_
_
_
_

Mauricio Macri declara guerra ao aumento do dólar

Desvalorização do peso obriga o presidente argentino a mudar a política cambiária

Federico Rivas Molina

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

A Argentina vive dias de incerteza econômica. Já se foram os tempos em que o presidente Mauricio Macri só dava boas notícias. O culpado é o dólar, que não para de subir, e seu oposto, o peso, que não para de se desvalorizar. Desde janeiro, a moeda do país sul-americano perdeu mais de 50% de seu valor e a inflação voltou a disparar acima dos 30% anuais, ainda mais alta do que em 2017. A batalha perdida contra o dólar e a inflação custou na semana passada o cargo do presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger. Seu substituto, o ex-ministro das Finanças, Luis Caputo, amigo pessoal de Macri, lançou na terça-feira uma bateria de medidas para estabilizar a moeda, mas quase não conseguiu manter seu valor nos limites. Enquanto isso, a Argentina espera a primeira parte dos 55 bilhões de dólares (205 bilhões de reais) acertados com o FMI.

Casa de câmbio no centro de Buenos Aires, com o dólar a 28,80 pesos
Casa de câmbio no centro de Buenos Aires, com o dólar a 28,80 pesosEFE
Mais informações
Argentina acerta com FMI um resgate de 50 bilhões de dólares
Investidores dão respiro a Macri com renovação de títulos em moeda local
A ameaça externa que ronda as economias de Argentina e Brasil

O Banco Central anunciou medidas para absorver 100 bilhões de pesos de liquidez, equivalentes a 3,57 bilhões de dólares (13 bilhões de reais) e diminuir a pressão sobre o dólar. Entre outras decisões, Caputo ordenou aos bancos um aumento de cinco pontos em suas reservas mínimas e fixou em 5% a porcentagem máxima de posse de reservas em moeda estrangeira, contra os 10% atuais. Para que os bancos possam repor os dólares que liberarem, o Banco Central lhes ofereceu um sistema de leilão de reservas internacionais, um mecanismo que a partir da quinta-feira será financiado com os primeiros 7,5 bilhões de dólares (28 bilhões de reais) que o Governo espera receber do resgate financeiro acertado com o FMI.

A estratégia oficial já deu seus primeiros resultados e na quinta-feira a cotação do dólar já havia caído de 29 pesos para 20,19. Além das medidas do BC argentino, teve influência a decisão do Morgan Stanley Capital International (MSCI) de ascender a Argentina de mercado de fronteira a emergente, uma categoria que agora o país partilha com o Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru. Os argentinos haviam perdido esse posto em 2009, durante o kirchnerismo. Ser considerada emergente vai permitir à Argentina receber investimentos de 4,5 bilhões de dólares. A ascensão ao novo patamar está sendo vista como um balão de oxigênio extraordinário para Macri, que tinha dado por perdida a batalha pela recategorização depois de seis semanas de turbulências financeiras.

A queda do dólar, ainda que modesta, trouxe calma numa semana que foi frenética. Entre quarta e sexta da semana passada, o dólar subiu mas de dois pesos, precipitando a saída de Sturzenegger. Macri precisou enfrentar a crise, que deixou de ser conjuntural e já ameaça transformar 2018 em um ano perdido. Um relatório da consultoria Ecolatina estimou que a inflação será de 30%, o dobro da meta oficial de janeiro, o salário real cairá 3% e o consumo se contrairá pelo terceiro ano consecutivo. Há duas semanas, o Banco Mundial reduziu para 1,7% o aumento do PIB argentino para esse ano, 1,3 ponto a menos do que o valor informado em janeiro.

A economia se transformou em um problema político. Enquanto os argentinos colocam toda sua atenção na Copa do Mundo da Rússia, de onde também só chegam más notícias para sua seleção, a Casa Rosada elabora estratégias para contornar a tempestade. O problema principal é combater o déficit fiscal, na origem de todos os problemas. A Argentina se endividou entre 2016 e 2017 em mais de 50 bilhões de dólares (187 bilhões de reais) para cobrir o buraco no gasto público. Mas o aumento de impostos nos EUA deixou sem dinheiro os países emergentes e o modelo macrista de abertura de mercado e ajuste gradual da economia precisou arrumar dinheiro em outro lugar. Por isso o pedido de resgate ao FMI, que dará financiamento até o final do mandato de Macri, em dezembro de 2019.

