Banco Central argentino sobe as taxas de juros a 45% para deter o dólar

Incerteza internacional e o escândalo pelos cadernos da corrupção atingem a economia do país, com o peso em valores mínimos históricos

Um homem passa em frente a uma casa de câmbio em Buenos Aires.
Um homem passa em frente a uma casa de câmbio em Buenos Aires.AFP

A trégua cambiária do último mês na Argentina se quebrou e deixou em evidência a crescente desconfiança dos investidores em relação ao país. O Banco Central (BCRA) subiu na segunda-feira de 40% a 45% a taxa de juros de referência, mas não conseguiu deter a desvalorização do peso, que caiu ao seu valor mínimo histórico, ao ser trocado a 30,5 unidades por dólar. Ao mesmo tempo, o risco país disparou aos 723 pontos, recorde sob a presidência de Mauricio Macri e a bolsa caiu quase 3%. A crise da lira turca contaminou todas as economias emergentes, mas com especial dureza a Argentina, muito necessitada de crédito internacional e balançada por um escândalo de corrupção que colocou na mira da Justiça funcionários de alto escalão da gestão kirchnerista e as grandes construtoras do país.

“Em resposta à conjuntura externa atual e ao risco que significa um novo impacto sobre a inflação doméstica, o Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central da República Argentina resolveu por unanimidade se reunir fora de seu cronograma pré-estabelecido e aumentar a taxa de política monetária a 45%”, disse o órgão monetário em um comunicado. A taxa de política monetária era de 40% desde o começo de maio, um número já muito superior ao de outras economias emergentes com problemas, como a Turquia, onde está em 18%.

Mais informações

Como medida adicional, o Banco Central anunciou que na quarta-feira venderá 500 milhões de dólares (2 bilhões de reais), em uma tentativa para aplacar o mercado. Além disso, com a aproximação do novo vencimento das Lebac (Letras do Banco Central) tentará fazer com que os investidores não fujam ao dólar e sim as troquem por letras do Tesouro (Letes) e de Liquidez (Leliq).

Os anúncios foram insuficientes para acalmar a moeda local. O peso perdeu na segunda-feira 2,7% de seu valor e acumula uma queda próxima a 50% desde meados de abril. Os mercados argentinos se acalmaram temporariamente em julho após dois meses de grande volatilidade em que o peso despencou, a inflação ficou fora de controle e o Governo recorreu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para acertar um resgate de 50 bilhões de dólares (195 bilhões de reais) e restaurar a credibilidade na economia.

“O acordo com o FMI foi muito bondoso no geral, mas não acabou com as dúvidas sobre o programa financeiro”, diz a economista Marina dal Poggetto, que considera que a aparente paz cambiária das últimas semanas era muito instável. As altas dos juros e a venda de reservas internacionais ajudaram a manter o peso estável durante algumas semanas, mas o aumento da incerteza internacional voltou a provocar um novo terremoto cambiário na Argentina.

Dal Poggetto acredita que o escândalo desatado com os cadernos da corrupção kirchnerista pode influenciar nas expectativas econômicas apesar de, ao contrário da Lava Jato brasileira, afetar mais a gestão anterior do que o Governo atual. O desfile de empresários das grandes construtoras do país pelos tribunais incidirá na baixa cotação dessas empresas e obrigará uma reorganização das alianças público-privadas com as quais Macri espera colocar em andamento obras de infraestrutura no ano que vem.

A renovação de 330 bilhões de pesos (42 bilhões de reais) em Lebac na terça-feira será uma prova para testar o ânimo dos mercados. O FMI aplaudiu a decisão do Governo de reduzir o estoque dessas letras por considerar que “elimina uma fonte importante de vulnerabilidade” e está alinhado ao acertado durante as negociações do resgate. Mas não há consenso entre os economistas. “Há uma disputa pelo assunto Lebacs: foram atrativas, mas agora estão desgastadas, existem dúvidas sobre o sucesso da renovação de terça-feira”, disse à rádio FM La Patriada o economista Guillermo Nielsen. Para Martín Alfie, da Radar Consultora, a troca de letras do BCRA por outras do Tesouro é “uma medida arriscada que mostra que o Banco Central tem cada vez menos ferramentas para lidar com essa situação”.

A nova turbulência na economia argentina coincide com a primeira revisão técnica do FMI desde o pagamento dos primeiros 15 bilhões de dólares (58 bilhões de reais) do resgate. A Argentina deve passar no teste para receber outros 3 bilhões de dólares (11 bilhões de reais) em setembro.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: