Seleccione Edição
Login

O colapso do bitcoin aumenta medo de estouro da bolha das criptomoedas

A divisa digital, que agora está em torno de 4.000 dólares, perdeu 80% de seu valor em um ano

O colapso do bitcoin aumenta medo de estouro da bolha das criptomoedas

O bitcoin volta a estar ameaçado. Faz tempo que a divisa digital que assombrou o mundo com uma ascensão meteórica no ano passado − quando passou de uma cotação de menos de 400 dólares (1.550 reais) para perto de 19.000 (73.000 reais) − só vem dando desgosto para quem investiu nela. Se não houver nenhuma surpresa, 2019 passará para a cripto-história como o ano que impôs um limite instransponível às moedas digitais. O bitcoin está agora 80% abaixo do nível máximo alcançado em dezembro de 2017, segundo a página Coindesk.

Quando vai estourar a bolha do bitcoin? É uma pergunta que os analistas tentam responder há meses. Se a bolha não estourou nas últimas semanas, o que ocorreu se parece muito com isso. Especialistas citados pela Bloomberg acreditam, além disso, que a tendência de queda vai continuar. Segundo uma previsão de analistas da Bloomberg Intelligence, o valor da moeda pode cair para 1.500 dólares (5.800 reais).

O valor se ajusta à regulação

Juan Pedro Gravel, sócio de Estratégia Tecnológica da Deloitte, considera “mais que possível” que haja um processo de maior regulação das criptomoedas, e que tanto o número como o valor destas “comecem a se ajustar aos métodos tradicionais de valoração de ativos”.

“As inovações tecnológicas e financeiras geram, às vezes, expectativas irracionais. Nas criptomoedas, o hype tecnológico se mistura com a bolha especulativa. O excesso de liquidez no mercado se juntou a uma tecnologia atraente para gerar, no caso do bitcoin, uma supervalorização muito atraente desse ativo, com valores próximos dos 20.000 dólares [77.300 reais]”, explica Gravel. O sócio da Deloitte acrescenta que esses processos acabam sempre em uma correção importante, o que, no caso do bitcoin, aconteceu “com uma violência inusitada”.

Cotação do bitcoin.
Cotação do bitcoin.

Há uma semana, o bitcoin caiu para menos de 4.000 dólares (15.500 reais), barreira que não tinha cruzado desde setembro do ano passado. Desde então, essa criptomoeda de enorme volatilidade viveu dias de euforia, como na quarta-feira, quando teve a maior alta diária em meses. Mas as fortes altas foram seguidas por quedas igualmente virulentas, deixando o valor da moeda digital em torno dos 4.000 dólares na sexta-feira.

Pressão reguladora

As explicações para esses altos e baixos variam de um analista para outro, mas muitos concordam sobre alguns fatores que contribuem para a queda: as divergências dentro da comunidade de desenvolvedores dessa moeda (criada em 2008 por uma ou várias pessoas com o pseudônimo de Satoshi Nakamoto), a crescente pressão dos organismos reguladores, e as dúvidas quanto à sua capacidade de se tornar um meio de pagamento habitual.

A queda do valor do bitcoin pode levar a uma fuga de investidores que até recentemente consideravam a moeda digital uma nova mina de ouro. O desabamento também desencorajará parte da comunidade que se dedica a criar novas moedas virtuais, operação na qual essas pessoas usam potentes computadores e gastam enormes quantidades de eletricidade em troca de uma remuneração.

Há poucas semanas, as discordâncias na comunidade das criptomoedas provocou uma divisão (fork, no jargão do setor) do bitcoin cash − que, por sua vez, tinha nascido também em 2017 como cisão do bitcoin. Esse conflito também influiu na queda do valor.

É verdade que o bitcoin perdeu 700 bilhões de dólares (2,7 trilhões de reais) de capitalização em poucos meses. Mas ainda é cedo para declarar a morte dessa criptomoeda. Em quedas anteriores, alguns se apressaram em atestar seu estado de coma. E, em todas essas ocasiões, acabaram errando. Independentemente de seu valor, cada vez mais empresas declaram seu interesse em usar a blockchain, tecnologia na qual se baseia o bitcoin, para uma infinidade de utilidades.

A GRANDE VOLATILIDADE DA MOEDA VIRTUAL

O que é o bitcoin? É uma moeda completamente digital, baseada em transações. Nasceu como sistema de pagamento para a Internet e, diferentemente de outras divisas, não está submetida a uma autoridade nem a intermediários. Algumas empresas e serviços permitem pagamentos com ela. Seu valor depende da confiança dos usuários e da demanda.

Preço máximo. O bitcoin alcançou seu maior valor no final de 2017, quando chegou a quase 18.700 dólares (72.300 reais). No entanto, assim como subiu, voltou a cair. Dois meses depois, já valia menos de 7.000 dólares (27.070 reais).

O pior momento. O bitcoin perdeu 80% de seu valor em 2018 e tem vivido nos últimos dias seu pior momento. Na sexta-feira, chegou a ficar temporariamente abaixo de 3.700 dólares (14.300 reais).

MAIS INFORMAÇÕES