Seleccione Edição
Login

Maduro é reeleito presidente da Venezuela com uma forte abstenção e em meio a denúncias de fraude

Candidato líder da oposição não reconhece processo eleitoral e pede novas eleições

Eleições Venezuela
Presidente Nicolás Maduro celebra reeleição após anúncio do resultado.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro,foi reeleito para mais 6 anos de mandato com uma abstenção de 54% em meio a uma eleição boicotada pela maioria das forças da oposição e com denúncias de fraudes. Segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), a participação dos eleitores chegou a 46%, embora fontes do organismo citadas pela Reuters assegurem que no fechamento das seções eleitorais, às 18h, esse número era de 32,3%. Nas últimas eleições presidenciais, celebradas em 2013, 80% dos eleitores compareceram aos colégios eleitorais. Ao longo do dia, a maioria das ruas da Venezuela registravam muito pouco trânsito e os colégios eleitorais estavam quase vazios.

O único adversário real de Maduro era Henri Falcón, que obteve 1,8 milhões de votos. O líder opositor declarou minutos antes do anúncio do resultado que não reconhecia o processo eleitoral deste domingo e exigiu a convocação de novas eleições. O candidato da oposição afirmou ter recebido 900 denúncias de irregularidades na jornada eleitoral. Com um tom enfático, ele criticou o "descaro" e o "vantagismo" do chavismo no pleito.

Ao fundamentar suas denúncias, Henri Falcón fez questão de ressaltar a presença dos chamados  "pontos vermelhos", núcleos de ativismo e proselitismo político, proibidos por lei, que as organizações chavistas instalaram a 200 metros dos locais de votação, e inclusive dentro deles, sob total consentimento do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Os pontos vermelhos são considerados por muitos dirigentes oficialistas, como Diosdado Cabello, um direito adquirido.

Costumam ir a esses espaços os eleitores do presidente Maduro para registar seu voto com o  chamado "carnê da pátria", com o qual estariam assegurando as ajudas e os programas sociais em troca de votos. O carnê é um documento com que o chavismo tenta conquistar o apoio das classes populares. Circulam no país mais de 16 milhões. Eles permitem o acesso a bônus e serviços e, ainda que oficialmente não sirva para receber atenção preferencial no recebimento das caixas periódicas de alimentos, é um instrumento utilizado para medir a fidelidade ao regime.

Maduro

O presidente havia emitido um aviso aos venezuelanos. "Votos ou balas", enfatizou pela manhã depois de ir ao seu colégio eleitoral no oeste de Caracas. Depois da divulgação dos resultados, ele deixou o palácio de Miraflores e falou a milhares de apoiadores. Ele falou de "vitória popular permanente", destacou a margem com a qual venceu Falcón - 67,7% contra 21,2% - e pediu diálogo.

Maduro enfatizou o caráter "histórico" do dia. No entanto, dezenas de locais de votação, mesmo nos bairros populares, pareciam vazios, quando é comum ver as calçadas de Caracas com longas filas de venezuelanos esperando para votar. Foi o que aconteceu em Petare, que tem alta porcentagem de militantes e apoiadores de Chávez e é um dos mais populosos da cidade. "Eles me disseram para fazer o cartão da pátria [um sistema que o governo usa para ter um segundo registro de participação] depois que eu votei, vim. Eu votei voluntariamente em Maduro. Eu acredito nele porque espero que ele resolva a situação no país. Tudo o que aconteceu é por causa da guerra econômica", disse um dos poucos eleitores no colégio, aderindo à retórica usada pelo oficialismo para justificar a hiperinflação que, segundo o Fundo Monetário Internacional, pode levar a aumento de  preços de 1.800.000% em dois anos.

Esse é o argumento usado pelo aparato do Estado. "Quem foi o grande derrotado hoje? A abstenção. Dissemos que a votação de hoje entraria para a história como um voto antiimperialista", disse Delcy Rodríguez, presidente da Assembléia Nacional Constituinte (ANC). Horas antes, Neisa Calderón, uma aposentada de 65 anos, exigiu uma mudança profunda e queixou-se dos procedimentos de controle da população instalados pelas autoridades: "Não sei por que devo me registrar para o cartão da pátria, mas faço porque acredito que assim posso validar meu voto. Votei porque quero que a situação na Venezuela mude. Caso contrário, não sei como fazer isso ".

Eleição

O processo eleitoral deveria terminar oficialmente às 18h (19h de Brasília), mas algumas escolas ficaram abertas uma hora e meia após esse horário em várias partes do país. Maduro votou pouco antes das 6h ao colégio Miguel Antonio Caro, em Caracas. "Fui o primeiro votante da pátria (...) sempre em primeiro nas batalhas pela nossa soberania, pelo direito à paz", declarou o líder chavista.

Alguns países como Argentina e Chile afirmaram que não irão reconhecer as eleições presidenciais venezuelanas, além da União Europeia. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, classificou as eleições presidenciais na Venezuela como "fraudulentas" e disse que elas "não mudam nada" no cenário do país. "Observando hoje (o que acontece na) #Venezuela. As fraudulentas eleições não mudam nada. É preciso que o povo venezuelano dirija este país... Uma nação com tanto o que oferecer ao mundo", escreveu Pompeo no Twitter.

MAIS INFORMAÇÕES