Seleccione Edição
Login

Debate TV Gazeta com os candidatos à Presidência

É a primeira vez que os presidenciáveis se encontram após o atentado com Jair Bolsonaro

Debate Gazeta Estadão JP Ampliar foto
Debate entre os candidatos à Presidência na TV Gazeta. AFP

O terceiro debate entre os presidenciáveis na televisão aberta, realizado pela TV Gazeta e o grupo Estado com a rádio Jovem Pan e o Twitter, teve a difícil missão de reunir os candidatos que tentam ganhar terreno sobre o eleitorado dos líderes das pesquisas que não estavam presentes — o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que foi proibido de concorrer, e o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), hospitalizado depois da tentativa de assassinato. Estavam presentes Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB) e Guilherme Boulos (PSOL). O Cabo Daciolo (Patriota), que também havia confirmado, não compareceu. Sem Bolsonaro ou um candidato do PT, coube aos presentes disputar o que se imagina, neste momento, ser o segundo lugar no segundo turno.

Desta forma, nos blocos com a troca de perguntas entre os candidatos, repetiu-se a tática de jogar uma pergunta sobre algum assunto, para que na réplica pudessem promover suas próprias ideias. Foi assim com Marina Silva (Rede) quando perguntou a Guilherme Boulos (PSOL) sobre a questão indígena. O candidato do PSOL respondeu enaltecendo que sua vice é Sonia Guajajara, uma liderança do grupo indígena que vive no Maranhão. Na sequência, Marina falou sobre os projetos da Rede para o assunto. O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) fez o mesmo ao perguntar sobre saneamento básico para Henrique Meirelles (MDB). O tucano e Meirelles, em todo caso, protagonizaram alguns embates, mas que acabaram limitados pelo curto tempo para as interações.

Ciro protagonizou quase metade (45%) das menções ao debate no Twitter, mas talvez não tenha muito a celebrar. A hashtag alusiva ao debate nem sequer estaria entre os assuntos mais comentados se não estivesse sendo patrocinada — a morte de Mr. Catra foi o assunto mais comentado na rede social ao longo do debate. A audiência do debate na televisão também foi inexpressiva, e mesmo os aliados políticos dos candidatos não prestigiaram o evento — nenhum dos candidatos a vice-presidente compareceu. Mesmo assim, analistas políticos mostram que ele adota uma linha adequada. “Ciro e o discurso da mudança e sua proposta do SPC. O único a destacar o desemprego e a violência contra a mulher. Fala de desenvolvimento e não de reforma. É outra narrativa para sua proposta de governo”, apontou o professor Eduardo Grin, que tem comentado os debates no EL PAÍS. Para Andrei Roman, da consultoria Atlas Político, o resultado do debate está claro. “Ciro ganhou, Alckmin conseguiu um desempenho razoável e a Marina foi bem pior do que esperava”, analisa Roman. Mas pondera que a vantagem de Ciro fica diluída pela baixa audiência do debate.

Talvez por conta da ausência de Bolsonaro, o tom do debate esteve abaixo dos dois primeiros. Os candidatos fizeram questão de manifestar pesar pelo atentado contra o deputado do PSL e o pouparam de ataques diretos. As provocações mais intensas foram trocadas entre Boulos e Meirelles, sempre iniciadas pelo candidato do PSOL, crítico dos bancos. “Você fala em 'chama o Meirelles', e eu falo em 'taxa o Meirelles”, provocou Boulos. Meirelles retrucou com um contra-ataque já usado em outros debates: ganhou seu dinheiro trabalhando, ao contrário de outras pessoas, numa referência à militância de Boulos no movimento dos sem-teto.

Meirelles também foi apertado pelo jornalista Rodolpho Gamberini. "O senhor tem investimento nas Bermudas. A Odebrecht, por exemplo, tinha conta lá. [O deputado cassado] Eduardo Cunha também tinha um trust, como o senhor tem. O seu investimento é legalizado, aparece até com nome muito singelo, de Sabedoria, na sua declaração de imposto de renda. O senhor acha moralmente correto o presidente de um Banco Central de algum País, ministro da Fazenda, do Congo ou da Dinamarca, ter investimentos em moeda estrangeira em um paraíso fiscal?", questionou o jornalista. Meirelles disse que o rendimento do fundo será doado para a área de educação após sua morte, mas se enrolou na resposta.

Quando foi sua hora de escolher a quem atacar, o ex-ministro da Fazenda mirou em Alckmin. Meirelles destacou a propaganda política do tucano contra Bolsonaro, veiculada mesmo após o ataque a faco sofrido pelo deputado. Alckmin respondeu que o adversário não deve ter visto a propaganda, porque ela não mostra ataques. Em um segundo momento, Meirelles questionou o concorrente sobre a efetividade do combate ao crime organizado em São Paulo. Alckmin defendeu sua gestão: "Enquanto o Governo federal, do Lula, não tinha penitenciária de segurança máxima, já tínhamos três. Nós vamos levar isso pro Brasil inteiro e ajudar todos os estados, não só o Ceará. Vamos ter uma agência nacional de inteligência".

A última pesquisa Ibope mostrou Ciro, Marina e Alckmin embolados na disputa pelo segundo posto. Se a tendência apontada pelo instituto está certa, foi o candidato do PDT quem melhor aproveitou o terceiro debate presidencial.

O debate foi comentado ao vivo pelo professor da FGV Eduardo Grin. Veja como seguimos o terceiro encontro dos presidenciáveis abaixo:

MAIS INFORMAÇÕES