenalina em torno do assunto por dois erros do texto que foi ao ar num momento de guerra de narrativas para desconstruir o material levantado pelo site. A matéria sob o título em aspa “Moro viola sempre o sistema acusatório”, citava a data errada de um diálogo (1 de novembro de 2019, e não 2018 como era o correto). Mencionava, ainda, que uma procuradora citada no chat, Monique Cheker, trabalhava na grande São Paulo, quando na verdade ela atua em Petrópolis, no Rio.Também um tuíte apressado de Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept Brasil, antes da publicação final do texto que citou erroneamente um procurador [Ângelo Goulart Vilella em vez de Ângelo Augusto Costa] incendiou as redes sociais, com os defensores de Moro desancando o jornalista americano e reforçando a mensagem da falta de credibilidade do The Intercept.

Apesar desses erros, corrigidos pelos editores, o conteúdo da nova reportagem revela trechos de uma conversa privada dos procuradores que coincidem com a linha de raciocínio de um artigo publicado pela procuradora Jerusa Viecili no EL PAÍS Brasil no dia 28 de outubro. Segundo as mensagens vazadas, no dia 25 de outubro de 2018 Viecili se queixa pelo fato de a força tarefa da Lava Jato não se pronunciar diante de “alguns posicionamentos dos candidatos” à Presidência que anunciavam que não se respeitaria, por exemplo, a eleição de um procurador da República via lista tríplice para a PGR, além de promover ataques insistentes à imprensa. Era nítido que se referia a Jair Bolsonaro que, animado pelas pesquisas que já o elegiam presidente, afirmava que não respeitaria a lista tríplice, ou seja, os três primeiros mais votados nas eleições para a PGR por procuradores de todo o país. O presidente não é obrigado a seguir essa orientação, mas desde o Governo Lula até o ex-presidente Michel Temer esse critério foi respeitado (Temer escolheu o segundo mais votado e não o primeiro como os outros presidentes, mas ainda era um nome da lista tríplice).

Poucos dias antes, Bolsonaro também havia feito um ataque ostensivo à Folha de São Paulo que foi transmitido por telão em plena avenida Paulista para apoiadores que se manifestavam no dia 21 de outubro, a uma semana da eleição para o segundo turno. “Queremos a imprensa livre, mas com responsabilidade. A Folha de S. Paulo é o maior fake news do Brasil”, garantindo que cortaria verbas publicitárias do Governo para o jornal. “Imprensa livre, parabéns. Imprensa vendida, meus pêsames”, provocava o futuro presidente.

No dia 25 de outubro, Viecili desabafava com os colegas, segundo as mensagens reproduzidas pelo The Intercept Brasil: “Pessoal, desculpem voltar ao assunto (sou voto vencido), mas, somente esta semana, várias pessoas, inclusive alguns colegas e servidores, me questionaram a ausência de manifestação da FT [força-tarefa] diante de alguns posicionamentos dos candidatos à Presidência. Fato é que sempre nos posicionamos diante de várias ameaças ao nosso trabalho e, nos últimos dias, temos ficado silentes, mesmo com ameaças de candidatos à independência do Ministério Público (nomeação de PGR fora da lista tríplice) e à liberdade de imprensa. Em outros tempos, por motivos outros, mas igualmente relevantes e perigosos, divulgamos nota, convocamos coletiva e ameaçamos renunciar (!)”, reclama ela, lembrando que isso colocava em xeque a credibilidade do trabalho. “Agora, jornalistas escrevem no Twitter que a LAVA JATO é caso de desaparecido político, pois já alcançou o que queria. Acho muito grave ficarmos em silêncio quando um dos candidatos manifesta-se contra a nomeação do PGR da lista tríplice, diante de questões ideológicas. Mais grave ainda, assistirmos passivamente, ameaças à liberdade de imprensa quando nós somos os primeiros a afirmar a importância da imprensa para o sucesso da Lava Jato”, dizia ela. “Nossa omissão também tem peso e influência. Eu sinceramente não quero (e isso apenas a história dirá) que a Lava Jato seja vista, no futuro, como perseguição ao PT e, muito menos, como corresponsável pelos acontecimentos eleitorais de 2018”, completava.

Diante da falta de apoio registrado no diálogo, Viecili decidiu por si só se posicionar em um artigo enviado ao EL PAÍS Brasil na noite do dia 27 de outubro, e publicado no dia 28, sob o título Corrupção se combate com respeito à liberdade e à imprensa. Assim nasceu a Lava Jato, em que listava dez pontos que um futuro presidente deveria respeitar para não colocar em risco conquistas do país, incluindo a Lava Jato. O artigo assinado por ela diz: “Todos falam em combate à corrupção. Essa foi uma retórica usada muitas vezes para atrair os eleitores, mas também para confundi-los. Pois não é possível combater a corrupção sem um ambiente que preze pelas liberdades individuais e com uma imprensa livre para investigar e noticiar à sociedade as informações necessárias para a tomada de decisões. Foi nesse ambiente democrático que a Lava Jato surgiu, investigou, acusou, julgou e condenou, demonstrando que a corrupção é sistêmica e endêmica no Brasil, com participação de praticamente todos os partidos políticos”, assinalava.

