_
_
_
_

‘The Handmaid's Tale’, a criada tem muito mais para contar

Segunda temporada explora novos personagens, indo além do romance original, e amplia as tramas

Elisabeth Moss (esquerda) e Anne Dowd (centro) na segunda temporada de 'The Handmaid's Tale'.
Elisabeth Moss (esquerda) e Anne Dowd (centro) na segunda temporada de 'The Handmaid's Tale'.
Álvaro P. Ruiz de Elvira
Mais informações
Já não se trata apenas de se concentrar na mulher
Maldita profecia, por Margaret Atwood
As 19 melhores séries de 2017, segundo a avaliação do EL PAÍS

"Sinto que toda vez que se interpreta na televisão uma mulher forte e complicada dizem que é um soco na mesa do feminismo, e na verdade é só uma mulher forte, mas tudo bem.” Quem fala é Elisabeth Moss, protagonista de The Handmaid's Tale, uma das líderes na defesa do feminismo em Hollywood, depois de seus papéis nesta série distópica, em Mad Men e em Top of the Lake, e no movimento Time's Up contra os abusos de poder e sexuais. Mas a atriz se mostra cansada pelo fato de os personagens principais femininos continuarem sendo vistos como ponta de lança e não como algo normal, como o que já existe na sociedade. Moss, vestida com o traje carmim usado sempre por seu personagem em The Handmaid's Tale, fala sobre a série a um grupo de jornalistas convidados, em um intervalo nas filmagens da segunda temporada (que estreia nesta quarta-feira). A entrevista é na escadaria de acesso à casa que na ficção é a residência do comandante Fred Waterford.

Hamilton é uma pequena cidade canadense que passou de núcleo industrial a um lugar residencial a uma hora de carro de Toronto. Com sua mistura de fábricas e edifícios residenciais de tijolo e pedra, ali foram rodadas as externas de ficções como Dark Matter, Twelve Monkeys, American Gods e Hannibal, entre outras. Em um bairro em uma colina arborizada, grandes mansões ocupam uma encosta. Uma delas é a de Waterford. Na verdade, pertence a uma família que durante um mês a aluga à produtora da série e vai morar num hotel com as despesas pagas. É uma fria tarde de fevereiro, o dia começa a escurecer e Moss roda com Yvonne Strahovski uma sequência em que entram juntas na casa (o interior depois é gravado em estúdios imensos em Toronto).

A série, baseada no romance O Conto da Aia, de Margaret Atwood, de 1985, é uma história distópica em que parte dos EUA se transforma em Gilead, um país autoritário onde a função das mulheres é procriar ou servir os homens, como criadas ou como esposas leais. A segunda temporada explora novos personagens, indo além do livro, e cria novas tramas. Moss interpreta Offred, uma das criadas destinadas a dar filhos a um dos líderes e que procura se rebelar; Strahovski é Serena, a esposa estéril. Um dos aspectos que mais chamaram a atenção na primeira temporada foi a falta de solidariedade da segunda com a difícil situação da primeira, a quem trata como uma escrava. Uma forma de ser que Moss viveu na vida real. “Há muitas mulheres na minha vida, e cada vez trabalho com mais, minha equipe é toda de mulheres... Mas infelizmente vi isso na vida real, mulheres umas contra as outras. A série também é uma grande representação do extremo disso”, comenta.

Trailer da segunda temporada de 'The Handmaid's Tale'.

O sol se põe em Hamilton e a equipe de filmagem começa a se recolher. O ventilador que espalha supostos flocos de neve é desligado e os moradores, que recebem uma importante compensação financeira pelos inconvenientes, voltam a ocupar as ruas que até pouco tempo antes estavam cheias de carros pretos e extras que interpretam criadas vestidas de vermelho ou verde. Antes de ir a seu trailer, Moss fala alguns minutos mais com os jornalistas.

A atriz explica que a série é um grande alto-falante em favor da igualdade. “As razões pelas quais este material atrai a todos, a rede, produtores, atores, público, as pessoas que dão os prêmios [entre outros, melhor drama e melhor atriz no Emmy e no Globo de Ouro] é que parece que é o momento adequado para estas histórias. Era a hora de encontrarem sua voz e começassem a ser contadas”, diz Moss, que se sente orgulhosa de que a simbologia da série seja usada em protestos sociais: “Que as pessoas se vistam como as criadas... se demos a alguém um símbolo de resistência, então, fantástico, isso é mais legal que qualquer série”.

Essa voz da qual fala, Moss aplica a outros aspectos da série. À parte o feminismo, a primeira temporada de The Handmaid's Tale foi vista como um reflexo dos Estados Unidos de Trump. Como é possível garantir que os Estados Unidos não se convertam em Gilead?, lhe perguntam. “Se você souber, me diga. Se tivesse a resposta para isso, não estaria fazendo uma série boba de televisão. Não há resposta, mas tem que haver uma voz para as pessoas que não a tiveram durante muito tempo, podem ser mulheres, homens, gente de diferentes raças ou crenças. Esse parece um bom lugar por onde começar, e é onde estamos”, responde a atriz. Gilead, por ora, é ficção. E nela Moss é a face da rebeldia. Uma resistência carmim.

Mestrado de diretoras

Grande parte da direção dos episódios de The Handmaid's Tale está em mãos de mulheres. Nesta segunda temporada, a equipe de produção quis também formar mulheres diretoras de teatro ou cinema no mundo da televisão. Assim, cada diretora ou diretor é acompanhado dia a dia na rodagem de um capítulo por uma realizadora de outra mídia que faz assim uma espécie de mestrado acelerado.

Reed Morano, a diretora que filmou os três primeiros episódios da série na primeira temporada e que deu o tom de por onde deviam ir as coisas, adaptará em breve a série O Diário de Anne Frank e seu nome é cotado para um futuro projeto da saga Star Wars. A Disney e a Lucasfilm são criticadas justamente porque a igualdade se mostra de forma decente em seus novos filmes, mas por trás das câmeras é quase inexistente.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_