Embraer acerta joint venture com a Boeing, que será dona de 80% da nova empresa

A americana deve pagar 3,8 bilhões de dólares pela sua fatia no negócio, que deve ser concluído até o final de 2019

A finalização dos detalhes financeiros e operacionais da transação devem continuar nos próximos meses
A finalização dos detalhes financeiros e operacionais da transação devem continuar nos próximos mesesTed S. Warren / AP

Mais informações

A Embraer e Boeing anunciaram, nesta quinta-feira, dia 5, a assinatura de um memorando de entendimento para a formação de uma joint venture contemplando os negócios e serviços de aviação comercial da fabricante brasileira. Em comunicado conjunto divulgado nesta manhã, as duas empresas afirmam que o acordo propõe uma parceria que contemple serviços de aviação comercial da Embraer, alinhada com as operações de desenvolvimento comercial, produção, marketing e serviços de suporte da Boeing. Nos termos do acordo, a Boeing deterá 80% da propriedade da joint venture e a Embraer, os 20% restantes. A área de Defesa fica fora desta nova empresa. O governo brasileiro, que detém a chamada golden share, ação preferencial com direito a vetar decisões da Embraer atualmente, perde essa prerrogativa diante da nova empresa, informou a assessoria da Boeing. Ela só valeria para a área de negócios ligados a defesa da companhia que nasceu em 1969. A extinção dessa ação preferencial brasileira já estava em debate no Tribunal de Contas da União. Segundo edição de hoje do jornal Valor, o TCU deve autorizar a venda da golden share, tanto da Embraer, como de outras em negócios onde o Governo tem essa preferência.

A nova empresa formada junto com a Boeing é avaliada em 4,75 bilhões de dólares. A Boeing pagará 3,8 bilhões de dólares pelos 80% de propriedade na joint venture. A americana deterá o controle operacional e de gestão da nova empresa, que responderá diretamente ao diretor executivo da Boeing, Dennis Muilenburg. A expectativa é que a parceria gere sinergia anual de custos estimada de cerca de 150 milhões de dólares – antes de impostos – até o terceiro ano. A joint venture vai funcionar na sede da Embraer, na cidade de São José dos Campos, a 100 quilômetros da capital paulista, incluindo um presidente e CEO.

O Governo brasileiro deu aval para o anúncio nesta quarta, depois de meses de negociação. Em dezembro, o presidente Michel Temer chegou a dizer que o Brasil não podia negociar “soberania e interesse nacional.” “No entender deste Governo, soberania é inegociável”, disse Temer, que completou na sequência. “Agora, todo o restante, que seja bom para a empresa, que ajude a melhorar a empresa, seja de quem for, ele é muito bem-vindo”. O que chama a atenção é o fato de que, inicialmente, o negócio parece melhor para a Boeing do que para a Embraer, e um dos poucos exemplos de inteligência de mercado e excelência do Brasil quando se trata de negócios com emprego de alta tecnologia.

Mas, se a sede da joint venture efetivamente permanecer no Brasil, a nova parceria pode inclusive ampliar as exportações brasileiras para o exterior, avalia José Augusto Castro, da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). “Teoricamente, deve expandir as exportações do Brasil. A Boeing é americana, que é o maior mercado importador de aviões do mundo. Isso só fortalece a empresa e evita que alguém, no futuro, coloque barreiras contra a Embraer. A princípio, é positivo, lembrando que só saberemos realmente daqui a quatro ou cinco anos, pois o que está sendo vendido hoje foi negociado anos atrás", afirma Castro.

Por ora, a proposta apresentada nesta quinta é que a joint venture se torne um dos centros de excelência da Boeing para o desenvolvimento de projetos, a fabricação e manutenção de aeronaves comerciais de passageiros e será totalmente integrada à cadeia geral de produção e fornecimento da americana, que passará a oferecer os aviões que são a especialidade da Embraer: aeronaves menores de passageiros para aviação regional. Segundo o comunicado, o plano é construir aviões de 70 a mais de 450 assentos, além de aviões de carga. As empresas também devem criar outra joint venture para promoção e desenvolvimento de novos mercados e aplicações para produtos e serviços de defesa, em especial o avião multimissão KC-390, a partir de oportunidades identificadas em conjunto.

Fundada em 1969, a Embraer é um dos poucos exemplos nacionais em que a coordenação do trabalho de inteligência da academia (Instituto Tecnológico de Aeronáutica, no caso), governo e iniciativa privada são capazes de criar empresas de ponta. Privatizada nos anos 1990, hoje ela representa um setor econômico de manufaturados, em contraposição à presença maciça das commodities na pauta de exportação. É a terceira do mundo na fabricação de jatos comerciais. Emprega 18.000 pessoas e está entre as maiores exportadoras do país, que ajudam a equilibrar a balança comercial e as contas públicas.

A finalização dos detalhes financeiros e operacionais da parceria estratégica e a negociação dos acordos definitivos da transação devem continuar nos próximos meses. Uma vez executados estes acordos definitivos de transação, a parceria estará, então, sujeita a aprovações regulatórias e de acionistas, incluindo a aprovação do governo brasileiro, bem como outras condições habituais pertinentes à conclusão de uma transação deste tipo. Caso as aprovações ocorram no tempo previsto, a expectativa é que a transação seja fechada até o final de 2019, ou seja, entre 12 a 18 meses após a execução dos acordos definitivos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete