“Os lagos de Marte são um refúgio para a vida”

Organismos podem ter evoluído muitas vezes em diversos lugares do Sistema Solar, segundo os especialistas

Cratera perto do polo norte marciano.
Cratera perto do polo norte marciano.ESA

Mais informações

Marte também foi um planeta azul. Há 3,5 bilhões de anos, na mesma época em que a vida estava surgindo na Terra, existia em Marte água suficiente para cobrir todo o planeta, e também uma atmosfera densa que fornecia condições adequadas para o surgimento da vida. Enquanto na Terra a evolução se pôs a funcionar, seu vizinho se dirigiu a um destino muito mais hostil. O planeta perdeu 87% da sua água. O resto se conservou congelada nas calotas polares, e Marte se transformou no frio deserto que é hoje.

O descobrimento de um grande lago de água líquida sob o gelo do polo sul marciano abre agora a possibilidade de que as formas de vida surgidas nos oceanos de Marte há bilhões de anos tenham se adaptado à vida nas profundezas e continuem ali.

“Nossas pesquisas com meteoritos marcianos demonstram que os tipos de compostos químicos presentes no planeta bastam para sustentar a vida”, diz John Priscu, ecologista da Universidade de Montana (EUA) e chefe do projeto de pesquisa dos vales de McMurdo, na Antártida, onde existem habitats parecidos com o lago marciano de água salgada descoberto recentemente pela sonda europeia Mars Express. “Um dos problemas que enfrentamos é que, para existir vida em Marte atualmente, precisaria haver um sistema hidrológico subterrâneo. O novo estudo acaba de nos mostrar que esse sistema existe, o que torna muito mais realista a possibilidade de haver vida. Acredito que o lago descoberto seja só um dos muitos por identificar, e que estas reservas são um refúgio para as formas de vida que possam ter existido quando o planeta tinha oceanos”, ressalta.

“Está claro que explorar esta zona para encontrar mais lagos se tornou uma prioridade clara”, diz Orosei

O italiano Roberto Orosei, um dos responsáveis pela descoberta, pensa o mesmo que seu colega norte-americano. É possível, diz, que haja mais lagos subglaciais no polo sul e também no polo norte, onde ainda não foi feita uma “busca sistemática”. Agora começa uma complicada corrida científica contra o tempo, pois a sonda europeia está já muito castigada após 15 anos de missão no planeta vermelho. “Nosso plano é acumular todos os dados que pudermos desta zona e, embora a decisão de alterar o rumo da sonda seja dos países que formam a Agência Espacial Europeia, está claro que explorar esta zona para encontrar mais lagos se tornou uma prioridade clara”, afirma o astrônomo.

Recriação artística do trabalho feito pela sonda espacial.
Recriação artística do trabalho feito pela sonda espacial.Davide Coero Borga (ESA)

Os dados do instrumento de radar MARSIS indicam que há centenas de milhões de metros cúbicos de água líquida sob uma camada de gelo de 1,5 quilômetro. Não está claro se se trata de um lago, de rochas misturadas a água salgada ou de barro. Não há nenhuma outra missão espacial em Marte que possa resolver esta dúvida, então será preciso esperar 2020, quando está previsto que a China envie a Marte uma sonda orbital com um sistema de radar que poderá confirmar a descoberta. Por outro lado, a tecnologia para perfurar o gelo e estudar o novo substrato já existe.

Um de seus criadores é o pesquisador Michael Hecht, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), que construiu vários modelos de sondas que derretem o gelo e são capazes de penetrar até camadas mais profundas. O inventor desta tecnologia é “cético” quanto à existência de água líquida no polo sul de Marte. “A temperatura sob o gelo, tanto em Marte como na Terra, aumenta à medida que você penetra no gelo”, explica Hecht. “Segundo nossos cálculos, uma camada de 1,5 quilômetro não é suficiente para tornar a temperatura suficientemente alta. Onde isso é possível é no polo norte, porque a camada é de três quilômetros. De fato, é mais provável que no polo norte haja grandes reservas de água líquida”, ressalta o investigador. Em sua opinião o polo sul de Marte não é o lugar onde procurar vida. “É muito mais provável que a encontremos onde já sabemos que há oceanos e fontes de calor através de sistemas hidrotermais, como Europa e Encelado [luas de Júpiter e Saturno, respectivamente]. Entretanto, o polo sul de Marte é um ambiente muito difícil para realizar uma missão espacial, porque é o lugar mais frio e onde o inverno é mais longo”, observa.

"Nossas pesquisas com meteoritos marcianos demonstram que os tipos de compostos químicos presentes no planeta bastam para sustentar a vida”, explica Priscu

Pesquisar ecossistemas desse tipo é um desafio enorme mesmo na Terra. Em Nunavut, Canadá, dentro do Círculo Polar Ártico, foram descobertos graças a imagens de radar dois lagos de água líquida salgada sob 600 metros de gelo. São o mais parecido em nosso planeta com o lago encontrado em Marte. Alcançá-los pode levar até uma década, explica Anja Rutishauser, uma das descobridoras dos lagos. “Nosso projeto de longo prazo é conseguir alcançar os lagos garantindo que não os contaminamos, e comprovar se a essas profundidades há vida e, se houver, determinar como ela conseguiu se adaptar a essas condições tão extremas”, explica. A equipe acaba de realizar uma sondagem geofísica que esclarecerá “o contexto hidrológico e geológico dos lagos”.

Por enquanto não há nenhuma missão espacial aprovada que vá tentar alcançar o novo lago marciano nem os oceanos das luas Europa e Encelado, embora tudo indique que estes serão os epicentros da exploração espacial no futuro. “Na Terra, em todos os lugares onde há água líquida também encontramos vida”, recorda Steve Clifford, do Instituto de Ciências Planetárias, nos EUA. “O descobrimento de água líquida persistente em tantos corpos do Sistema Solar abre a possibilidade de que a vida não tenha evoluído uma ou duas vezes, e sim muitas e em muitos lugares ao mesmo tempo. Procurar estas formas de vida será uma prioridade da exploração espacial para as próximas décadas”, ressalta.