Seleccione Edição
Login

Como a beleza afeta (injustamente) os salários e os resultados das eleições

As consequências de ser bonito: melhor salário e uns poucos inconvenientes

Como a beleza afeta (injustamente) os salários e os resultados das eleições

A beleza importa, e muito. Todos sabemos que as pessoas atraentes têm mais sucesso no mundo da sedução e na arte da conquista. A publicidade nos mostra essa regra com frequência, e a aplicamos em nosso dia a dia. De fato, calcula-se que um homem dedica em média 32 minutos diários a questões de higiene e beleza. Nós, mulheres, investimos ainda mais tempo: cerca de 44 minutos, segundo o economista Daniel Hamermesh, professor da Universidade de Londres e um dos maiores especialistas em impacto da beleza sobre o resultado dos negócios. Isso sem falar do dinheiro que atualmente é gasto em cosméticos, roupas, cirurgias plásticas e produtos “milagrosos” contra o envelhecimento. A importância da beleza não é recente: nas escavações feitas em sítios de antigas civilizações, é comum encontrar utensílios relacionados com a imagem. Portanto, a beleza sem dúvida nos importa como sociedade e como indivíduos. Mas, embora seja subjetiva e cultural, como será que ela afeta os salários, os negócios e os resultados das eleições? Aqui encontramos certas surpresas.

Em economia, diz-se que os bonitos e as bonitas têm um “prêmio de beleza”, ou seja, ganharão maiores salários pelo simples fato de serem atraentes. No terreno político, eles têm mais chances de serem eleitos. E isso é injusto porque, como demonstra Hamermesh, a beleza não é um indicador de talento, de maior desempenho nem de maior capacidade de trabalho (exceto para uma pequena porcentagem de profissões que lidam com o público; e não porque essas pessoas sejam melhores, e sim porque os clientes preferem que alguém bonito os atenda). No entanto, ainda que o trabalho de um burocrata, chefe ou professor independa do aspecto físico, seu salário vai variar.

Segundo a professora Iris Bohnet, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos os homens mais bonitos ganham 5% mais do que a média. E os menos atraentes recebem 13% menos —já descontando o impacto das outras variáveis. A pesquisa realizada no Reino Unido chegou a conclusões similares. Curiosamente, essas diferenças também existem no caso das mulheres, mas não são tão notadas, ao menos no Ocidente. No Oriente, contudo, não ser atraente é muito penalizado. Os homens chineses menos bonitos recebem 25% menos que a média, enquanto os mais belos ganham 3% mais. No caso das mulheres, as mais belas têm salários 10% maiores, ao passo que as menos chegam a receber 31% menos.

Os políticos também têm o seu prêmio de beleza. Segundo Bohnet, se apenas imagens de candidatos são mostradas a observadores, alguns deles estrangeiros, pode-se prever quais conseguirão ser eleitos levando-se em conta apenas a beleza. Pelo menos é o que ficou comprovado na Finlândia, Alemanha, França, Suécia e Reino Unido.

Mas será que os mais bonitos têm só vantagens no mundo do trabalho? Pois eles também têm seus “probleminhas”, além da inveja que despertam ao redor, segundo um estudo realizado pelos economistas norte-americanos James Andreoni e Ragan Petrie. Os participantes precisaram escolher colegas para um exercício de colaboração. E selecionaram os mais atraentes. Depois do exercício, os participantes avaliaram o grau de colaboração —e veio a surpresa. Os bonitos e os nem tanto colaboraram da mesma forma. Só que os atraentes foram os mais penalizados, e por um motivo simples: os colegas tinham mais expectativas a respeito deles e, portanto, esperavam que rendessem mais.

Pois bem: se a beleza tem esse poder e nos faz ser injustos na hora de avaliá-la, o que teríamos que fazer para não pecarmos tanto? No âmbito laboral, deveríamos primeiro pedir currículos sem foto. De acordo com Bohnet, quando se analisam os CVs das pessoas, os bonitos saem ganhando porque costumam ser mais chamados para uma possível entrevista —e já sabemos que podemos perder talento por causa de um estereótipo injusto. O segundo passo é avaliar o desempenho profissional com base nos dados, não em afinidades ou sensações de qualquer tipo (algo que seria urgente para a China, sem dúvida). Na medida em que a gestão de pessoas se profissionalizar, as diferenças de gênero, etnia, cultura e beleza serão reduzidas. E conseguiremos que as empresas sejam mais justas com o talento —e não tanto com a imagem.

MAIS INFORMAÇÕES