A Argentina se comprometeu com o FMI a conseguir o equilíbrio fiscal em 2020, mas para isso deverá segurar as rédeas do gasto. Macri disse na noite de domingo, durante uma entrevista na televisão, que o gradualismo chegou ao fim, como chegou sua estratégia de redução lenta do déficit para não transferir a carga dos cortes aos mais pobres. “Agora o gradualismo será menor, porque deterioramos nossa confiança no mundo”, disse. Sobre a crise, para muitos inesperada, disse que foi culpa de novas condições externas: “Vínhamos bem, mas de repente algumas coisas aconteceram porque o mundo está volátil. O dólar se valorizou, os impostos aumentaram, o petróleo aumentou e nós continuamos sendo importadores líquidos de energia”.

O problema das tarifas

O custo da energia é outra dor de cabeça para Macri. Quando assumiu em dezembro de 2015, as tarifas de gás, eletricidade e água estavam muito baixas, graças à política de subsídios feita pelo kirchnerismo para controlar a inflação. Macri multiplicou por cinco as contas de casas e empresas, como parte de um plano de redução de subsídios por etapas. A estratégia deu fôlego aos cofres públicos, mas Macri admitiu agora que não esperava que o impacto sobre a inflação seria tão alto. “Fracassou [o esquema] porque os aumentos de tarifas impactaram muito mais, as tarifas de energia são em dólares e nos surpreendeu”, disse Macri.

O grande desafio de Macri agora é reduzir o gasto sem perder o capital político que precisa para sua reeleição. O cenário não é fácil: na Argentina, a conjunção das palavras “ajuste” e “FMI” bastam para dilapidar as pretensões de qualquer político. A primeira decisão de Macri foi colocar Caputo no Banco Central para conter o dólar. No sábado demitiu os ministros da Energia, Juan José Aranguren, e da Produção, Francisco Cabrera, duas pessoas deu seu entorno que o acompanharam no gabinete desde o primeiro dia. Respondeu assim à necessidade de “arrumar” duas frentes conflituosas. Aranguren foi o responsável pelos aumentos das tarifas e Cabrera mal resistiu à pressão dos industriais pela abertura indiscriminada das importações.

A saída de Aranguren significa que a política de impostos começará a mudar, até mesmo contra o DNA de desregulamentação do macrismo. O sonho de Macri era que o mercado se movimentasse baseado nos preços internacionais sem controle estatal. Um exemplo disso foi a liberação do preço do combustível, que há meses sobe sem parar à medida que o dólar voa. Mas a pressão sobre a inflação foi insuportável e Macri voltou atrás. O mercado será outra vez regulamentado, apesar das empresas de combustível, como fez o kirchnerismo durante 12 anos. Javier Iguacel, que chegou ao ministério da Energia com a ordem de moderar o aumento das tarifas e controlar o preço da gasolina, será o responsável pela nova estratégia.

No ministério de Produção, entretanto, Macri nomeou Dante Sica, um homem que foi funcionário do ex-presidente peronista Eduardo Duhalde em 2002, quando o país vivia a pior crise econômica de sua história. O novo ministro é um defensor das pequenas empresas e o Presidente acredita que poderá reverter o mal-estar pela abertura dos mercados e a queda do consumo interno. A ideia de Macri é resistir ao temporal por pelo menos 18 meses, o tempo que lhe resta de mandato e os mesmos meses em que durará o acordo com o FMI.

Redução do déficit

A Argentina se comprometeu com o FMI a reduzir o déficit fiscal e os primeiros dados oficiais são favoráveis. O Ministério da Fazenda informou que o índice vermelho de maio caiu 71,3% em termos interanuais, a maior redução de 2018. O resultado foi consequência do aumento da renda que cresceu no mês passado 15% acima dos gastos, algo que não acontecia desde 2003. As contas do Estado, entretanto, foram negativas em 270 milhões de dólares (1 bilhão de reais). O Governo de Macri colocou como meta para 2019 um déficit de 1,3% do PIB, até chegar a zero em 2020.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_