Criança de 7 anos morre em acidente com arma do avô no Mato Grosso

Tragédia ocorreu um dia antes de Bolsonaro facilitar o acesso à posse de armas em todo o país

Modelo de arma semelhante ao que matou a criança no MT.
Modelo de arma semelhante ao que matou a criança no MT.Divulgação
Mais informações

O caso de L. E. S. é uma gota no oceano de tragédias semelhantes, fruto da combinação letal entre crianças e armas de fogo. De acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde, de 2017, naquele ano ao menos 108 crianças com entre menos de um ano a até nove anos perderam a vida em acidentes deste tipo, ou em casos de violência doméstica que culminou com infanticídio em todo o país. Especialistas em segurança pública apostam que o aumento no número de armas em casa, consequência da flexibilização do Estatuto do Desarmamento por parte do presidente Jair Bolsonaro, que assinou um decreto facilitando a posse de armas (possibilidade de ter armas em casa) pela população, podem levar ao crescimento do número de vítimas de acidentes como o que matou L. E. S. Os estudiosos também acreditam que as novas regras devem ter impacto na letalidade da violência doméstica e no feminicídio – crime no qual o Brasil é o quinto no ranking mundial.

O decreto de Bolsonaro manteve alguns pré-requisitos para a concessão da posse, como ter mais de 25 anos, ocupação lícita, não responder a processo criminal nem ter condenação prévia, além de ter residência fixa e capacidade técnica e psicológica para usar armas. No entanto, o texto assinado pelo novo presidente amplia o conceito de “efetiva necessidade” para a posse. Na prática, quem preenche os pré-requisitos e resida em “área rural”, “áreas urbanas com elevados índices de violência”, ou seja “titular ou responsável legal de estabelecimentos comerciais ou industriais” está apto a ter até quatro armas em casa (o número pode ser maior, dependendo da quantidade de imóveis ou residências).

Para evitar tragédias como a de L. E. S., Bolsonaro estipulou no decreto que caso more na residência do requerente da posse alguma “criança, adolescente ou pessoa com deficiência mental”, o adulto terá que apresentar uma declaração de que sua residência possui “cofre ou local seguro com tranca para o armazenamento”. Não se sabe o que as autoridades da Polícia Federal irão considerar como declaração de que a arma está em local seguro: o decreto não especifica se é preciso apresentar uma foto do cofre, por exemplo.

Luis, avô da vítima, não poderia estar com a arma no carro, pois não tem porte nem licença de caçador, o que permitiria que ele transportasse a arma de casa para um clube de tiro, por exemplo. O decreto de Bolsonaro não flexibiliza o porte, uma vez que ele é restrito a certas categorias profissionais. O capitão reformado do Exército, no entanto, já falou mais de uma vez que pode ampliar o porte para a população.

Após constatar que sua arma baleou o neto, o idoso fugiu do local “tomado por forte emoção”, disseram familiares. Foragido, ele deve se apresentar às autoridades no final desta quarta-feira. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Luis, que deve ser indiciado por homicídio culposo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: