Espionagem dos EUA descobre que a Coreia do Norte desenvolve novos mísseis

Revelação do 'The Washington Post' coloca dúvidas sobre a vontade de Pyongyang de avançar na desnuclearização

A Coreia do Norte trabalha na construção de novos mísseis com capacidade de carga nuclear à longa distância, de acordo com informações do The Washington Post. O jornal norte-americano cita fontes da inteligência dos EUA que teriam assegurado que sua espionagem detectou evidências de que em uma fábrica próxima a Pyongyang, capital norte-coreana, estariam sendo fabricados um ou dois mísseis balísticos intercontinentais. A revelação coloca dúvidas sobre a vontade real do regime de Kim Jong-un de avançar nas negociações de desnuclearização que mantém com o Governo de Donald Trump.

Mais informações

O The Washington Post, com base em fontes anônimas, afirma que as produções balísticas estão sendo realizadas na fábrica de Sanumdong, onde foi feito o primeiro foguete intercontinental norte-coreano com capacidade para alcançar os Estados Unidos. O serviço de espionagem dos EUA teria, entre outras provas, várias fotos de satélites tiradas nas últimas semanas.

Poucos dias atrás especialistas da página especializada 38North chegaram à conclusão, a partir de imagens de satélites, de que Pyongyang estava demolindo uma das maiores instalações de sua agência aeroespacial, fundamental ao desenvolvimento e testes dos motores de seus mísseis balísticos. As fotos mostravam a destruição parcial de edifícios do complexo e guindastes.

No dia 12 de julho, Trump comemorou o fato de Kim lhe enviar uma carta na qual o ditador norte-coreano se dizia “convencido” de que ocorreram “progressos” nas relações entre os dois países. Para Trump era uma amostra do compromisso de Pyongyang de seguir o roteiro marcado por sua declaração conjunta de 12 de junho, após a reunião dos dois mandatários em Singapura.

Trump e Kim conversaram nessa ocasião sobre a possibilidade de se estabelecer um regime de paz duradouro na península coreana que dê garantias de segurança à Coreia do Norte em troca da renúncia de seu programa nuclear. Ao voltar de Singapura, um Trump triunfante declarou que a Coreia do Norte já não significava uma “ameaça nuclear”. O compromisso de Singapura, de qualquer forma, foi vago e a Coreia do Norte não assinou nenhum calendário para seu processo de desnuclearização e não abriu suas portas a inspeções.

Na semana passada no Senado, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, reconheceu que seu Governo sabe que Pyongyang continua “produzindo material fissionável”, ainda que não tenha respondido à pergunta sobre se o regime de Kim estava fabricando novos mísseis. Pompeo, que foi diretor da CIA, afirmou que estão dispostos a utilizar “uma diplomacia paciente” com a Coreia do Norte, mas acrescentou que Washington exigirá resultados: “Não permitiremos que arrastem essa situação indefinidamente”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: