Seleccione Edição
Login

Morre Joël Robuchon, o cozinheiro com mais estrelas Michelin da história

O chef francês, membro da Legião de Honra e apaixonado pelas culinárias japonesa e espanhola, morreu em Genebra, aos 73 anos

O cozinheiro Joël Robuchon, em fevereiro de 2016, em Miami.
O cozinheiro Joël Robuchon, em fevereiro de 2016, em Miami. GETTY

O chef francês Joël Robuchon morreu nesta segunda-feira aos 73 anos, em sua casa em Genebra, Suíça. O homem que revolucionou a alta gastronomia francesa, que acumulou cerca de trinta estrelas Michelin e era apaixonado pela Espanha e pelo Japão, países que integrou em muitos de seus inúmeros projetos, morreu de câncer no pâncreas, contra o qual lutava há mais de um ano, de acordo com o jornal Le Figaro.

Apesar da doença, que combateu com grande discrição, Robuchon se manteve ativo até quase o último momento. O último de seus muitos negócios abriu na primavera deste ano em Paris: uma sala de chá, pastelaria e bar de saquê em uma das áreas mais elegantes da capital francesa, com a qual ele prestou homenagem a um de seus países favoritos, o Japão.

O chef Joël Robuchon, entre os cozinheiros Ferrán Adrià (esquerda) e Dani Garcia (direita), durante um evento em homenagem ao francês em abril de 2016, em Marbelha, Málaga (Espanha). ampliar foto
O chef Joël Robuchon, entre os cozinheiros Ferrán Adrià (esquerda) e Dani Garcia (direita), durante um evento em homenagem ao francês em abril de 2016, em Marbelha, Málaga (Espanha). GTRESONLINE

O outro era a Espanha, país que o inspirou e onde ele não só residiu por uma temporada, mas também trabalhou com muitos de seus grandes chefs. Há apenas três anos, em entrevista ao EL PAÍS, ele afirmou que as tapas são "o modelo do futuro". Um de seus conceitos mais renomados internacionalmente, o L'Atelier, baseia-se precisamente no formato das tapas espanholas e dos bares japoneses de sushi, com a cozinha aberta aos olhos do cliente.

MAIS INFORMAÇÕES