“Vai queimar a Lava Jato”

O artigo chamava a atenção por ter sido ela sozinha a assinar um texto em defesa das condições que lhe asseguravam exercer o trabalho de investigação. Poucos dias depois, segundo as mensagens do The Intercept Brasil, a procuradora se queixava novamente, mas desta vez, sobre as especulações a respeito de um possível convite para que o então juiz Sergio Moro fosse ministro da Justiça no Governo Bolsonaro, que venceu com folga o segundo turno no dia 28. “Espero que não seja verdade”, escreve Viecili, que ilustra com um emoji de insatisfação. Então o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, tenta contemporizar, dizendo…“Acho que não vai converter nem desconverter ng [ninguém] do que já acha sobre a LJ, nesse ponto. Viecili então diz que não se trata de converter ou não pessoas. “É sobre preservar a LJ”. E completa. “Acho péssimo. Só dá ênfase às alegações de parcialidade e partidarismo.”

Sua colega, Laura Tessler, endossava dizendo “Tb acho péssimo. MJ nem pensar... além de não ter poder para fazer mudanças positivas, vai queimar a LJ. Já tem gente falando que isso mostraria a parcialidade dele ao julgar o PT. E o discurso vai pegar. Péssimo”. Isabel Cristina Vieira, é a terceira a endossar: “É realmente péssimo. O nome da LJ não pode ser conspurcado.”

O texto traz ainda diálogos em que outros procuradores do Ministério Público se queixam da postura de Moro. Entre eles, Monique Cheker e Angelo Augusto Costa, cujas informações foram citadas erroneamente na primeira versão do texto publicado pelo The Intercept. O ministro da Justiça Sergio Moro aproveitou o erro para reafirmar a posição de desacreditar o conteúdo das reportagens. “A matéria do site, se fosse verdadeira, não passaria de supostas fofocas de procuradores, a maioria de fora da Lava Jato. Houve trocas de nomes e datas pelo próprio site que as publicou”, tuitou Moro, citando nota do site O Antagonista, que explorou os erros do The Intercept Brasil. “Isso só reforça que as mensagens não são autênticas e que são passíveis de adulteração. O que se tem é um balão vazio, cheio de nada. Até quando a honra e a privacidade de agentes da lei vão ser violadas com o propósito de anular condenações e impedir investigações contra a corrupção?”, reclama o ministro da Justiça.

Apesar das queixas do ministro, o conteúdo do The Intercept Brasil tem ganhado cada vez mais espaço no jornalismo brasileiro. Neste domingo, a Folha de São Paulo publicou mais trechos vazados, que demonstram o desconforto da Lava Jato diante das constantes mudanças de versões do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, principal testemunha de acusação do ex-presidente Lula. A Folha está atuando em parceria com o The Intercept, com acesso aos chats que o site recebeu de uma fonte mantida sob anonimato. A revista semanal Veja também entrou nesse pool improvisado de jornalistas que está acessando os arquivos do site dirigido por Leandro Demori no Brasil, de onde partiram as descobertas das mensagens privadas da força-tarefa, entregue por uma fonte mantida em anonimato. Os jornalistas de todos os veículos parceiros estão checando informações com fontes, e consultando suas próprias mensagens trocadas no passado com integrantes da Lava Jato para confirmar a veracidade dos diálogos. 

Do quebra-cabeça que a imprensa brasileira está montando a partir dos diálogos vazados, é fácil concluir que uma crise se instalou no coração da Lava Jato, diante de discordâncias e desconfortos de integrantes da equipe que vinham desde antes que estourasse a série de vazamentos, apelidada nas redes de Vazajato. Seu conteúdo pode não ter valor jurídico neste momento para anular a operação, mas vem tirando capital político importante do ministro Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol. Temores do passado, como o da procuradora Jerusa Viecili de que não se respeitasse a lista tríplice da eleição da PGR, por exemplo, passarão por um teste decisivo quando Bolsonaro bater o martelo sobre o sucessor de Raquel Dodge no cargo, ela mesma cotada a permanecer à frente da procuradoria, em uma corrida por fora da lista tríplice. Se o presidente não confirmar alguém da lista tríplice, estará cumprindo uma promessa da campanha, e com aval do antigo juiz da operação que colocou de pernas para o ar o mundo político. Moro, entretanto, tem a seu favor ainda uma legião de apoiadores. Eles convocaram uma onda de manifestações de apoio a ele para este domingo. Um teste quando a Vazajato está em plena ebulição e promete novos capítulos.